Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21921
Título: Análise da relação entre saúde mental e trabalho de docentes universitários
Autor(es): Costa, Danielle Loren
Palavras-chave: Saúde mental;Trabalho;Docentes;Saúde do trabalhador
Data do documento: 26-Ago-2016
Citação: COSTA, Danielle Loren. Análise da relação entre saúde mental e trabalho de docentes universitários. 2016. 114f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: Mental health and work have been issues of great relevance in studies and research, since the mental illness of the worker is increasingly present in the everyday life of work, entails withdrawals for long periods and provokes losses to both the employer and to the worker itself and its network of relationships. The teaching practice is regarded as a profession with mental and physical risk and therefore deserves a special attention geared towards the health of these professionals. Accordingly, this study is intended to analyze the relationship between the work and the mental health of teachers of a federal public institution of higher education. It is an exploratory and descriptive study, with a qualitative approach, which was divided into two stages. In the first stage, we performed a documentary research with the survey of withdrawals due to leave for health treatment in the UFRN servants, by ICD-F (mental and behavioral disorders), between 2010 and 2014, through a management report obtained from the Federal Public Administration System (SIAPE-SAÚDE, as per its acronym in Portuguese). In the second stage of this study, we performed a field research with the teachers, through a semi-structured interview with guiding questions about pleasure and suffering at work. In order to analyze the interviews, we used the content analysis technique, in its thematic analysis modality, proposed by Minayo (2013), and the theory of Psychodynamics of Work, according to Dejours (1992), as theoretical benchmarks. The data collection period encompassed between November/2015 and June/2016. The results of the first stage showed that mental and behavioral disorders have filled the first places of causes for withdrawing the work because of health reasons in UFRN servants (technical-administrative and teaching staff), and even reached, in 2014, 25% of occurrences of leave for health treatment. The most frequent diagnoses in the withdrawals were the mixed anxiety and depressive disorder (F 41.2), the severe depressive episode without psychotic symptoms (F 32.2) and the recurrent depressive disorder, current episode severe without psychotic symptoms (F 33.2). Regarding the second stage, we extracted two of analytical categories: suffering and pleasure in the teaching work, with three subcategories corresponding to each, namely: Academic productivism – “Publishing or perishing”; Teacher: is it an omnipresent being?; Wear in work relationships; The enchantment of the classroom; The recognition and Experiences that promote quality of life in the work place. Faced with the results, one can realize that teachers, despite the suffering experienced at work, the uncomfortable conditions, malaise, which occasionally even culminates in illness, recognize their work as a stimulant, as a propelling force, that gives their existence a meaning, and that the simple fact of being a teacher and the exercise of teaching could be considered by them as promoters of pleasure and quality of life in the work place.
metadata.dc.description.resumo: A saúde mental e o trabalho têm sido temas de grande relevância em estudos e pesquisas, uma vez que o adoecimento mental do trabalhador está cada vez mais presente no cotidiano laboral, gera afastamentos por longos períodos, e causa prejuízos tanto para o empregador, quanto para o próprio trabalhador e a sua rede de relações. A docência é considerada uma profissão com risco físico e mental, e que merece uma atenção especial voltada à saúde desses profissionais. Então, pretendese com esse estudo analisar a relação entre o trabalho e a saúde mental de docentes de uma instituição pública federal de ensino superior. Trata-se de um estudo de caráter descritivo exploratório com abordagem qualitativa, que foi dividido em duas fases. Na primeira fase, foi realizada uma pesquisa documental com o levantamento dos afastamentos por licença para tratamento da própria saúde dos servidores da UFRN, por CID F (Transtornos Mentais e Comportamentais) no período de 2010-2014, através de relatório gerencial obtido do Sistema da Administração Pública Federal (SIAPE SAÚDE). Na segunda fase do estudo, foi realizada uma pesquisa de campo, junto aos docentes, através de uma entrevista semiestruturada com questões norteadoras acerca de prazer e sofrimento no trabalho. Para a análise das entrevistas, foi utilizada a técnica de análise de conteúdo, do tipo análise temática, proposta por Minayo (2013), e a teoria da Psicodinâmica do Trabalho segundo Dejours (1992), como referencial teórico. O período de coleta de dados compreendeu entre novembro/2015 a junho/2016. Os resultados da primeira fase demonstraram que os transtornos mentais e comportamentais têm ocupado os primeiros lugares das causas de afastamento do trabalho por motivo de saúde dos servidores da UFRN (técnicosadministrativos e docentes), e chegou a ser em 2014, 25% das ocorrências de licença para tratamento da saúde. Os diagnósticos mais frequentes nos afastamentos foram o transtorno misto ansioso e depressivo (F 41.2), o episódio depressivo grave sem sintomas psicóticos (F 32.2) e o transtorno depressivo recorrente, episódio atual grave sem sintomas psicóticos (F 33.2). Quanto à segunda fase, foram extraídas duas categorias de análise: o sofrimento e o prazer no trabalho docente, com três subcategorias correspondentes a cada uma, quais foram: Produtivismo acadêmico – “Publicar ou perecer”; Professor: um ser onipresente?; Desgastes nas relações de trabalho; O encanto da sala de aula; O reconhecimento e Vivências que promovem qualidade de vida no trabalho. Diante dos resultados, pode ser percebido que os docentes, apesar do sofrimento vivenciado no trabalho, das condições de desconforto, de mal-estar, por vezes culminando até em adoecimento, reconhecem o seu trabalho como estimulante, como uma mola propulsora, que dá sentido à sua existência, e que o simples fato do ser professor e do exercício da docência puderam ser considerados por eles, como promotores do prazer e da qualidade de vida no trabalho.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21921
Aparece nas coleções:PPGSCOL - Mestrado em Saúde Coletiva

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DanielleLorenCosta_DISSERT.pdf2,67 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.