Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21942
Título: Avaliação da carboximetilquitosana como inibidor de incrustação e corrosão em poços de petróleo
Autor(es): Macedo, Ruza Gabriela Medeiros de Araújo
Palavras-chave: Carboximetilquitosana;Inibidor de incrustação;Inibidor de corrosão
Data do documento: 1-Jul-2016
Citação: MACEDO, Ruza Gabriela Medeiros de Araújo. Avaliação da carboximetilquitosana como inibidor de incrustação e corrosão em poços de petróleo. 2016. 86f. Tese (Doutorado em Química) - Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
metadata.dc.description.resumo: O uso de produtos ecologicamente corretos é um tema em discussão nas inúmeras operações industriais. A biodegradabilidade e ecotoxicidade dos produtos utilizados na indústria do petróleo são de grande relevância, e os inibidores de incrustação e corrosão não poderiam ser uma exceção. A quitosana, um biopolímero derivado da quitina, que está presente, principalmente, nas carapaças de crustáceos, apresenta um grande potencial para esta aplicação, pois suas propriedades estruturais e funcionais possibilitam a modificação química estrutural que favorece a capacidade de complexar metais. Sendo assim, o principal objetivo deste trabalho se constituiu em sintetizar, caracterizar e avaliar o desempenho da carboximetilquitosana (CMQ) como inibidor da precipitação de carbonato de cálcio e sulfato de bário, bem como inibidor de corrosão na presença de íons cloreto em aço carbono 1020, levando em consideração as condições de temperatura, pressão e salinidade dos poços de petróleo da região nordeste. Os resultados revelaram que a CMQ atua como um bom inibidor de incrustação de CaCO3, determinado através do teste de eficiência dinâmica sob pressão de 1000 psi e temperatura de 70 ºC, pois o tempo de precipitação na ausência do inibidor foi de aproximadamente 15 min e, quando adicionado o inibidor, esse tempo foi aumentado para 50 minutos, na concentração de 50 ppm, e nenhum aumento de pressão foi observado a partir de 170 ppm. Dessa forma, a mínima concentração efetiva estimada foi de 170 ppm. Já para BaSO4, a CMQ não atuou como inibidor de incrustação, pois o tempo de precipitação do BaSO4 não foi modificado na presença da CMQ. Os dados de cronoamperometria para precipitação de CaCO3 mostraram uma redução na variação da corrente catódica, o que pode estar relacionado à interação da CMQ com os íons cálcio, por dificultar o acesso dos íons até a superfície do eletrodo. As imagens de MEV mostraram deformação dos cristais de CaCO3 na presença de CMQ, enquanto que para o BaSO4 não foi verificado modificação significativa, sugerindo interações específicas entre a CMQ e a superfície dos cristais de CaCO3. A CMQ também apresentou boas propriedades como inibidor de corrosão em meio contendo Cl-, atuando como um inibidor do tipo anódico, pois deslocou o potencial de corrosão para regiões mais positivas. Sua eficiência de inibição de corrosão, determinada por extrapolação da curva de Tafel, foi em torno de 80%, e de 67%, quando determinada pela técnica de impedância eletroquímica, à concentração de 80 ppm. Essa eficiência foi atribuída ao mecanismo de fisissorção, indicado pelo valor de DGads próximo a -10 KJ/mol.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21942
Aparece nas coleções:PPGQ - Doutorado em Química

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RuzaGabrielaMedeirosDeAraujoMacedo_TESE.pdf2,58 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.