Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22367
Título: Funções morfossintáticas e discursivas do tipo na fala de jovens natalenses
Autor(es): Laurentino, Josele Julião
Palavras-chave: TIPO;Funções morfossintáticas;Funções discursivas;Abordagem funcionalista
Data do documento: 29-Jul-2016
Citação: LAURENTINO, Josele Julião. Funções morfossintáticas e discursivas do tipo na fala de jovens natalenses. 2016. 93f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: This dissertation, based on the American linguistic functionalism (GIVÓN, 1981, 1995, 2001; HOPPER, 1991), investigates the usages of the linguistic item TIPO in morphosyntactic and discursive functions in the speech of the youth from Natal. For that, the analyzed corpus is compounded by four sociolinguistic interviews which come from the database named Banco de Dados FALA-Natal (TAVARES; MARTINS, 2014). In these interviews, which were conducted with speakers between 15 and 21 years old, I collected 194 occurrences of the subject of study. The main goal of the research is mapping and describing the morphosyntactic and discursive functions that the item in focus has been playing in the Brazilian Portuguese (BP) spoken in Natal/RN, mostly considering the structural and semantic-pragmatic properties categorized from each of those functions, having as data source the speech of the younger age group, in which TIPO occurs more frequently. This work, adding to others like Lima-Hernandes (2005), Rodrigues (2009), Castelano and Ladeira (2010), Thompson (2013) and Dória and Alves (2014), contributes to the description of the BP as well as it provides knowledge which may base a reflexive, embracing and useful language teaching in the basic level, since I deal with a linguistic phenomenon which is very common in real communicative situations and which plays important roles within grammar. Besides the abovementioned works, I also base this one on D’Arcy (2005) and Levey (2006), who investigated, in English, the usage of LIKE – element quite similar in behavior to the one here studied, pragmatically and structurally speaking – because I intend to contribute to the functionalist studies of typological nature, briefly comparing the functions performed by the element TIPO in the BP and by the element LIKE in English. This comparison may also bring theoretical foundation to more systematized comparative studies between speech samples from BP and English and their different varieties. The comparison between the usages of TIPO and the usages of LIKE leads to useful knowledge for the Portuguese and English teaching as foreign languages. The results obtained indicate twelve functions performed by TIPO. Four of these functions were classified as morphosyntactic – in which TIPO plays more textual roles like: exemplification, comparison, explanation and conclusion; and eight functions were classified as discursive ones, in which TIPO plays more interactional roles, namely: factual introduction, introduction of internal dialogue, informational inaccuracy marking, elaboration marking, reworking marking, emphasis marking, sequencing marking and approximate delimitation. The morphosyntactic function that has presented a major number of occurrences of the item was the exemplification one, probably because for being that one in which the element has been longer working. In contrast, conclusion has been the one with the lesser number of occurrences, perhaps for being the most innovative function. Regarding the discursive functions, the one with a bigger average of usage was the elaborating marking, including within the general framework of the controlled functions. In this case, the greater quantity may be related to the communicative situation given by the sociolinguistic interview and to the age group of the language users, bearing in mind that the most interactional usages are the most innovative ones, as it has already been diagnosed in previous diachronic and synchronic researches (cf. LIMA-HERNANDES, 2005; THOMPSON, 2013). This fact makes me believe that TIPO has been following a trajectory of grammaticalization in which it functionally goes from ideational field towards the interactional/interpersonal field (cf. TRAUGOTT, 1982; ROMAINE; LANGE, 1991). In structural terms, TIPO has showed highly mobility concerning its position in the sentence, whether in more textual or interactional roles, corroborating the idea of grammaticalization by syntactic expansion proposed by Traugott (2010; 2014). Regarding the comparison between TIPO and LIKE, we observed that they perform functions in common (exemplification, comparison, approximative delimitation and marking of elaboration) and have similar clause positions, possibly because of similar cognitive and pragmatic pressures regarding the trajectories of grammaticalization followed by the two elements.
