Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/20544
Título: Barroco, emblemática e matemática: Sor Juan Inés de la cruz e Neptuno Alegórico
Autor(es): Tabosa, Leila Maria de Araújo
Palavras-chave: Barroco;Emblemática;Matemática;Sor Juana Inés de la Cruz;Neptuno Alegórico
Data do documento: 3-Nov-2014
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Resumo: The scientific reality of the 17th century in Nueva España is an arrow targeting the glimmer of the Baroque art produced in Mexico in the 1600s. In this cultural scene non religious books circulate as well as the ideas/theses/treatises of the men of science such as Nicolau Copérnico (1473-1543), Johannes Kepler (1574-1630), Atanasius Kircher (1601-1680), Juan Caramuel (1606 - 1682) and Sebastián Izquierdo (1601-1681).The 17th century’s baroque in America assimilates this scientific reality and reverberates its various forms of artistic representation by means of luxurious monuments in the form of experimental poetry. Neptuno Alegórico – the architectural laudatory, the prose, the emblematic description, the poetry, the prince’s mirror – is tuned into this neo-hispanic scientific-cultural discourse that overcomes utilitarian, geographical and temporal frontiers. In order to offer a reading of Neptuno Alegórico, this research is founded upon three investigative theoretical frameworks that observe the work in its varied forms of writing and aesthetics.The first of these grasps the baroque and its theories/researches from the earliest ones like in Heirich Wölfflin (1888) to the most contemporary like in José Antonio Maravall (1997), Severo Sarduy (1989), Eugênio d’Ors (1990), Gilles Deleuze (1991), Lezama Lima (1988), Walter Benjamin (1984) and Fernando Rodríguez de la Flor (2002) in order to locate them near the experimental-scientific baroque poetics of the erudite nun in the America of the Golden Century; the second line of theory aims at perceiving the emblematics in Neptuno Alegórico stemming from the ideas of Andrea Alciato (1531) and his contemporary revisiting by means of the studies by Mário Praz (1963) and again by Fernando Rodríguez de la Flor (1995), so as to achieve an emblematic reading of the artistic descriptions in the canvases/paintings/lienzos elaborated by Sor Juana Inés de la Cruz; last but not least a third framework that points to understanding the work Neptuno Alegórico as it nears the mathematical combinatory investigation of Sebastián Izquierdo (1659) inserting it in other contemporary scholarly works that deal with art and science.
metadata.dc.description.resumo: A realidade científica do século XVII, na Nueva España, é uma seta que aponta para o vislumbre da obra de arte barroca produzida no México dos seiscentos. Nessa cena cultural, circulam livros não religiosos, ideias, teses, tratados e estudos de homens de ciência como Nicolau Copérnico (1473-1543), Johannes Kepler (1574-1630), Atanasius Kircher (1601-1680), Juan Caramuel (1606-1682) e Sebastián Izquierdo (1601-1681). O barroco seiscentista, na América, assimila essa realidade científica e reverbera suas variadas formas de expressão artística por meio de monumentos luxuosos em forma de poesia experimental. A poética de Sor Juana Inés de la Cruz (1648-1695) é realizada dentro desse contexto festivo de descobertas, expansões e experimentações científicas. Neptuno Alegórico - o arco laudatório arquitetônico, a prosa, a descrição emblemática, a poética, o espelho de príncipe - é afinado com esse discurso científico-cultural novohispano que ultrapassa fronteiras utilitárias, geográficas e temporais. Para uma leitura da obra Neptuno Alegórico, esta pesquisa funda-se em três linhas teóricas de investigação que observam a obra em suas variadas formas de escrita e de estética. A primeira linha investigativa aborda o barroco e suas teorias desde as mais antigas, como a de Heinrich Wölfflin (1888), às mais contemporâneas, como as de José Antonio Maravall (1997), Severo Sarduy (1989), Eugênio d’Ors (1990), Gilles Deleuze (1991), Lezama Lima (1988), Walter Benjamin (1984) e Fernando Rodríguez de la Flor (2002), para aproximá-las do fazer poético barroco experimental-científico da monja erudita na América do Século de Ouro. A segunda linha teórica de estudo visa a perceber a emblemática em Neptuno Alegórico a partir das ideias teóricas de Andrea Alciato (1531) e de sua revisitação teórica na contemporaneidade por meio dos estudos de Mário Praz (1963) e Fernando Rodríguez de la Flor (1995), buscando, com essa proposta analítica, uma leitura emblemática das descrições artísticas para telas-quadros-lienzos elaborados por Sor Juana Inés de la Cruz. Por fim, um terceiro caminho de investigação aponta para a busca do entendimento da obra Neptuno Alegórico em aproximação com a análise combinatória matemática de Sebastián Izquierdo (1659), relacionando-a com outros estudos contemporâneos dedicados a aproximar arte e ciência.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20544
Aparece nas coleções:PPGEL - Doutorado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LeilaMariaDeAraujoTabosa_TESE.pdf15,42 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.