Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/20268
Título: As ações das equipes volantes dos Centros de Referência de Assistência Social no Rio Grande do Norte
Autor(es): Nascimento, Marília Noronha Costa do
Palavras-chave: Política social;Assistência social;Proteção social básica;Equipe volante;Busca ativa
Data do documento: 27-Mai-2015
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: NASCIMENTO, Marília Noronha Costa do. As ações das equipes volantes dos Centros de Referência de Assistência Social no Rio Grande do Norte. 2015. 112f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: One of the main assumptions for understanding the s ocial assistance as a public policy is the principle of territorialization, which means recogn izing that the particularities of the territory make a difference in the management of the policy. To operationalize this and other principles, the National Social Assistance Policy i s organized in the Unified Social Assistance System (SUAS) which, in turn, is divided between basic and special social protections. The organization of basic social prote ction is a responsibility of the CRAS, whose purpose is to act in the prevention of social risks through the development of potentials and the strengthening of family and comm unity ties. In contexts in which the territory has great extent, spreading, difficult ac cess and/or presence of traditional populations, such as indigenous communities and qui lombolas, the mobile teams are deployed and integrated into the staff of the CRAS. I n Rio Grande do Norte, they are present in small cities and near rural areas, where there i s a higher incidence of extreme poverty. By associating the work of the mobile teams and the co ntext of the fight against poverty in rural areas of Rio Grande do Norte, some questions emerged : how has this work been? What is its basis? Who is involved? Are the demands private? Ar e there differences between the work of the mobile teams and of the CRAS? What are the diffic ulties? How is the work done? Thus, the general objective of this study was to investig ate how the performance of CRAS’ mobile teams meets the demands of the territories they cov er in Rio Grande do Norte. For this, all existing mobile teams in the state were mapped and then we made eight semi-structured interviews with teams that work in seven small town s in RN. The information was systematized and grouped into general categories fo r qualitative analysis of textual content in an attempt to understand the reality investigated i n its entirety and processuality. The results show that the mobile teams investigated are still r ecent in the state. They are composed predominantly of social workers, but professionals of psychology and pedagogy also take part in some teams. In general, given the recency, lack of infrastructure and the number of rural communities scattered throughout the territor y, the presence of the teams in rural areas becomes sporadic and ultimately the continuity of a ctions is undermined. In addition, the knowledge of the professionals about the reality of the territories still appears to be precarious, as the search for demands and the famil ies’ needs is not systematic and organized. Nevertheless, we found that some teams perform stra tegies and actions that seek to overcome the existing limits and the traditional assistencia lism, working in partnership with community organizations, social movements and other social eq uipments that are closer to the families.
metadata.dc.description.resumo: A compreensão da Assistência Social como política pública tem como um dos principais pressupostos o princípio da territorialização, que significa o reconhecimento de que as particularidades do território fazem diferença no manejo da política. Para operacionalizar esse e outros princípios, a Política Nacional de Assistência Social organiza-se no Sistema Único da Assistência Social (SUAS) que, por sua vez, hierarquiza-se em proteção social básica e especial. A organização da proteção social básica é de responsabilidade dos CRAS, cujo objetivo é atuar no âmbito da prevenção de riscos sociais por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Em contextos em que o território possui grande extensão, espalhamento, difícil acesso e ou presença de populações tradicionais, como comunidades indígenas e quilombolas, Equipes Volantes são implantadas para compor a equipe dos CRAS. No Rio Grande do Norte, essas equipes estão presentes em municípios de pequeno porte e próximas a áreas rurais, onde estão os grandes focos da pobreza extrema. Diante dessa realidade, o objetivo geral desta dissertação foi investigar como as ações das equipes volantes de CRAS respondem às demandas de seus territórios de abrangência no Rio Grande do Norte. Para isso, foram mapeadas todas as equipes volantes existentes e em funcionamento no estado e, em seguida, realizadas oito entrevistas semiestruturadas com equipes atuantes em sete municípios de pequeno porte do RN. As informações foram sistematizadas e agrupadas em categorias gerais para análise qualitativa do conteúdo textual, na tentativa de apreender a realidade investigada em sua totalidade e processualidade. Os resultados apontam que as equipes volantes investigadas ainda são recentes no estado, compostas predominantemente por assistentes sociais, mas profissionais da psicologia e pedagogia também fazem parte de algumas delas. De um modo geral, diante da recenticidade, da falta de infraestrutura e da quantidade de comunidades rurais espalhadas pelos territórios, a presença das equipes nas áreas rurais se torna esporádica e acaba por fragilizar a continuidade das ações. Aliado a isso, o conhecimento das profissionais sobre a realidade dos territórios ainda aparenta ser precário, pois a busca pelas demandas e necessidades das famílias não é sistemática e organizada. Por outro lado, foi possível identificar que algumas equipes realizam estratégias e ações que buscam romper com os limites existentes e com as práticas assistencialistas tradicionais, promovendo articulação com organizações comunitárias, movimentos sociais e outros equipamentos sociais que estão mais próximos às famílias.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20268
Aparece nas coleções:PPGPSI - Mestrado em Psicologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MariliaNoronhaCostaDoNascimento_DISSERT.pdf7,38 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.