Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21965
Título: A intercompreensão de línguas românicas nas aulas de inglês: uma experiência inovadora nos cursos de Educação de Jovens e Adultos do Instituto Federal do Rio Grande do Norte
Autor(es): Oliveira, Janaina Michelle França de
Palavras-chave: Intercompreensão de línguas românicas;Aulas de inglês;Educação de Jovens e Adultos (EJA)
Data do documento: 28-Jul-2016
Citação: OLIVEIRA, Janaina Michelle França de. A intercompreensão de línguas românicas nas aulas de inglês: uma experiência inovadora nos cursos de Educação de Jovens e Adultos do Instituto Federal do Rio Grande do Norte. 2016. 108f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: It is undeniable that language teaching plays an important role in one’s life as Brazilian and international official documents affirm. The study of English language and anglphone cultures, or any other language, should promote a greater openness to different ways of structuring the world, as well as possibilities and opportunities to act critically in the world (PCNs, 1999). This research focuses on the Intercomprehension of Romance Languages (IRL) as a suggestion for the teaching and learning of the English language in the Young Adult and Adult Education Program (Educação de Jovens e Adultos - EJA) and aims to enhance learners’ potential to facilitate and motivate foreign language learning and self-perception. The involvement of the researcher to formulate and implement a plurilingual course was crucial to characterize the study as a Participatory Action Research (THIOLLENT, 2011; GRAY, 2012; FRANCO, 2005). Nine students of the Federal Institute of Rio Grande do Norte (IFRN)’s EJA participated in the study and did plurilingual activities involving four languages (Spanish, Italian, French and English) for a semester. The corpus of the research consists of quantitative and qualitative data collected through semi-structured questionnaires, audios, interviews, field notes, students’ plurilingual worksheet answers and verbal protocol (COHEN, 1996). In order to guide us in the formulation and execution of the plurilingual course and in the data analysis, we used, as a general theoretical framework for the teaching of foreign languages, the PCNs (1999), OCNs (2006), CEFR (2001) and FREPA/CARAP (2010). We also used the intercomprehension between related languages’ theoretical basis (DEGACHE, 2012; DOYÉ, 2005, 2007; ARAÚJO e SÁ, 2013; SANTOS, 2010; CAPUCHO, 2010; MELO; SANTOS, 2008; JAMET; SPITĂ, 2010; ESCUDÉ ; JANIN, 2010 CADDÉO; JAMET, 2013, among others) to support the research. As we sought to value the potential of learners through reading comprehension, we used the learning strategies categorized by O'Malley and Chamot (1995) and the theory of reading strategies and models (SOLÉ, 1998; Smith, 1999 KLEIMAN, 2013; PERFETTI 1999, 2007; ALONSO; MATEOS, 1985). The preparation and implementation of the plurilingual course, besides the theoretical support already mentioned, were also based on the sociointeractionist theory of Vygotsky (VYGOTSKY, 2007; BASTOS, 2014; OLIVEIRA, 1992), Krashen ‘s affective filter (1985, 2009), and meaningful learning theory (MOREIRA; MASINI, 2001; MOREIRA, 2010, 2011). Results suggest that to help students realize that their English language knowledge is meaningful, among other factors, they need to have greater autonomy and a less idealized notion of foreign language learning. The research also indicates that the linguistic proximity and the observation of the use of strategies in IRL contributed to the reading proficiency of texts in English, fomenting in learners a greater appreciation of their potential, and an increase self-confidence to understand texts in Romance languages, and in English, as well as, seemed to have contributed to changing students’ attitudes about foreign language learning.
metadata.dc.description.resumo: É incontestável que o ensino de línguas desempenha um papel importante na vida do indivíduo, como apontam documentos oficiais brasileiros e internacionais. O estudo da língua inglesa e culturas anglófonas, assim como de qualquer outro idioma, deve possibilitar a promoção de maior abertura a diferentes formas de estruturar o mundo, possibilidades e oportunidades de agir no mundo de forma crítica (PCNs, 1999). Esta pesquisa trata da Intercompreensão de Línguas Românicas (ILR) como uma proposta para o ensino-aprendizagem da língua inglesa (LI) na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e tem por objetivo valorizar as potencialidades dos aprendizes como elemento facilitador e motivador da aprendizagem de línguas estrangeiras e do olhar sobre si. O envolvimento da pesquisadora em elaborar e pôr em prática um curso plurilíngue foi determinante para caracterizar o estudo como uma Pesquisa-ação Participante (THIOLLENT, 2011; GRAY, 2012; FRANCO, 2005). Nove alunos da EJA do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) participaram do estudo e realizaram atividades plurilíngues envolvendo quatro línguas estrangeiras (espanhol, italiano, francês e inglês) durante um semestre. O corpus da pesquisa é constituído por dados quantitativo-qualitativos que foram coletados por meio de questionários semiestruturados, áudios, entrevistas, notas de campo, produção dos alunos das atividades plurilíngues e protocolo verbal (COHEN, 1996). Para nos orientar na elaboração do curso plurilíngue e na análise e discussão dos dados, utilizamos, como aporte teórico geral sobre o ensino de línguas estrangeiras, os PCNs (1999), as OCNs (2006), o QECR (2001) e o FREPA/CARAP (2010). Também recorremos aos pressupostos da intercompreensão (IC) entre línguas aparentadas (DEGACHE, 2012; DOYÉ, 2005, 2007; ARAÚJO E SÁ, 2013; SANTOS, 2010; CAPUCHO, 2010; MELO; SANTOS, 2008; JAMET; SPITĂ, 2010; ESCUDÉ; JANIN, 2010, CADDÉO; JAMET, 2013, dentre outros). Por buscarmos valorizar as potencialidades dos aprendizes por meio da compreensão escrita, utilizamos as estratégias de aprendizagem categorizadas por O’Malley e Chamot (1995) e a teoria sobre estratégias e modelos de leitura (SOLÉ, 1998; SMITH, 1999, KLEIMAN, 2013; PERFETTI, 1999, 2007; ALONSO; MATEOS, 1985). A elaboração e a execução do curso plurilíngue, além do apoio teórico já citado, foram baseadas na teoria sociointeracionista de Vygotsky (VYGOTSKY, 2007; BASTOS, 2014; OLIVEIRA, 1992), do Filtro Afetivo de Krashen (1982, 1985) e da aprendizagem significativa (MOREIRA; MASINI, 2001; MOREIRA, 2010, 2011). Quanto aos resultados, eles sugerem que para perceber o conhecimento em LI como significativo os aprendizes precisam, dentre outros fatores, ter maior autonomia e uma concepção menos idealizada sobre a aprendizagem de línguas estrangeiras. A pesquisa também indica que a proximidade linguística e a observação do uso de estratégias na ILR contribuíram para a leitura de textos em LI, causando nos aprendizes maior valorização de suas potencialidades, aumento da autoconfiança para compreender textos em línguas românicas e em língua inglesa, como também parece ter contribuído para a mudança de atitude.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21965
Aparece nas coleções:PPGEL - Mestrado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
JanainaMichelleFrancaDeOliveira_DISSERT.pdf6,56 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.