Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17464
Título: Agente penitenciário: trabalho no cárcere
Autor(es): Santos, Márcia Maria dos
Palavras-chave: Condições e organização do trabalho;Saúde;Doença;Working conditions and organization;Health;Disease
Data do documento: 14-Jul-2010
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SANTOS, Márcia Maria dos. Agente penitenciário: trabalho no cárcere. 2010. 88 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Sociedade e Qualidade de Vida) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
Resumo: Behind the high walls of a prison, there is suffering! Suffering from those who atone to their punishment, from those who work on behalf of an alleged regeneration, suffering that has remained for over two centuries. For those who had their conducts characterized as a crime, many studies have been developed. On the other hand, little is known about the prison servants. This research focused mainly on the identification, from the perspective of the correctional officers from two prisons in different states of Brazil, of the negative influence that their jobs have on them, on the factors that serve as protection, as well as the ones that offer them risk. It was observed that hygiene and security conditions are precarious in both prisons. From the reports, scabies, tuberculosis, hepatitis, H1N1, constant violence, politicization of the working environment, doubled working hours, lack of career planning and salaries emerge as evidence of the place where the bodies who work there are subdued, not taking the differences into account. From the above, and as of the many things that still need to be said about this category, it is reiterated the importance in developing studies about the conditions and the work organization and its implications on the mental health of those workers, who lack of public policies committed to their working realities
metadata.dc.description.resumo: Por trás dos muros altos de um presídio, há sofrimento! Sofrimento daqueles que expiam suas penas, sofrimento daqueles que trabalham em prol de uma pretensa regeneração, que vem se mantendo por mais de dois séculos. Para aqueles que tiveram suas condutas tipificadas como crime, muitos estudos têm sido produzidos. Por outro lado, pouco se sabe sobre o servidor penitenciário. A ênfase desta investigação centrou-se na identificação, sob a ótica dos agentes penitenciários de dois presídios de diferentes Estados do Brasil, das influências negativas que seus trabalhos têm sobre eles mesmos, nos fatores que lhes servem de proteção, bem como nos fatores que lhes oferecem risco. Observou-se que as condições de higiene e de segurança são precárias nos dois presídios. Dos relatos, escabioses, tuberculoses, hepatites, H1N1, violências constantes, politização do ambiente ocupacional, carga horária duplicada, ausência de planos de cargos e salários surgem como reflexos dos locais onde estão submetidos os corpos que ali trabalham, guardadas as diferenças. Do exposto, e do muito que ainda precisa ser dito sobre essa categoria, reitera-se a importância em promover estudos com respectivo espaço de discussão acerca das condições e da organização do trabalho e de suas implicações na saúde mental desses trabalhadores, tão carentes de políticas públicas compromissadas com suas realidades de trabalho
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/17464
Aparece nas coleções:PPGPSI - Mestrado em Psicologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MarciaMS_DISSERT.pdf1,11 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.