Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/20274
Título: Matizes de cultura de massa na obra de Caio Fernando Abreu
Autor(es): Rocha, Hudson Lima Bezerra
Palavras-chave: Caio Fernando Abreu;Pop art;Cultura de massa;Contemporaneidade
Data do documento: 21-Fev-2014
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: ROCHA, Hudson Lima Bezerra. Matizes de cultura de massa na obra de Caio Fernando Abreu. 2014. 81f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.
Resumo: The Brazilian writer, Caio Fernando Abreu, was strongly influenced by a period of changes in social values and perspectives. When he enters the Brazilian literary scene using a writing style free from form and content, he applies in his works all the affliction of the contemporary values. His work embodies all the spirit of a generation that, despite its anxiety for freedom, was still suffocated by the military dictatorship period. Abreu’s narrative also reveals an author with an extreme ability to shift between the erudite and the popular. In his short stories, he develops a performative language mingled by references that turns his text into a sort of Pop Art iconography. Just like Pop Art paintings, full of Coke images, cigarettes, tooth paste and food cans, Abreu’s literary discourse is painted by many symbolical references to modern consumerism, as well as to movies, music and to pop stars. This trace in the writer’s works exerts a great deal of attractiveness on the contemporary reader. In this work, we attempt to analyze this resource in Abreu’s literature under the concepts of cultural studies; thus, we aim at analyzing the various forms of the mass culture expression inside Abreu’s literature, recognizing his allusions as a stylish resource in his writings and highlighting its relevance in the study of the author work. In order to do so, we are based essentially on the reflections of theoreticians: Lipovetsky (1996) and Adorno (2011) who debate the culture and social formation in contemporaneity.
metadata.dc.description.resumo: O escritor gaúcho Caio Fernando Abreu foi fortemente influenciado por um período de mudanças de valores e perspectivas. Ao ingressar no cenário literário brasileiro com uma escrita livre tanto na forma como no conteúdo, ele emprega em sua obra toda a angústia da busca por novos valores e sentidos na modernidade e incorpora o espírito de uma geração que, apesar do anseio pela liberdade, ainda vivia sufocada pela ditadura militar. Sua narrativa também revela um autor com extrema habilidade de transitar entre o erudito e o popular. Em seus contos e crônicas, ele emprega uma linguagem performática intercalada por referências que transformam seu texto em uma espécie de iconografia da Pop Art. Assim como os quadros da Pop Art, repletos de imagens da Coca-Cola, cigarro, pasta de dente ou latas de conserva, o discurso literário em Abreu é pincelado por várias referências simbólicas ao consumismo moderno, bem como ao cinema, à música e ao culto das stars. Este traço do escritor exerce uma grande força atrativa sobre o leitor contemporâneo. Neste trabalho, buscase analisar este recurso na obra de Abreu sob a ótica dos estudos culturais, vislumbrando, desta maneira, uma análise das diversas formas de expressão da cultura de massa, reconhecendo estas referências enquanto recurso estilístico em seus textos e ressaltando suas relevâncias no estudo da obra do autor. Para tanto, nos apoiamos basicamente nas reflexões críticas dos teóricos: Lipovetsky (1996) e Adorno (2011), que discutem cultura e formação social na modernidade.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20274
Aparece nas coleções:PPGEL - Mestrado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
HudsonLimaBezerraRocha_DISSERT.pdf959,43 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.