Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21737
Título: O encontro de subjetividades em A pessoa é para o que nasce
Autor(es): Rocha, Helio Ronyvon Gomes
Palavras-chave: Documentário;Subjetividade;Relação;Imagem não-visual;Tempo
Data do documento: 8-Abr-2016
Citação: ROCHA, Helio Ronyvon Gomes. O encontro de subjetividades em A pessoa é para o que nasce. 2016. 100f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Mídia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: This work reflects on the encounter between subjectivities in Born to be blind (2004), by Robert Berliner. There, we can see time as an important factor which establishes a link between the director and the film characters. This documentary feature narrates the life story of Maria, Regina and Conceição, three blind sisters who make a living by singing in Brazilian fairs. During the film, the almost seven years of production and relations serve as a tool for the construction of the film narrative. In order to understand the subjectivity of relations and the shared time, we bring up Bachelard (1988), Serres (2001) and Sodré (2006) as main theorists, and to identify how these encounters are reflected in the final cut of the movie, we use Todorov (1996) and Baitello (1997), once we read the production of non-visual images as a reflection of the distribution of the sensible (Rancière, 2009). At the end of the research, we see a rather direct influence between the shared years and the mutual understanding between director and characters, which puts on screen not only the history of these women, but also the subjectivities encounter itself.
metadata.dc.description.resumo: Esta pesquisa reflete sobre o encontro de subjetividades em A pessoa é para o que nasce (2004), de Roberto Berliner, onde enxergamos o tempo como fator determinante para a construção de vínculos entre o diretor e as personagens centrais da obra. Esse longametragem documental conta a história de Maria, Regina e Conceição, três senhoras irmãs cegas que viveram maior parte da vida nas feiras de rua no Nordeste brasileiro, cantando e tocando ganzá em troca de dinheiro. Durante o filme, vemos os quase sete anos de contato e produção servirem como ferramenta para a construção da narrativa da obra. Para entender a subjetividade das relações e o tempo partilhado, temos Bachelard (1988), Serres (2001) e Sodré (2006) como corpus teórico principal, e para identificar a influência desses encontros subjetivos no corte-final da obra, trazemos Todorov (1996) e Baitello (1997), pois interpretamos a produção de imagens não-visuais, criadas ao longo do filme, como reflexo da partilha do sensível (Rancière, 2009). Ao final da pesquisa, percebemos uma influência direta entre os anos de interação e o conhecimento mútuo entre diretor e personagens, levando para a tela não apenas a história de vida dessas irmãs, mas o próprio encontro de subjetividades que extrapolam as gravações.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21737
Aparece nas coleções:PPGEM - Mestrado em Estudos da Mídia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
HelioRonyvonGomesRocha_DISSERT.pdf1,77 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.