Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16202
Título: O trágico em lavoura arcaica
Autor(es): Ribeiro, Rochele Kalini de Melo
Palavras-chave: O trágico na literatura;Tragédia;Negação (Lógica) na literatura;Lavoura Arcaica Crítica e interpretação
Data do documento: 12-Mai-2011
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: RIBEIRO, Rochele Kalini de Melo. O trágico em lavoura arcaica. 2011. 104 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada; Literatura Comparada) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
Resumo: El escritor de São Paulo Raduan Nassar, lanza en 1975, su primera novela intitulado Lavoura arcaica. En su narrativa de estreno, el escritor nos trae la historia de un adolescente, André, que intenta destruir la plantación de su padre, Iohána. A través de sus sermones, el patriarca predicaba la moderación, la disciplina y la obediencia a las leyes impuestas por él, construyendo así, un mundo de ilusiones, donde el amor era una máscara para la hipocresía. En esta tensa relación, padre e hijo, representaciones místicas de Apolo y Dionisio, emprenden una contienda discursiva sobre la negación y la afirmación de la existencia. De ese modo, considerando la relación de lucha e integridad entre el impulso apolíneo y dionisiaco existentes en el romanticismo nassariano, la propuesta de este trabajo es presentar una lectura de lo trágico en Lavoura arcaica a partir de la perspectiva nietzscheana sobre el género trágico. Para eso, recorrimos al concepto desarrollado por Nietzsche en su obra, desde su primer libro O nascimento da tragédia (2007a), A visão dionisíaca do mundo (2005 a) y Ecce homo (2008 b).
metadata.dc.description.resumo: O escritor paulista Raduan Nassar, lança em 1975, o seu primeiro romance intitulado Lavoura arcaica. Em sua narrativa de estréia, o escritor nos traz a história de um adolescente, André, que tenta desconstruir a lavoura de seu pai, Iohána. Através de seus sermões, o patriarca pregava o comedimento, a disciplina e a obediência as leis impostas por ele, construindo assim, um mundo de ilusões, em que o amor servia de máscara para hipocrisia. Nessa relação de tensão, pai e filho, representações míticas de Apolo e Dioniso, travam um embate discursivo sobre a negação e a afirmação da existência. Desse modo, considerando a relação de luta e completude entre o impulso apolíneo e dionisíaco existentes no romance nassariano, a proposta desta pesquisa é apresentar uma leitura do trágico em Lavoura arcaica a partir da perspectiva nietzscheana sobre o gênero trágico. Para tanto, recorremos ao conceito desenvolvido por Nietzsche em sua obra, partindo de seu livro de estréia O nascimento da tragédia (2007a), A visão dionisíaca do mundo (2005 a) e Ecce homo (2008 b)
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/16202
Aparece nas coleções:PPGEL - Mestrado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RocheleKMR_DISSERT.pdf757,7 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.