Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17585
Título: A humanização no parto e no nascimento: os saberes e as práticas no contexto de uma maternidade pública brasileira
Autor(es): Morais, Fatima Raquel Rosado
Palavras-chave: Saúde da mulher;Humanização;Parto;Políticas de saúde;Etnografia institucional;Health of the woman;Humanization;Delivery;Politics of health;Institutional ethnography
Data do documento: 22-Fev-2010
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: MORAIS, Fatima Raquel Rosado. A humanização no parto e no nascimento: os saberes e as práticas no contexto de uma maternidade pública brasileira. 2010. 273 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social; Processos Psicossociais; Relações de Poder e Sociedade) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
Resumo: The practice of medicine related to the gestational processes tend to be organized according to the context and the place of work, being thus dependent of the conditions both social and economical, and of the physical structure and the functionality of the services. The high mortality rate in this process has diminished, since 1986, the study made by the World Health Organization (WHO) as to the technical aspects and the social inequalities that influence this situation in different geographical contexts. This culminated recommendations that proposed the reorientation of the dynamical practice of medicine, with a focus on the safety of maternities. Brazil adopted, in the year 2000, the suggestions of the OMS, emphasizing the humanization as the main reason for these actions. However, this discussion tends to not consider the problems caused by the social inequalities and the epidemiological and social conditionings that define the actions of the Unified Health System (Sistema Único de Saúde SUS). In this area, this research seeks to analyze the practices, cares taken, and the universal symbol that promotes and rewards the assistance to the birth of children by the SUS. Besides the analysis of the public documents that deal with this subject, an ethnographic study was developed in a maternity in Natal/RN, considered a model of humanization after receiving the Galba de Araújo prize in 2002. In this stage, the methodological strategies were observed, and the focus of the individual interviews with workers and users of this service. In the analysis of the data, it became evident that the different professional workers and women who gave birth, tend to show concern of the standards the delimit production and reproduction of the practice of medicine, as they favor the absence of a critical posture of the actions destined to the population. Besides this, if became evident that the institutional difficulties associated to the economical, cultural, and political problems also difficult the involvement and the reflection of the workers in favor of assisting changes of the process. There is also a utilization of a perspective prescriptive of humanization in the everyday life of the social workers, without reflection of its meaning. Some workers present, in their statements, a preoccupation with the social and economical aspects that affect the practice of medicine, and with the limitations of the humanization discourse that disarticulates the necessities of those involved in the process of formation, and soon tend to return to the discussion of humanization while a kind practice characterized by the minimization of the interventionist actions. Now the users of the system show themselves before the dynamic of the services, submitting themselves to what is offered while assistance, without questioning and/or reflecting about their usual shortages. Therefore, to think of changes in the know and do of the practice of medicine destined to the birth of children implies reflection on the quotidian production of these practices and of the social contexts that influence the process of assistance in the practice of medicine. Herein it would be possible to predict the appropriation, by different workers concerning their exasperations and necessities, making them active in the pursuit of their rights as citizens
metadata.dc.description.resumo: As práticas em saúde relacionadas ao processo gestacional tendem a se organizar de acordo com o contexto e os espaços assistenciais, os quais são dependentes das condições socioeconômicas e da estrutura física e funcional dos serviços. A elevada morbimortalidade nesse processo desencadeou, desde 1986, a reflexão pela Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto aos aspectos técnicos e às iniquidades sociais que influenciam essa situação em diferentes contextos, culminando nas recomendações que propunham a reorientação da dinâmica assistencial com foco na maternidade segura. O Brasil adota, no ano 2000, as sugestões da OMS, enfatizando a humanização como eixo orientador das ações. Contudo, essa discussão tende a desconsiderar os problemas das iniquidades locais e os condicionantes epidemiológicos e sociais que definem as ações no Sistema Único de Saúde (SUS). Nesse sentido, esta pesquisa objetivou analisar as práticas discursivas nas ações de trabalhadores e usuárias da Maternidade de Felipe Camarão em face da organização do cuidado na perspectiva da humanização do parto e do nascimento no contexto institucional de uma maternidade pública. Então, além da análise dos documentos públicos que lidam com essa temática, foi desenvolvido um estudo etnográfico em uma maternidade em Natal (RN), considerada modelo para a humanização após ter recebido o prêmio Galba de Araújo, em 2002. Nessa etapa, as estratégias metodológicas foram a observação participante, o grupo focal e a prática da entrevista individual com trabalhadores e usuárias do serviço. Na análise dos dados, evidenciou-se que os diferentes atores, os profissionais e as mulheres em parturição, tendem a mostrarem-se alheios aos contextos que delimitam a produção e reprodução das práticas em saúde, o que favorece a ausência de uma postura crítica diante das ações destinadas à população. Além disso, ficou evidente que as dificuldades institucionais, associadas às questões econômicas, culturais, políticas e de gestão, também dificultam o envolvimento e a reflexão dos trabalhadores em favor de mudanças assistenciais para o processo. Há também a utilização de uma perspectiva prescritiva da humanização no fazer cotidiano desses atores sociais, sem uma reflexão crítica acerca do seu significado. Alguns trabalhadores apresentam em seus posicionamentos uma preocupação com os aspectos sociais e econômicos que afetam as práticas em saúde e com as limitações do discurso humanizador, que desarticula as necessidades dos envolvidos nesse contexto. Todavia, possivelmente por questões culturais e relacionadas ao processo de formação, logo tendem a retornar ao discurso da humanização enquanto prática caridosa caracterizada pela minimização das ações intervencionistas. Já as usuárias mostram-se passivas diante da dinâmica dos serviços, submetendo-se ao que lhes é oferecido enquanto assistência, sem questionar e/ou refletir acerca das suas carências usuais. Assim, pensar em mudanças no saber/fazer em saúde destinadas ao parto e ao nascimento implica refletir a produção cotidiana dessas práticas e os contextos sociais que influenciam o processo assistencial em saúde. Dessa forma, seria possível antever a apropriação, pelos diferentes atores, dos seus anseios e necessidades, fazendo-os ativos na busca pelos seus direitos de cidadania
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/17585
Aparece nas coleções:PPGPS - Doutorado em Psicologia Social

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
FatimaRRM_TESE.pdf849,68 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.