Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/19122
Título: Influência do incentivo ao conservadorismo nas escolhas contábeis relacionadas ao reconhecimento de provisão de contingências passivas
Autor(es): Silva, César Augusto Tibúrcio
Gonçalves, Rodrigo de Souza
Tavares, Adilson de Lima
Lima, Diana Vaz de
Palavras-chave: Seleção adversa;Decisão em contabilidade;Gerenciamento de resultados;Provisão de contingências passivas;Pesquisa experimental
Data do documento: 2010
Citação: SILVA, César Augusto Tibúrcio; GONÇALVES, Rodrigo de Souza; TAVARES, Adilson de Lima; LIMA, Diana Vaz de. Influência do incentivo ao conservadorismo nas escolhas contábeis relacionadas ao reconhecimento de provisão de contingências passivas. Revista Universo Contábil, ISSN 1809-3337, FURB, Blumenau, v. 6, n. 4, p. 06-20, out./dez., 2010. Disponível em: <http://proxy.furb.br/ojs/index.php/universocontabil/article/view/1380/1419>. Acesso em: 14 maio 2015.
Resumo: Este estudo investiga as escolhas contábeis relacionadas ao reconhecimento de provisão de contingências passivas em situações de seleção adversa. A seleção adversa surge no momento pré-contratual (AKERLOF, 1970), onde ocorre a assimetria informacional entre principal e agente (JENSEN, 2003). Utilizando os assuntos tratados na Deliberação CVM n° 489/2005, os autores procuram discutir se os contadores conseguem, em situações reais, não ser influenciados pelo ambiente em que estão inseridos. Para tanto, é realizado um experimento (LIBBY, BLOOMFIELD e NELSON, 2002; SPINKLE, 2003) com 343 estudantes de graduação e pós-graduação em Ciências Contábeis, divididos em dois grupos, sendo o ambiente em um deles alterado pelo uso do chamariz (ARIELY, 2008). Os cenários foram controlados por idade, gênero, nível de experiência, escolaridade e grau de certeza, e os resultados revelam perfil menos conservador para os homens, os inexperientes e os mais jovens, com variações entre duvidosos e confiantes. Por sua vez, as mulheres mais experientes foram conservadoras em todas as proposições do experimento, não sofrendo influência do chamariz. Com os indivíduos que apresentaram perfis extremos (mais, ou menos, conservadores), os resultados são relevantes para os seniores e homens, ratificando as análises precedentes de que a influência do chamariz ocorreu, efetivamente, para os homens. Verificase, portanto, que a presença do chamariz pode afetar as decisões, e que a influência pode variar conforme o perfil do indivíduo, tendo os homens um perfil mais agressivo e com maior propensão ao gerenciamento de resultados
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/19122
ISSN: 1809-3337
Aparece nas coleções:CCSA - DCC - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
InfluênciaIncentivoConservadorismo_2010.pdf341,32 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.