Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22415
Título: Fecundidade do nordeste brasileiro: uma abordagem com modelos não linear de efeitos mistos
Autor(es): Villavicencio, Lourdes Milagros Mendoza
Palavras-chave: Taxas Específicas de Fecundidade;Estimativas;Efeitos mistos;Regressão Não Linear.
Data do documento: 24-Abr-2015
Citação: VILLAVICENCIO, Lourdes Milagros Mendoza. Fecundidade do nordeste brasileiro: uma abordagem com modelos não linear de efeitos mistos. 2015. 100f. Dissertação (Mestrado em Demografia) - Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: O objetivo deste trabalho consiste em avaliar a aplicação dos modelos não lineares de efeitos mistos para o estudo dos níveis e padrões da fecundidade nos estados do Nordeste Brasileiro, apresentando os princípios e supostos básicos, ilustrando sua aplicação para um caso concreto e realizar uma análise comparativa do comportamento da fecundidade levando em conta as Unidades da Federação do Nordeste do Brasil em dois momentos no tempo, 2000 e 2010. Propondo assim uma nova metodologia para a evolução demográfica e o planejamento social. Para a avaliação da aplicação deste tipo de modelo foram utilizadas duas fontes de dados, as informações sobre fecundidade registradas no Sistema de Informação de Nascidos Vivos (SINASC) e as informações do Censo Demográfico para os anos 2000 e 2010. Realizou-se a análise obtendo-se as estimativas de três parâmetros para um modelo assintótico, Taxa de Fecundidade Total, Taxa Especifica no inicio do período reprodutivo e a idade com que a mulher atinge a metade de sua reprodução total, cuja interpretação reflete o comportamento da fecundidade das mulheres em idade reprodutiva, mostrando os diferenciais entre os nove estados do Nordeste Brasileiro. Para a estimação dos parâmetros, utilizou-se o método de máxima verossimilhança (MV) por meio do programa R-project 3.1.0. Os resultados desse estudo apontam que no ano 2000 ambas fontes de dados apresentaram semelhanças nas Taxas de Fecundidade Total, para os estados de Rio Grande do Norte, Pernambuco e Sergipe, sendo de, 2,42; 2,38 e 2,67 respectivamente. No entanto as estimativas por meio do SINASC e Censo Demográfico apontaram ao estados de Alagoas como aquele com a maior TFT do Nordeste.Os estados de Maranhão e Piauí foram aqueles que atingiram a metade da Taxa de Fecundidade Total (TFT) com a idade de 21 anos, no entanto os estados de Ceará e Sergipe foram aqueles que apresentaram uma maior idade para atingir a metade da TFT sendo esta de 23 anos. Para o ano 2010 ambas fontes de dados apontaram aos estado de Maranhão e Alagoas como aqueles com a maior TFT, em comparação com outros estados do Nordeste, em sentido contrario as estimativas por meio do SINASC aponto ao estados da Bahia com o menor TFT (1,83), no entanto estimativas por meio do Censo Demográfico sinalo ao estado de Pernambuco como aquele com a menor TFT (2,09) do Nordeste. Constatou-se também que para o ano 2010 a população feminina em todos os estados do Nordeste, concentram a metade da TFT entre as idades de 20 e 24 anos, observou-se também que a postergação das mulheres em terem filhos acontece de forma independente do estado de origem.Em um contexto de queda da fecundidade, os modelos não lineares de efeitos mistos (NLME), torna-se uma ferramenta promissora dentro do campo da Demografia, pois permite analisar os níveis e padrões das TFT sem pressupostos de uma população fechada. Acredita-se que os modelos não lineares de efeitos mistos podem levar a um melhor entendimento.
metadata.dc.description.resumo: O objetivo deste trabalho consiste em avaliar a aplicação dos modelos não lineares de efeitos mistos para o estudo dos níveis e padrões da fecundidade nos estados do Nordeste Brasileiro, apresentando os princípios e supostos básicos, ilustrando sua aplicação para um caso concreto e realizar uma análise comparativa do comportamento da fecundidade levando em conta as Unidades da Federação do Nordeste do Brasil em dois momentos no tempo, 2000 e 2010. Propondo assim uma nova metodologia para a evolução demográfica e o planejamento social. Para a avaliação da aplicação deste tipo de modelo foram utilizadas duas fontes de dados, as informações sobre fecundidade registradas no Sistema de Informação de Nascidos Vivos (SINASC) e as informações do Censo Demográfico para os anos 2000 e 2010. Realizou-se a análise obtendo-se as estimativas de três parâmetros para um modelo assintótico, Taxa de Fecundidade Total, Taxa Especifica no inicio do período reprodutivo e a idade com que a mulher atinge a metade de sua reprodução total, cuja interpretação reflete o comportamento da fecundidade das mulheres em idade reprodutiva, mostrando os diferenciais entre os nove estados do Nordeste Brasileiro. Para a estimação dos parâmetros, utilizou-se o método de máxima verossimilhança (MV) por meio do programa R-project 3.1.0. Os resultados desse estudo apontam que no ano 2000 ambas fontes de dados apresentaram semelhanças nas Taxas de Fecundidade Total, para os estados de Rio Grande do Norte, Pernambuco e Sergipe, sendo de, 2,42; 2,38 e 2,67 respectivamente. No entanto as estimativas por meio do SINASC e Censo Demográfico apontaram ao estados de Alagoas como aquele com a maior TFT do Nordeste.Os estados de Maranhão e Piauí foram aqueles que atingiram a metade da Taxa de Fecundidade Total (TFT) com a idade de 21 anos, no entanto os estados de Ceará e Sergipe foram aqueles que apresentaram uma maior idade para atingir a metade da TFT sendo esta de 23 anos. Para o ano 2010 ambas fontes de dados apontaram aos estado de Maranhão e Alagoas como aqueles com a maior TFT, em comparação com outros estados do Nordeste, em sentido contrario as estimativas por meio do SINASC aponto ao estados da Bahia com o menor TFT (1,83), no entanto estimativas por meio do Censo Demográfico sinalo ao estado de Pernambuco como aquele com a menor TFT (2,09) do Nordeste. Constatou-se também que para o ano 2010 a população feminina em todos os estados do Nordeste, concentram a metade da TFT entre as idades de 20 e 24 anos, observou-se também que a postergação das mulheres em terem filhos acontece de forma independente do estado de origem.Em um contexto de queda da fecundidade, os modelos não lineares de efeitos mistos (NLME), torna-se uma ferramenta promissora dentro do campo da Demografia, pois permite analisar os níveis e padrões das TFT sem pressupostos de uma população fechada. Acredita-se que os modelos não lineares de efeitos mistos podem levar a um melhor entendimento.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22415
Aparece nas coleções:PPGDEM - Mestrado em Demografia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LourdesMilagrosMendozaVillavicencio_DISSERT.pdf2,53 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.