Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21920
Title: Um olhar sobre a autogestão: metodologias e práticas coletivas na formação de atores sociais
Authors: Silva, Luiz Antonio Coelho da
Keywords: Autogestão;Economia solidária;Incubadoras;Metodologias;Práticas de ação
Issue Date: 6-Feb-2015
Citation: SILVA, Luiz Antonio Coelho da. Um olhar sobre a autogestão: metodologias e práticas coletivas na formação de atores sociais. 2015. 196f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Portuguese Abstract: As experiências de economia solidária têm alcançado cada vez mais êxito, mas para isso é fundamental que a gestão dos empreendimentos ganhe ares e um caráter autogestionário, onde os princípios de igualdade, solidariedade e democracia façam parte do dia a dia destes negócios. Teve-se como unidade de análise a Incubadora de Empreendimentos Econômicos Solidários da Universidade Federal de Campina Grande (IUEES/UFCG) e seu empreendimento Centro de Arte em Vidro; e como base teórica as concepções de Autogestão e de economia solidária. A questão central do estudo foi analisar as metodologias e práticas de ação desenvolvidas pela IUEES para compreender o processo de formação dos seus atores sociais no princípio da Autogestão. Para tanto, utilizou-se a hipótese principal de que a IUEES proporciona aos associados dos seus empreendimentos transformações nos aspectos políticos, educacionais, econômicos e sociais. Este estudo possui caráter descritivo, exploratório, analítico, de natureza qualitativa, e para responder nosso propósito foram selecionados além da incubadora como campo empírico da nossa pesquisa, o empreendimento incubado Centro de Arte em Vidro (CAVI), sendo utilizados para coleta dos dados entrevistas semi-estruturadas, registros fotográficos e análises documentais e bibliográficas. Concluiu-se, portanto, que a IUEES cumpre apenas parcialmente seu papel de propiciar a Autogestão em sua gestão, transpassando os conhecimentos autogestionários aos seus empreendimentos, mas de forma descontextualizada e sem muita autonomia para os incubados. Os resultados alcançados indicam que a hipótese não pode ser confirmada, ou seja, existem várias mudanças sociais, políticas, educacionais e econômicas na vida dos atores sociais incubados e até mesmo dos atores que compõem a incubadora solidária, porém de forma parcial e fragmentada, pois mesmo com a melhoria da qualidade de vida e maior crescimento pessoal e profissional, os atores sociais não podem ser considerados emancipados e autogestionários.
Abstract: As experiências de economia solidária têm alcançado cada vez mais êxito, mas para isso é fundamental que a gestão dos empreendimentos ganhe ares e um caráter autogestionário, onde os princípios de igualdade, solidariedade e democracia façam parte do dia a dia destes negócios. Teve-se como unidade de análise a Incubadora de Empreendimentos Econômicos Solidários da Universidade Federal de Campina Grande (IUEES/UFCG) e seu empreendimento Centro de Arte em Vidro; e como base teórica as concepções de Autogestão e de economia solidária. A questão central do estudo foi analisar as metodologias e práticas de ação desenvolvidas pela IUEES para compreender o processo de formação dos seus atores sociais no princípio da Autogestão. Para tanto, utilizou-se a hipótese principal de que a IUEES proporciona aos associados dos seus empreendimentos transformações nos aspectos políticos, educacionais, econômicos e sociais. Este estudo possui caráter descritivo, exploratório, analítico, de natureza qualitativa, e para responder nosso propósito foram selecionados além da incubadora como campo empírico da nossa pesquisa, o empreendimento incubado Centro de Arte em Vidro (CAVI), sendo utilizados para coleta dos dados entrevistas semi-estruturadas, registros fotográficos e análises documentais e bibliográficas. Concluiu-se, portanto, que a IUEES cumpre apenas parcialmente seu papel de propiciar a Autogestão em sua gestão, transpassando os conhecimentos autogestionários aos seus empreendimentos, mas de forma descontextualizada e sem muita autonomia para os incubados. Os resultados alcançados indicam que a hipótese não pode ser confirmada, ou seja, existem várias mudanças sociais, políticas, educacionais e econômicas na vida dos atores sociais incubados e até mesmo dos atores que compõem a incubadora solidária, porém de forma parcial e fragmentada, pois mesmo com a melhoria da qualidade de vida e maior crescimento pessoal e profissional, os atores sociais não podem ser considerados emancipados e autogestionários.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21920
Appears in Collections:PPGCS - Doutorado em Ciências Sociais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
OlharAutogestaoMetodologias_Silva_2015.pdf7,29 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.