Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21856
Título: Validação de protocolo assistencial de enfermagem para o paciente em processo de terminalidade
Autor(es): Santos, Edilene Castro dos
Palavras-chave: Enfermagem de cuidados paliativos;Assistência de enfermagem;Pesquisa metodológica em enfermagem
Data do documento: 30-Jan-2015
Citação: SANTOS, Edilene Castro dos. Validação de protocolo assistencial de enfermagem para o paciente em processo de terminalidade.. 2015. 134f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: O contexto da terminalidade configura um assunto geralmente evitado embora todos tenham ciência de sua inevitabilidade. Sobretudo, não se caracteriza como uma tarefa de fácil discussão diante da sociedade, pois se vivencia com angústia os momentos da finitude. O estudo visou elaborar e validar um protocolo assistencial de enfermagem para os pacientes em terminalidade internados em Unidades de Terapia Intensiva no município de Natal-RN. Trata-se de um estudo transversal, descritivo do tipo metodológico, onde realizou-se primeiramente uma revisão integrativa da literatura. A validação resultou do julgamento de experts envolvidos na assistência e/ou docência. A amostra ocorreu por intencionalidade e os colaboradores foram selecionados através de análise de Currículo Lattes com a adaptação do sistema de pontuação proposto por Fehring num total de 11 enfermeiros mediante aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa. Os critérios de inclusão foram enfermeiros experts em terminalidade atuantes como assistencialistas e/ou docentes das disciplinas de tanatologia, bioética ou afins. A operacionalização ocorreu por meio da concordância entre as respostas obtida pelo Índice de Validade de Conteúdo através da avaliação dos juízes em uma rodada. Como resultados, a revisão mostrou os seguintes elementos da assistência de enfermagem: o alívio da dor, promoção de conforto, higiene, afeto, reavaliação de suporte ventilatório, hidratação, aplicação de compressas, posicionamento do paciente, toque e uso de musicoterapia; apoio psicológico e espiritual de paciente e família elencados por domínios de cuidado. Os aspectos bioéticos trataram o respeito à autonomia e dignidade dos pacientes, além da comunicação com os familiares ser deficitária. Avaliou-se 15 itens, sendo 9 correspondentes ao histórico de enfermagem e 6 referentes as intervenções de enfermagem durante o processo de enfermagem na terminalidade, onde apresentou-se favorável para 0,9 de IVC. Das 165 respostas, 67,27% mostrou-se adequado; 30,91% adequado com alterações e somente 1,82% consideração inadequado, o que atesta a validade de conteúdo em 67% das respostas elaboradas pelos juízes. Diante das sugestões dos juízes procurou-se reformular o protocolo em sua maioria buscando uma melhor compreensão e clareza dos itens que compunha o instrumento tendo em vistas a torná-lo exequível. A importância do estudo para a enfermagem de cuidados paliativos destaca-se pela uniformidade das ações no fim de vida assegurando uma assistência mais humana e de qualidade.
metadata.dc.description.resumo: O contexto da terminalidade configura um assunto geralmente evitado embora todos tenham ciência de sua inevitabilidade. Sobretudo, não se caracteriza como uma tarefa de fácil discussão diante da sociedade, pois se vivencia com angústia os momentos da finitude. O estudo visou elaborar e validar um protocolo assistencial de enfermagem para os pacientes em terminalidade internados em Unidades de Terapia Intensiva no município de Natal-RN. Trata-se de um estudo transversal, descritivo do tipo metodológico, onde realizou-se primeiramente uma revisão integrativa da literatura. A validação resultou do julgamento de experts envolvidos na assistência e/ou docência. A amostra ocorreu por intencionalidade e os colaboradores foram selecionados através de análise de Currículo Lattes com a adaptação do sistema de pontuação proposto por Fehring num total de 11 enfermeiros mediante aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa. Os critérios de inclusão foram enfermeiros experts em terminalidade atuantes como assistencialistas e/ou docentes das disciplinas de tanatologia, bioética ou afins. A operacionalização ocorreu por meio da concordância entre as respostas obtida pelo Índice de Validade de Conteúdo através da avaliação dos juízes em uma rodada. Como resultados, a revisão mostrou os seguintes elementos da assistência de enfermagem: o alívio da dor, promoção de conforto, higiene, afeto, reavaliação de suporte ventilatório, hidratação, aplicação de compressas, posicionamento do paciente, toque e uso de musicoterapia; apoio psicológico e espiritual de paciente e família elencados por domínios de cuidado. Os aspectos bioéticos trataram o respeito à autonomia e dignidade dos pacientes, além da comunicação com os familiares ser deficitária. Avaliou-se 15 itens, sendo 9 correspondentes ao histórico de enfermagem e 6 referentes as intervenções de enfermagem durante o processo de enfermagem na terminalidade, onde apresentou-se favorável para 0,9 de IVC. Das 165 respostas, 67,27% mostrou-se adequado; 30,91% adequado com alterações e somente 1,82% consideração inadequado, o que atesta a validade de conteúdo em 67% das respostas elaboradas pelos juízes. Diante das sugestões dos juízes procurou-se reformular o protocolo em sua maioria buscando uma melhor compreensão e clareza dos itens que compunha o instrumento tendo em vistas a torná-lo exequível. A importância do estudo para a enfermagem de cuidados paliativos destaca-se pela uniformidade das ações no fim de vida assegurando uma assistência mais humana e de qualidade.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21856
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
EdileneCastroDosSantos_DISSERT.pdf2,84 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.