Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/18542
Título: Eosinófilos e proteína catiônica eosinofílica na urina: uma nova abordagem para o diagnóstico da inflamação renal no lúpus eritematoso sistêmico
Autor(es): Brito, Tereza Neuma de Souza
Palavras-chave: Eosinófilos;Proteína catiônica eosinofílica;Lúpus eritematoso sistêmico
Data do documento: 28-Nov-2011
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: BRITO, Tereza Neuma de Souza. Eosinófilos e proteína catiônica eosinofílica na urina: uma nova abordagem para o diagnóstico da inflamação renal no lúpus eritematoso sistêmico. 2011. 62 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
metadata.dc.description.resumo: O objetivo desse trabalho foi investigar o eosinófilo e a proteína catiônica eosinofílica (ECP) na urina de pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), com e sem nefrite lúpica, como possíveis marcadores de inflamação renal. Foram estudados 74 pacientes com LES 20 com evidência clínica e laboratorial de nefrite lúpica (LN grupo) e 54 sem envolvimento renal (não-LN grupo) quanto à eosinofilúria e ECP urinária (uECP). A eosinofilúria foi observada através da coloração de Hansel e as concentrações de ECP urinária foram obtidas por fluoroenzimaimunoensaio e em seguida corrigidas pela creatinina urinária (uECP/uCr). As variáveis do estudo foram comparadas com a hematúria glomerular, relação proteína/creatinina urinária (uPr/uCr), creatinina sérica, clearance de creatinina estimado, anti-dsDNA, níveis séricos dos complementos C3 e C4, relação IL-5 urinária/creatinina e com o Índice de atividade da doença LES (Mex-SLEDAI). A avaliação preditiva da eosinofilúria e uECP foi observada através da curva ROC e o nível de significância do estudo foi p valor<0,05. Os resultados mostraram que a eosinofilúria e as concentrações da uECP e uECP/uCr foram mais elevadas nos pacientes do LN grupo em relação ao não-LN grupo (p<0,001 para todos). Essas variáveis mostraram uma correlação estatisticamente significativa com a hematúria, dismorfismo eritrocitário glomerular, cilindrúria, relação uPr/uCr, creatinina sérica, clearance de creatinina estimado, anti-dsDNA, relação IL-5 urinária/creatinina e com o Mex-SLEDAI (p<0,05). Os resultados da curva ROC mostraram uma melhor performance (área sob a curva-AUC) para a uECP/uCr, usando como variável de classificação a uPr/uCr (AUC=0,94) e o clearance de creatinina estimado (AUC=0,84), p<0,0001. Conclui-se que dentre as variáveis do estudo, a uECP/uCr pode servir como um novo marcador de inflamação renal em pacientes com LES
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/18542
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TerezaNSB_TESE.pdf1,51 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.