metadata.dc.description.resumo: Esta dissertação consiste em um estudo, baseado no funcionalismo linguístico norte-americano (GIVÓN, 1981, 1995, 2001; HOPPER, 1991), que investiga os usos do item linguístico TIPO em funções morfossintáticas e discursivas na fala de jovens natalenses. Para tanto, o corpus utilizado é composto de quatro entrevistas sociolinguísticas, integrantes do Banco de Dados FALA-Natal (TAVARES; MARTINS, 2014), realizadas com falantes de idades entre 15 a 21 anos, das quais coletamos 194 dados de ocorrência do nosso objeto de estudo. O principal objetivo desta pesquisa é mapear e descrever funções morfossintáticas e discursivas que o item sob enfoque tem desempenhado no português brasileiro (PB) falado em Natal/RN, sobretudo quanto às propriedades semântico-pragmáticas e estruturais caracterizadoras de cada uma dessas funções, tomando como fonte de dados a fala do grupo etário jovem, em que o TIPO ocorre com maior frequência. Este trabalho, somando-se a outros como Lima-Hernandes (2005), Rodrigues (2009), Castelano e Ladeira (2010), Thompson (2013) e Dória e Alves (2014), contribui para a descrição do PB, bem como fornece conhecimentos que sirvam de base para um ensino reflexivo, abrangente e profícuo de língua no nível básico, já que tratamos de fenômenos linguísticos presentes em situações comunicativas reais, mostrando que o TIPO desempenha papéis importantes na gramática. Além dos trabalhos supracitados, servem-nos como fundamento, ainda, as propostas de D’Arcy (2005) e de Levey (2006), que investigaram, no inglês, os usos do LIKE, elemento que se comporta pragmática e estruturalmente de forma bastante similar ao elemento aqui estudado, pois intentamos contribuir também com estudos funcionalistas de natureza tipológica, traçando uma breve comparação entre funções desempenhadas pelo TIPO no PB e pelo LIKE no inglês, e trazendo fundamentação, assim, para futuros estudos comparativos mais sistematizados entre amostras de fala do PB e do inglês, em suas diferentes variedades. Do cotejamento feito entre usos do TIPO e usos do LIKE também derivam conhecimentos úteis para o ensino de português e de inglês como línguas estrangeiras. Nossos resultados apontam doze funções desempenhadas pelo TIPO, sendo quatro funções classificadas como morfossintáticas, em que o item exerce papéis mais textuais, quais sejam: exemplificação, comparação, explicação e conclusão; e, oito funções classificadas como discursivas, em que exerce papéis mais interacionais, a saber: introdução fática, introdução de diálogo interno, marcação de imprecisão informacional, marcação de elaboração, marcação de reelaboração, marcação de ênfase, marcação de sequenciação e delimitação aproximativa. A função morfossintática que apresentou maior número de ocorrências do item foi a de exemplificação, provavelmente pelo fato de ser aquela em que o elemento está atuando por mais tempo. Em contrapartida, a que apresentou menor número foi a de conclusão, talvez por ser a mais inovadora. Em relação às funções discursivas, a que apresentou maior taxa de uso, inclusive no quadro geral das funções controladas, foi a de marcação de elaboração. Nesse caso, a grande quantidade pode estar relacionada à situação comunicativa da entrevista sociolinguística e à faixa etária dos usuários, tendo em vista que os empregos mais interacionais são os mais inovadores, conforme já diagnosticado em pesquisas anteriores de natureza sincrônica e diacrônica (cf. LIMA-HERNANDES, 2005; THOMPSON, 2013), o que nos leva a crer que TIPO tem seguido um percurso de gramaticalização no qual se estende funcionalmente do campo ideacional em direção ao campo interpessoal/interacional (cf. TRAUGOTT, 1982; ROMAINE; LANGE, 1991). Em termos estruturais, TIPO mostrou bastante mobilidade quanto à posição ocupada na oração, seja em papéis mais textuais, seja em papéis mais interacionais, corroborando a ideia de gramaticalização por expansão sintática, proposta por Traugott (2010; 2014). Quanto à comparação entre TIPO e LIKE do inglês, observamos que eles desempenham funções em comum (exemplificação, comparação, delimitação aproximativa e marcação de elaboração) e ocupam posições similares nas orações, possivelmente devido a pressões cognitivas e pragmáticas similares no que diz respeito aos percursos de gramaticalização seguidos pelos dois elementos.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22367
Aparece nas coleções:PPGEL - Mestrado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
JoseleJuliaoLaurentino_DISSERT.pdf1,97 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.