Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/19447
Título: Dinâmica das configurações de formação e inibição das chuvas no Rio Grande do Norte: caracterização hidroclimática do estado
Autor(es): Schmidt, Darlan Martines
Palavras-chave: Sistemas Meteorológicos;Ciclo anual das chuvas;Semiárido brasileiro
Data do documento: 30-Jul-2014
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SCHMIDT, Darlan Martines. Dinâmica das configurações de formação e inibição das chuvas no Rio Grande do Norte: caracterização hidroclimática do estado. 2014. 132f. Tese (Doutorado em Ciências Climáticas) - Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.
Resumo: This study aimed to evaluate the influence of the main meteorological mechanisms trainers and inhibitors of precipitation, and the interactions between different scales of operation, the spatial and temporal variability of the annual cycle of precipitation in the Rio Grande do Norte. Além disso, considerando as circunstâncias locais e regionais, criando assim uma base científica para apoiar ações futuras na gestão da demanda de água no Estado. Database from monthly precipitation of 45 years, ranging between 1963 and 2007, data provided by EMPARN. The methodology used to achieve the results was initially composed of descriptive statistical analysis of historical data to prove the stability of the series, were applied after, geostatistics tool for plotting maps of the variables, within the geostatistical we opted for by Kriging interpolation method because it was the method that showed the best results and minor errors. Among the results, we highlight the annual cycle of rainfall the State which is influenced by meteorological mechanisms of different spatial and temporal scales, where the main mechanisms cycle modulators are the Conference Intertropical Zone (ITCZ) acting since midFebruary to mid May throughout the state, waves Leste (OL), Lines of instability (LI), breeze systems and orographic rainfall acting mainly in the Coastal strip between February and July. Along with vortice of high levels (VCANs), Complex Mesoscale Convective (CCMs) and orographic rain in any region of the state mainly in spring and summer. In terms of larger scale phenomena stood out El Niño and La Niña, ENSO in the tropical Pacific basin. In La Niña episodes usually occur normal or rainy years, as upon the occurrence of prolonged periods of drought are influenced by EL NIÑO. In the Atlantic Ocean the standard Dipole also affects the intensity of the rainfall cycle in State. The cycle of rains in Rio Grande do Norte is divided into two periods, one comprising the regions West, Central and the Western Portion of the Wasteland Potiguar mesoregions of west Chapada Borborema, causing rains from midFebruary to mid-May and a second period of cycle, between February-July, where rains occur in mesoregions East and of the Wasteland, located upwind of the Chapada Borborema, both interspersed with dry periods without occurrence of significant rainfall and transition periods of rainy - dry and dry-rainy where isolated rainfall occur. Approximately 82% of the rainfall stations of the state which corresponds to 83.4% of the total area of Rio Grande do Norte, do not record annual volumes above 900 mm. Because the water supply of the State be maintained by small reservoirs already are in an advanced state of eutrophication, when the rains occur, act to wash and replace the water in the reservoirs, improving the quality of these, reducing the eutrophication process. When rain they do not significantly occur or after long periods of shortages, the process of eutrophication and deterioration of water in dams increased significantly. Through knowledge of the behavior of the annual cycle of rainfall can have an intimate knowledge of how it may be the tendency of rainy or prone to shortages following period, mainly observing the trends of larger scale phenomena
metadata.dc.description.resumo: Neste estudo teve - se como objetivo, avaliar qual a influência dos principais mecanismosmeteorológicos formadores e inibidores de precipitação, e as interações entre diferentes escalas de atuação, na variabilidade espacial e temporal do ciclo anual da precipitação no Rio Grande do Norte. Considerando ainda particularidades locais e regionais, criando assim uma base científica de apoio para ações futuras no manejo da demanda hídrica no Estado. Foramutilizados dados de precipitação mensal de 45 anos, compreendidos entre 1963 e 2007, dados cedidos pela EMPARN. A metodologia aplicada para se atingir os resultados foi composta inicialmente da análise estatística descritiva dos dados históricos, para comprovar a estabilidadeda série, posteriormente, foi aplicada a geoestatística como ferramenta base para a plotagem dos mapas das variáveis, dentro da geoestatística optou-se pelo método de interpolação porKrigagem pois foi o método que apresentou os melhores resultados e menores erros de plotagem. Dentre os resultados, destaca-se o ciclo anual da precipitação do Estado que é influenciado por mecanismos meteorológicos das diferentes escalas espaciais e temporais, onde os principais mecanismos moduladores desse ciclo são a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) atuando de meados de fevereiro a meados de maio em todo o Estado, Ondas de Leste (OL), Linhas de Instabilidade (LI), Sistemas de Brisas e Chuvas Orográficas atuando principalmente na faixa Litorânea entre fevereiro e julho. Juntamente com Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis (VCANs), Complexos Convectivos de Mesoescala (CCMs) e chuvas orográficas em qualquer região do Estado principalmente na primavera e verão. Em termos de fenômenos de maior escala destacaram-se EL NIÑO e LA NIÑA, ENOS na bacia do Pacífico Tropical, em episódios de LA NIÑA, geralmente ocorrem anos normais a chuvosos, já quando da ocorrência de períodos prolongados de escassez de chuvas são pela influência de EL NIÑO. Na bacia do oceano Atlântico o padrão de Dipolo também interfere na intensidade do ciclo das chuvas. O ciclo das chuvas no Rio Grande do Norte é dividido em dois períodos, um compreendendo as mesorregiões Oeste, Central e Porção Oeste da Agreste Potiguar a oeste da Chapada da Borborema, provocando chuvas de meados de fevereiro a meados de maio e um segundo período de ocorrência de chuvas, compreendido entre fevereiro a julho, onde as chuvas ocorrem na mesorregião Leste e restante da Agreste, situada a barlavento da Chapada da Borborema, ambos intercalados por períodos secos sem ocorrência de precipitações significativas e por períodos de transição de chuvoso-seco e de seco-chuvoso, onde podem ocorrem precipitações isoladas. Aproximadamente 82% das estações pluviométricas do Estado o que corresponde a 83,4% da área total do Rio Grande do Norte, não registram volumes anuais acima de 900 mm. Devido a oferta hídrica do Estado ser mantida por pequenos reservatórios, que já encontram - se em estado de eutrofização avançado, quando ocorrem as chuvas, atuam para lavar e substituir as águas dos reservatórios, melhorando a qualidade dessas, diminuindo o processo de eutrofização. Pois quando as mesmas não ocorrem significativamente ou longos períodos de escassez, o processo de deterioração das águas e eutrofização dos açudes aumenta significativamente. Através do conhecimento do comportamento anual do ciclo das chuvas se pode ter uma noção prévia de como poderá ser a tendência do período seguinte, tanto chuvosoou propenso a escassez, principalmente observando as tendências dos fenômenos de maior escala.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/19447
Aparece nas coleções:PPGCC - Doutorado em Ciências Climáticas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DarlanMartinesSchmidt_TESE.pdf16,77 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.