Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/19695
Título: O papel da violência interpessoal compreendida como a manifestação de uma endemia social: uma análise geográfica sobre o fenômeno no Brasil e Rio Grande do Norte
Autor(es): Patrício, Alexsandro Pereira
Palavras-chave: Violência interpessoal;Crise social;Instrumentos de dominação;Morbimortalidade
Data do documento: 19-Mar-2014
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: PATRÍCIO, Alexsandro Pereira. O papel da violência interpessoal compreendida como a manifestação de uma endemia social: uma análise geográfica sobre o fenômeno no Brasil e Rio Grande do Norte. 2014. 264f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.
Resumo: En Brasil, la violencia interpersonal (homicidios) se ha incrementado de forma significativa, convirtiéndose en una preocupación cada vez mayor en todos los ámbitos políticos de la sociedad. Hoy es uno de los más graves problemas sociales y de salud pública. Se refiere a los problemas sociales, ya que interfiere en la distribución de la oferta de bienes y servicios a los ciudadanos; sino también un problema de salud, porque la violencia es uno de los fenómenos que causan gran impacto en la morbilidad y mortalidad del país, y genera un alto costo para el Sistema Único de Saúde (SUS). Esta es una crisis social, que es el resultado de un mundo capitalista globalizado, que exige a todos sus instrumentos de dominación (dinero, poder y competitividad en estado puro), en virtud del cual la violencia y los conflictos interpersonales se materializan en el territorio. El Río Grande do Norte (RN) ha estado siguiendo esta realidad que es nacional, con el aumento de las tasas de mortalidad por homicidios. En este sentido, este estudio tuvo como objetivo analizar la violencia interpersonal (agresión / homicidio), en Brasil y en el estado del RN, para entender cómo esto afecta a su población, en la morbilidad y mortalidad durante los años 2001 a 2011. Para ambos hicimos uso de método descriptivo / cuantitativo para determinar la magnitud, el tamaño, el perfil de las víctimas y los costos del SUS generados por el problema. Como resultado, podemos diagnosticar que en Brasil, la violencia se ha presentado una nueva dinámica regional, promovida por un proceso de interiorización del fenómeno en todo el país, este proceso de internalización se ha reflejado en la última década, el crecimiento de la violencia en el estado del RN, que ha causado un gran impacto en las tasas de la mortalidad del estado. Acerca la victimización, se puede ver que hay un perfil vulnerable formado por, varón, baja instrucción joven, sola y negro. Con respecto a los datos de morbilidad hospitalaria, la demanda creciente del fenómeno genera costes para el sistema de salud, y las graves consecuencias humanas, como la escalada del miedo y la destrucción de una generación de jóvenes brasileños. Por lo tanto, la falta de una política pública para afrontamiento, prevención y mitigación del problema revela el fracaso de la gestión pública, con consecuencias sociales y de salud, tanto individual como colectivamente.
metadata.dc.description.resumo: No Brasil, a violência interpessoal (homicídios) vem se destacando de forma bastante expressiva, tornando-se uma preocupação crescente em todas as esferas políticas da sociedade. Reproduzindo assim um dos mais graves problemas sociais e de saúde pública. Remete-se a problemas sociais, uma vez que interfere na distribuição da oferta de bens e serviços aos cidadãos; mas também é problema de saúde, pois a violência é um dos fenômenos que acarretam grande impacto na tábua de morbimortalidade do país, bem como gera um alto custo econômico para o Sistema Único de Saúde (SUS). Trata-se de uma crise social, que é fruto de um mundo capitalista globalizado, que impõe a tudo e a todos, os seus instrumentos de dominação (dinheiro, competitividade e potência em estado puro), base na qual as violências e conflitos interpessoais se materializam no território. O Rio Grande do Norte (RN) vem acompanhando essa realidade que é nacional, com crescentes taxas de mortalidade por homicídios. Nesse sentido, este trabalho teve como objetivo geral analisar a violência interpessoal (agressões/homicídios), no Brasil e no estado do RN, visando compreender como esta impacta o perfil de morbimortalidade de sua população no decorrer dos anos de 2001 a 2011. Para tanto, fizemos uso do método descritivo/quantitativo a fim de conhecer a magnitude, a dimensão, o perfil das vítimas e dos custos SUS gerado pelo problema. Como resultados, podemos diagnosticar que no Brasil, a violência tem apresentando uma nova dinâmica regional, promovida por um processo de interiorização do fenômeno pelo território nacional, esse processo de interiorização tem refletido ao longo da última década, nos números de crescimento da violência no estado potiguar, o que vem ocasionando grande impacto na tábua de mortalidade do estado. Sobre o quadro de vitimização, percebe-se que existe um perfil vulnerável formado por jovens, do sexo masculino, solteiros, negros e com baixa formação instrucional. No que diz respeito aos dados de morbidade hospitalar, o fenômeno demanda custos crescentes para o sistema de saúde, além de consequências humanas graves, como a escalada do medo e a dizimação de uma geração de jovens brasileiros. Enfim, a falta de uma política consistente de enfretamento, prevenção e amenização da problemática, revela a omissão da gestão pública, com consequências sociais e de saúde tanto em nível individual como em âmbito coletivo.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/19695
Aparece nas coleções:PPGe - Mestrado em Geografia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
AlexsandroPereiraPatricio_DISSERT.pdf4,29 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.