Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21436
Título: Análise do comportamento das linhagens celulares SCC-25, SAS e HSC-3 frente à presença dos exossomos derivados dos macrófagos (TAMs) dos subtipos M1 e M2
Autor(es): Demeda, Clarissa Favero
Palavras-chave: Exossomos;Carcinoma de células escamosas;Macrófagos
Data do documento: 17-Fev-2016
Citação: DEMEDA, Clarissa Favero. Análise do comportamento das linhagens celulares SCC-25, SAS e HSC-3 frente à presença dos exossomos derivados dos macrófagos (TAMs) dos subtipos M1 e M2. 103f. Tese (Doutorado em Patologia Oral) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: Squamous cell carcinoma (SCC) of the oral tongue is one of the most common malignant lesions in the oral cavity and is characterized by presenting a locally invasive and aggressive behavior. The exosomes are responsible for cell-cell communication and may influence tumor progression, metastasis and therapeutic efficacy. Among the cells that can secrete exosomes are tumor cells and immune cells. It is known that the presence of immune cells is important to eradicate tumors. However, recent findings suggest that inflammation may promote tumor growth. The tumor associated macrophages (TAMs) are known to have subtypes, M1 and M2, that secrete exosomes. This study’s goal was to observe the behavior of derivatives TAMs exosomes, subtypes 1 and 2, against human cell culture SCC-25, HSC-3 and SAS derived from SCC of oral tongue, through the analysis of invasiveness, proliferation and viability of tumor cells in the presence of exosomes. It was observed that the microvesicles derived from TAMs are positive for CD63, characterizing them as exosomes. The exosomes of the M2 subtype TAMs were the only ones to present TGF-β marking, as compared with M1 exosomes, THP1 and SCC cell lines, suggesting that M2 exosomes may be responsible for TGF-β expression in tumor cells. In the migration tests, it was found that the SCC-25 cells in the presence of culture medium DMEM F / 12 showed higher invasion capacity in the presence of M2 exosomes (p≤0,001) to a concentration of 0.1 μg/ml. For HSC-3 and SAS cells, there was no significant statistical relationship between the presence of exosomes and invasiveness (p> 0.05) for the exosomes derived from TAMs. When the exosomes were placed in the lower compartment of the transwell, the HSC-3 cells in the presence of M2 exosomes (1.0 μg/ml) had higher invasiveness (p≤0,001). The viability test showed that HSC-3 cells became more viable in the presence of M2 exosomes (p≤0.001) at a concentration of 50 μg/ml. For SCC-25 cells, the result was the same (p≤0.05). Immunofluorescence showed the internalization of exosomes in the cell lines studied. These findings suggest that the presence of M2 exosomes in the SCC of the oral tongue cell cultures may be an important research field for future studies of targeted therapies.
metadata.dc.description.resumo: Os exossomos são responsáveis pela comunicação célula-célula e podem influenciar na progressão tumoral, metástase e eficácia terapêutica. Dentre as células capazes de secretar exossomos estão as células tumorais e as células imunes. Sabe-se que a presença das células imunes é importante para erradicar os tumores. No entanto, achados recentes demonstram que a inflamação pode promover o crescimento tumoral. Os macrófagos associados a tumores (TAMs) são conhecidos por apresentarem diferentes subtipos, M1 e M2, capazes de secretarem exossomos. O presente estudo se propôs a observar o comportamento dos exossomos derivados dos TAMs, dos subtipos 1 e 2, frente a cultura de células humanas SCC-25, HSC-3 e SAS derivadas de CE de língua, por meio da análise da capacidade de invasão, proliferação e viabilidade das células tumorais na presença dos exossomos. Observou-se que as microvesículas derivadas dos TAMs apresentam positividade para CD63, caracterizando-as como exossomos. Os exossomos dos TAMs do subtipo M2 foram os únicos a apresentarem marcação para TGF-β, quando em comparação com os exossomos M1, THP1 e das linhagens celulares de CE, sugerindo que os exossomos M2 podem ser responsáveis pela expressão de TGF-β nas células tumorais, uma vez que são internalizados. Nos ensaios de migração, observou-se que as células SCC-25 em presença de meio de cultura DMEM F/12, apresentaram maior capacidade de invasão frente aos exossomos M2 (p≤0,001), para concentração de 0,1 µg/ml. Para as células HSC-3 e SAS, não foi observada relação estatisticamente significante entre a presença de exossomos cultivados juntamente com as células tumorais e a capacidade de invasão celular (p>0,05). Quando os exossomos foram colocados no compartimento inferior do transwell, as células HSC-3 em presença dos exossomos M2 (1,0 µg/ml) apresentaram maior capacidade de invasão (p≤0,001). O teste de viabilidade demonstrou que as células HSC-3 tornam-se mais viáveis frente à presença dos exossomos M2 (p≤0,001) na concentração de 50 µg/ml. Para as células SCC-25, o resultado foi o mesmo (p≤0,05). A imunofluorescência demonstrou a internalização dos exossomos nas linhagens celulares estudadas. Os achados sugerem que a presença de exossomos M2, frente às culturas de células de CE de língua, pode ser um campo de pesquisa importante para futuros estudos com terapias-alvo.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21436
Aparece nas coleções:PPGPO- Doutorado em Patologia Oral

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ClarissaFaveroDemeda_TESE.pdf3,18 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.