Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21062
Título: Petrologia e geologia estrutural do plutão granítico Barcelona, província Borborema, NE do Brasil
Autor(es): Cavalcante, Rogério
Palavras-chave: Subdomínio São José do Campestre;Plutão Granítico Barcelona;Químicia mineral;Petrologia;Geologia estrutural
Data do documento: 30-Jan-2015
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: CAVALCANTE, Rogério. Petrologia e geologia estrutural do plutão granítico Barcelona, província Borborema, NE do Brasil. 2015. 155f. Dissertação (Mestrado em Geodinâmica e Geofísica) - Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: The Dissertation aimed to advance the geological knowledge of the Barcelona Granitic Pluton (BGP). This body is located in the eastern portion of the Rio Grande do Norte Domain (RND), within the São José do Campestre subdomain (SJC), NE of the Borborema Province. The main goal was to understand the geological evolution of the rocks of the pluton and the tectonic setting of magma generation and its emplacement. The BGP has an assumed Ediacaran age and outcropping area of approximately 260 km2, being composed of three varied petrographic/textural facies: (a) porphyritic biotite monzogranite; (b) dykes and sheets of biotite microgranite; (c) dioritic to quartz-dioritic enclaves. The rocks of the BGP have the following structures: (i) a NE-SW and NW-SE directed magmatic fabric (Sγ), accompanied by a magmatic lineation (Lγ) with gentle dip to NE-SW and NW-SE. In the southern portion, there is the concentric pattern of this foliation with medium to high dip, and (ii) a solid state foliation, in part mylonitic (S3+), mainly on the eastern edge with slightly plunging to west. The integration of structural and gravity data permitted to interpret the emplacement of the BGP as controlled by the transcurrent shear zones systems Lajes Pintadas (LPSZ) and Sítio Novo (SNSZ), both of dextral strike-slip kinematics. Mineral chemistry data show that the amphibole form the porphyritic biotite monzogranite facies is hastingsite with moderate Mg / (Mg + Fe) ratios, indicating crystallization under moderate to high ƒO2 and cristallization pressure of around 5.0-6.0 kbar. The biotite tends to be slightly richer in annite molecule and plots in the transitional field from primary biotite to reequilibrated biotite. In discriminant diagrams of magmatic series, the biotite behave like those of subalkaline affinity, consistent with the potassium calc-alkaline / sub-alkaline geochemical affinity of the hosting rock. The opaque minerals are primarily magnetite, with some crystals martitized to hematite indicating relatively oxidizing conditions during magma evolution that originated the BGP. Zoning in plagioclase, K-feldspar and allanite crystals suggest fractional crystallization process. Lithogeochemical data suggest that the facies described for the BGP have similar magma source, usually plotting in the fields and trends of the subalkaline / high potassium calc-alkaline series.
metadata.dc.description.resumo: A presente dissertação procurou avançar no conhecimento geológico das rochas do Plúton Granítico Barcelona (PGB), corpo esse que está localizado na região que abrange o Domínio Rio Grande do Norte (DRN) na sua porção leste, no denominado Subdomínio São José do Campestre (SJC) (Província Borborema, NE do Brasil). O objetivo principal foi compreender a evolução geológica das rochas desse plúton, do ambiente de geração do magma até o ambiente em que o mesmo foi alojado. O Plúton Granítico Barcelona (PGB) localiza-se na porção oeste do Subdomínio São José do Campestre, porção leste do Domínio Rio Grande do Norte na Província Borborema, possui área aflorante de aproximadamente 260 km2, com idade Ediacarana presumida. O PGB é formado por três fácies petrográficas/texturais distintas: (a) granito porfirítico (biotita monzogranitos) dominante; (b) os diques e sheets de microgranitos (biotita granodioritos); e (c) rochas de composição máfica a intermediária (dioríticas a quartzo-dioríticas) que ocorrem essencialmente como enclaves. A fácies granito porfirítico possui plagioclásio (oligoclásio com An25-20%), K-feldspato (microclina pertítica) e quartzo compondo sempre mais de 70% modal. Biotita e anfibólio são os minerais máficos dominantes, epídoto, titanita, allanita, opacos, zircão e apatita, os acessórios. As rochas do PGB possuem as seguintes estruturas: (i) uma trama magmática (Smag) dominante com direção NE-SW e NW-SE, acompanhado por uma lineação magmática (Lmag) mergulhando suavemente para NE-SW e NW-SE, principalmente. Na porção sul do PGB, destaca-se padrão concêntrico desta foliação com caimento médio a alto, e (ii) a foliação de estado sólido (S3+) possui aspecto milonitizado, localizada principalmente na borda leste do corpo granítico, com direção NE-SW e caimento suave a moderado para W. A sugestão do modelo de alojamento das rochas do PGB foi baseada na combinação do estudo das medidas estruturais de afloramentos e em dados gravimétricos. O alojamento desse corpo granítico é controlado por sistemas de zonas de cisalhamento transcorrentes, denominadas de ZCLP (Zona de Cisalhamento Lajes Pintadas) e ZCSN (Zona de Cisalhamento Sítio Novo) ambas de cinemática dextrógira e deformação em regime transcorrente com a segunda estando relacionada a ascenção do mesmo. A química mineral mostra que os anfibólios da fácies porfirítico é a hastingsita com moderadas razões Mg/(Mg+Fe), indicando formação em ambiente com moderada a elevada ¦O2 e pressões de cristalização da ordem de 5,0-6,0kbar. As biotitas possuem composição com leve tendência para o pólo da annita (Fe), mostram um trend que partem do campo das biotitas primárias para o das biotitas primárias reequilibradas. Em diagramas discriminantes de séries magmáticas as biotitas se comportam como àquelas de afinidade subalcalina, coerentes com a afinidade geoquímica cálcio-alcalina potássica/subalcalina da rocha hospedeira (granitos porfiríticos). Os minerais opacos são essencialmente magnetitas, com alguns cristais martitizados para hematita, indicando condições relativamente oxidantes durante a evolução do magma que originou o PGB. Zonação em cristais de plagioclásio, K-feldspato e allanita, são indicativos que o processo de cristalização fracionada. A litogeoquímica mostra que as fácies granito porfirítico e microgranito plotam na maioria dos diagramas de campo e trend como rochas com afinidades transicionais entre subalcalina e cálcio-alcalina de alto K, e quanto ao índice de saturação em alumínio estão entre os campos meta a peraluminoso. Os dados de litogeoquímica sugerem que as fácies do PGB estudados tenham uma fonte magmática similar, mas com histórias evolutivas diferentes (co-magmáticos).
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/21062
Aparece nas coleções:PPGG - Mestrado em Geodinâmica e Geofísica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RogerioCavalcante_DISSERT.pdf18,3 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.