Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/18541
Título: Fatores de riscos cardiovasculares em adolescentes da cidade do Natal-RN
Autor(es): Torres, Kerginaldo Paulo
Palavras-chave: Adolescente;Fatores de risco cardiovascular;Diabete;Obesidade;Hipertensão arterial;Dislipidemias
Data do documento: 7-Nov-2011
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: TORRES, Kerginaldo Paulo. Fatores de riscos cardiovasculares em adolescentes da cidade do Natal-RN. 2011. 121 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
metadata.dc.description.resumo: Estudos têm demonstrado elevada prevalência de fatores de risco cardiovascular em adolescentes a redor do mundo, entretanto, é possível que esses fatores de risco se comportem de modo diferente em diferentes localidades. Objetivos: Examinar a prevalência do sobrepeso/obesidade e sua associação com outros fatores de risco cardiovasculares, em adolescentes, da cidade do Natal-Brasil. Métodos: Estudo observacional de delineamento transversal, realizado em 626 adolescentes (10 a 19 anos) de ambos os sexos. Foram estudadas as variáveis: peso, idade, gênero, cor, escolaridade, renda familiar, hábitos de vida, história familiar, peso, estatura, índice de massa corporal, relação cintura/quadril, pressão arterial, perfil lipídico, Glicose e Insulina de jejum e pós Dextrosol. Resultados: Foram avaliados 273 (43,6%) adolescentes do sexo masculino e 353 (56,4%) feminino. 26,4% dos adolescentes apresentaram sobrepeso/obesidade. A presença de obesidade familiar foi relatada por mais de 30 % da nossa amostra. Na análise de regressão logística múltipla; Idade, renda familiar, percentil de pressão sistólica, história familiar de hipertensão e obesidade, triglicerídeos, HDL colesterol, e HOMA RI mostraram-se associados com sobrepeso/obesidade. A relação cintura quadril apresentou-se mais elevada nas mulheres, e encontramos 10,9 % dos adolescentes com percentil de pressão sistólica (PAS) 95, e 7,4 % com percentil de pressão diastólica (PAD) 95. As dosagens de triglicerídeos, colesterol HDL e HOMA-RI alterados foram mais prevalentes nos que apresentavam IMC aumentado. As alterações do xi colesterol total, triglicerídios, glicemia pós dextrosol e HOMA teste, tiveram maior prevalência no gênero feminino. Na regressão logística binária, foram observadas associações do sobrepeso / obesidade com idade; OR 0,85, IC de 95% (0,78-0,92); p<0,001, pressão arterial sistólica; OR 2,65, IC de 95% (1,18- 5,94); p< 0,020, renda familiar; OR 2,34, IC de 95% (1,53-3,58); p< 0,001, história familiar de hipertensão arterial; OR 1,76, IC de 95% (1,15-2,71); p< 0,009, história familiar de obesidade; OR 1,50, IC de 95% (1,09-2,27); p< 0,04, aumento dos trigliceridios; OR 2,74, IC de 95% (1,69-4,43); p< 0,001, redução do colesterol; HDL OR 0,58, IC de 95% (0,38-0,87); p< 0,009 e o aumento do HOMA OR 3,16, IC de 95% (1,64 - 6,02); p<0,001. Conclusão: A prevalência de fatores de risco cardiovascular em Natal – Brasil se constitui em grave problema de saúde pública, atingindo níveis que se igualam ou até superam os de outras cidades tanto no Brasil, como em outros países
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/18541
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
KerginaldoPT_TESE.pdf1,97 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.