Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21535
Título: Teorização e conceitualização em psicologia: o caso do Burnout
Autor(es): Fontes, Flávio Fernandes
Palavras-chave: Psicologia teórica e filosófica;História de objetos psicológicos;Stress ocupacional
Data do documento: 3-Jun-2016
Citação: FONTES, Flávio Fernandes. Teorização e conceitualização em psicologia: o caso do Burnout. 2016. 127f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: Philosophical and conceptual research has been repeatedly deemed necessary in psychology, given the characterization of the discipline as method-driven and overly focused on data collection. Theoretical and Philosophical Psychology is presented as a research area that tries to counter this problem, by providing a framework for reflection and metatheoretical work within psychology, in order to avoid the pitfalls of a mechanical application of methodological procedures. Some guidelines are provided on how to perform conceptual analysis in psychology: it must take into account the linguistic dimension (word and metaphor) of a given psychological object and follow its transformation in history. Following this approach, the study of an important object in work psychology is carried out: the burnout syndrome, which can be defined as an exhaustion of the worker in the context of his work activity. A detailed analysis of the contributions of the two most important authors in the history of the concept is provided: Herbert J. Freudenberger and Christina Maslach. The context in which it appears and the underlying philosophy of science that gives support to this new object are scrutinized, emphasizing the difference between a clinical and psychoanalytical perspective (Freudenberger) and a positivist perspective focused on measurement (Maslach). We follow conceptual and spelling changes suffered by the psychological object in the hands of both authors, emphasizing how the definition has been instable. It is argued that two metaphors are the most stable elements in the history of this psychological object: the syndrome metaphor and the metaphor of man as an energy system. The first one has difficulties in justifying itself, while the second one establishes the central aspect of burnout, exhaustion.
metadata.dc.description.resumo: Pesquisas filosóficas e conceituais vêm sendo reiteradamente apontadas como necessárias na Psicologia, dada a caracterização da disciplina como excessivamente centrada no método e na coleta de dados empíricos. Apresentamos a Psicologia Teórica e Filosófica enquanto área de pesquisa que procura responder a esse problema, constituindo um campo de reflexão e trabalho metateórico capaz de evitar as armadilhas da aplicação meramente mecânica de procedimentos metodológicos. Em seguida fornecemos algumas diretrizes sobre como realizar a análise de conceitos em psicologia. Defendemos como abordagem levar em consideração a dimensão linguageira (palavra e metáfora) de um determinado objeto psicológico e seguir seu desenrolar de transformações pela história. Com base nessa perspectiva, realizamos o estudo de uma problemática oriunda da psicologia do trabalho: a síndrome de burnout, que pode ser caracterizada como uma situação de “exaustão” em relação à atividade laboral por parte do indivíduo-trabalhador. Analisamos em profundidade a obra de dois dos teóricos mais importantes na história desse conceito: Herbert J. Freudenberger e Christina Maslach. Expomos qual o contexto de surgimento e a filosofia da ciência que embasam a criação desse novo objeto psicológico, ressaltando a diferença entre a perspectiva clínica-psicanalítica (Freudenberger) e a perspectiva de mensuração positivista (Maslach). Seguimos as mudanças conceituais e de ortografia da palavra pelas quais passou o burnout na obra de ambos os autores escolhidos, enfatizando a instabilidade das definições apresentadas. Defendemos que duas metáforas são os aspectos mais estáveis do objeto psicológico em questão: a metáfora da síndrome e a metáfora do homem como sistema de energia. A primeira encontra dificuldades de se justificar teoricamente, enquanto a segunda constitui o aspecto central do burnout através da ideia de exaustão.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21535
Aparece nas coleções:PPGPSI - Doutorado em Psicologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
FlavioFernandesFontes_TESE.pdf1,26 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.