Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17413
Title: Do útero à adoção: a experiência de mulheres férteis que adotaram uma criança
Authors: Maux, Ana Andréa Barbosa
Keywords: Gênero;Maternidade;Adoção;Infertilidade;Pesquisa fenomenológica;Gender;Motherhood;Adoption;Infertility;Phenomenological research
Issue Date: 28-Mar-2008
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: MAUX, Ana Andréa Barbosa. Do útero à adoção: a experiência de mulheres férteis que adotaram uma criança. 2008. 120 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Sociedade e Qualidade de Vida) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.
Portuguese Abstract: Mesmo com todas as mudanças e rupturas em relação aos papéis sociais exercidos pela mulher, a literatura tem confirmado que a maternidade ainda se configura como um dos principais papéis que ela espera desempenhar ao longo da vida. Quando não consegue engravidar ou levar adiante uma gestação, algumas mulheres encontram, na adoção de uma criança, uma alternativa para exercer o papel materno. Este trabalho buscou compreender a vivência de ser mãe por adoção no caso de mulheres férteis, mas cujo companheiro é infértil. Partiu-se de um referencial fenomenológico-existencial, utilizando-se como instrumento metodológico a narrativa. Participaram cinco mulheres, cujos processos de adoção tramitaram em uma Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Natal/RN. Os resultados mostram que, na constituição de sua subjetividade, a mulher constrói uma idéia de si mesma como alguém cujo principal papel consiste em colocar filhos no mundo, embora ela também considere natural sua participação em outras atividades fora do ambiente doméstico. Em casos de infertilidade masculina, há uma tendência para que a mulher também assuma a condição de infértil. A adoção passa a ser vista como alternativa para realizar o desejo de ser mãe e, ao mesmo tempo, agradar o marido, garantindo a continuidade daquela relação amorosa. Através dos cuidados maternos ela se descobre mãe, o que acrescenta um novo sentido para sua vida e o sentimento de realização, independente de ter gerado o filho. Contudo, também existe frustração, às vezes acompanhada de sofrimento, pela ausência da gravidez e parto. Ao final, o estudo enseja reflexões de que, para se realizar como mãe, a mulher não precisa, necessariamente, gerar filhos, sendo a maternidade uma das inúmeras possibilidades que lhes são apresentadas, e que ela pode escolher, ou não, realizar
Abstract: Even with all changes and ruptures related to the social roles that woman had performed, the literature had confirmed that the motherhood still configures it like one of the main roles that she hopes to play in some moment of her life. When the woman did not get pregnant or take ahead a pregnancy, some women find in adoption an alternative to play this role. This research aimed to understand the experience of being mother for adoption in the case of fertile women, but whose partner is infertile. Supported by existential-phenomenological theory, used it the narrative, how methodological instrument. Participated five women, whose adoption process followed the legal ways in the Youngness and Infancy Judgeship of Natal/RN. The results showed that in the selfish training, the woman to see herself how whose role principal is to generate children, although, she think that is natural her participation in others activities go out home too. In male infertile case is a tendency that the woman strikes the infertile status too. The adoption is an alternative to fulfill her desire of being a mother and, meanwhile, please her husband and guarantee the continuity of her love relationship. Through motherly care, the woman discover herself as a mother, what brings a new meaning for her live, independent of to generate a child. Though, exit frustration, sometimes, in association with suffering, on account of the pregnancy and childbirth absence. The end of the research suggests reflections that to become fulfilled herself as mother, the woman does not need, necessarily, to generate a child, being the maternity one of the uncountable possibilities that are shown, and that she can choose, or not, accomplish it
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/17413
Appears in Collections:PPGPSI - Mestrado em Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AnaAndreaBM.pdf512.89 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.