Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/20170
Título: Spondias tuberosa Arr. (UMBU): estudo fitoquímico e avaliação do potencial anti-inflamatório
Autor(es): Siqueira, Emerson Michell da Silva
Palavras-chave: Anacardiaceae;Spondias tuberosa;Anti-inflamatório;Fenólicos e marcadores
Data do documento: 26-Fev-2015
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SIQUEIRA, Emerson Michell da Silva. Spondias tuberosa Arr. (UMBU): estudo fitoquímico e avaliação do potencial anti-inflamatório. 2015. 120f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: Spondias tuberosa Arruda (Anacardiaceae) is a fruitful tree popularly known as umbuzeiro, tapereba or umbu. It is a native and endemic species from Brazil, widespread in Brazilian Northeast. The species is important in folk medicine of the semi-arid Northeast, where it is mainly used to treat various inflammatory conditions, digestive problems as well as viral and bacterial infections. However, despite the common use in folk medicine, there are scarce pharmacological and phytochemicals studies that afford scientific evidence to its popular use. Therefore, this study aimed to characterize the chemical markers in S. tuberosa leaves extract, obtained by maceration ethanol:water (70:30, [v/v]), and evaluate its anti-inflammatory potential in vivo. The phytochemical profile in TLC analysis suggested the occurence of the flavonoids rutin and isoquercitrin. HPLC analysis enabled us to confirm the presence of flavonoids and also, were detected the phenolic acids, chlorogenic acid and caffeic acid. In addition was developed and validated a HPLC method to evaluate the content of the identified compounds in S. tuberosa leaves extract according to RDC 899/2003 of ANVISA and ICH Guidelines 2005. In order to evaluate the anti-inflammatory potential of S. tuberosa leaves extract, the peritonitis and paw edema models induced by carrageenan were used, administration i.p. in mice. The results highlighted the anti-inflammatory property in vivo at 125, 250 and 500 mg/kg since a decrease in leukocyte influx to the site of inflammation, diameter of the edema and the level of myeloperoxidase were observed when compared to the drug control dexamethasone (2 mg/kg, i.p. route). Taken together, the results pointed out S. tuberosa as a potential species for developing phytotherapic derivatives in according to its popular use. With regard to the characterization markers, chlorogenic acid, caffeic acid, rutin and isoquercitrin were identified and quantified in Spondias tuberosa leaves extract so they could be used in quality control analyses of the raw material and extracts of this species.
metadata.dc.description.resumo: Spondias tuberosa Arruda (Anacardiaceae) é uma árvore frutífera conhecida popularmente no Brasil como umbuzeiro, tapereba ou umbu. A planta é nativa e endêmica do Brasil, distribuída por todos estados do nordeste brasileiro. Essa espécie tem grande importância na medicina popular do semi-árido nordestino, onde é utilizada principalmente para tratar condições inflamatórias, problemas digestivos assim como infecções virais e bacterianas. No entanto, apesar da vasta utilização na medicina tradicional, existem poucos estudos farmacológicos e fitoquímicos que dêem embasamento científico a sua utilização popular. Diante disto, este trabalho buscou caracterizar os marcadores químicos e avaliar a atividade anti-inflamatória do extrato das folhas de Spondias tuberosa. O extrato das folhas foi preparado por maceração em etanol:água (70:30, v/v). A avaliação do perfil fitoquímico do extrato foi realizada preliminarmente por Cromatografia em Camada Delgada e em seguida por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência. Na análise por Cromatografia em Camada Delgada foi observada a presença dos flavonoides rutina e isoquercitrina, o que foi corroborado pela análise por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência que ainda indicou a presença dos ácidos fenólicos, ácido clorogênico e ácido caféico. Adicionalmente, foi desenvolvido e validado um método por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência segundo as normas da RDC 899/2003 da ANVISA e ICH Guidelines 2005, para avaliar o teor dos compostos identificados no extrato. Para avaliação do efeito anti-inflamatório foram utilizados os modelos de peritonite e de edema de pata induzidos por carragenina, administração via intraperitoneal, em camundongos. A avaliação do efeito anti-inflamatório in vivo demonstrou que o extrato das folhas, nas concentrações de 125, 250 e 500 mg/kg, apresentou uma diminuição do influxo de leucócitos para o local da inflamação, do diâmetro do edema e do nível da enzima mieloperoxidase, quando comparado ao fármaco utilizado como controle dexametasona (2 mg/kg, via i.p.). Em suma, em nosso trabalho foi verificado que o extrato hidroetanólico das folhas de Spondias tuberosa apresentou atividade anti-inflamatória importante nos dois modelos ensaiados, o que torna a planta uma potencial espécie para este uso, justificando o seu uso popular. No que se refere à caracterização de marcadores, os compostos fenólicos, ácido clorogênico, ácido caféico, rutina e isoquercitrina, identificados no extrato hidroetanólico das folhas de Spondias tuberosa podem ser utilizados no controle de qualidade da matéria-prima e de extratos obtidos com a espécie.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20170
Aparece nas coleções:PPGCF - Mestrado em Ciências Farmacêuticas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
EmersonMichellDaSilvaSiqueira_DISSERT.pdf1,79 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.