Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22508
Título: Lipodistrofia congênita generalizada como modelo de estudo de metabolismo, resistência insulínica, densidade óssea e expressão gênica global
Autor(es): Lima, Josivan Gomes de
Palavras-chave: Lipodistrofia;Berardinelli-Seip;Diabetes;Osso
Data do documento: 24-Out-2016
Citação: LIMA, Josivan Gomes de. Lipodistrofia congênita generalizada como modelo de estudo de metabolismo, resistência insulínica, densidade óssea e expressão gênica global. 2016. 98f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
metadata.dc.description.resumo: A Lipodistrofia Congênita Generalizada (LCG) é uma doença autossômica recessiva rara, caracterizada por dificuldade em estocar gordura corporal, evoluindo com depósito ectópico. Existem 4 tipos descritos e, no Rio Grande do Norte, Brasil, foram identificados casos dos Tipos 1 e 2. As vias de osteogênese e de adipogênese têm uma célula primordial comum, e o déficit de uma destas vias pode priorizar a outra via. Objetivamos avaliar alterações ósteo-metabólicas de pacientes com LCG, caracterizando densidade mineral óssea (DMO) e escore de osso trabecular (TBS), além de realizar estudos de expressão gênica global utilizando RNA de células de sangue periférico, visando identificar vias gênicas relacionadas com as complicações clinicas dessas mutações. Foram estudados 44 pacientes com LCG (21,3±13,7 anos; 27 do sexo feminino (61,4%); 30 diabéticos (68,2%); gordura corporal total 5,3±0,7%). Nos pacientes com densitometria disponível (n=21), as médias de Z-Score da DMO foram positivas em todos os sítios estudados, com exceção do rádio 33% (-0.5DP Z-Score). Doze pacientes (12/21, 57,1%) tinham ZScore superior a + 2.5SD em pelo menos um local, não havendo diferença entre homens e mulheres. Pacientes Tipo 1 tinham valores menores de ZScore que Tipo 2. Insulinemia correlacionou positivamente com DMO em todos os locais, exceto no rádio 33%. Esclerostina sérica foi maior que o limite superior da normalidade em 90,9% dos pacientes (média 44,7±13,4 pmol/L). A média do TBS foi 1,402 ± 0,106 e ele correlacionou positivamente com esclerostina (r = 0,620, p = 0,04). Análise de expressão gênica global mostrou que pacientes do Tipo 1 e Tipo 2 apresentam expressões gênicas distintas que justificam algumas das complicações clínicas observadas na LCG. De forma surpreendente, as pessoas heterozigotas também apresentam alterações gênicas, incluindo aumento da expressão de vias da resposta inflamatória. Em conclusão, mais de metade dos nossos pacientes com LCG têm DMO Z-Scores superior a + 2.5SD em pelo menos um local, e este aumento é mais pronunciado nos locais de osso trabecular e nos pacientes Tipo 2. Valores de esclerostina são elevados, mas, apesar disso, a microarquitetura óssea estimada pelo TBS é boa. Pessoas heterozigotas apresentam “status gênico” inflamatório.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22508
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
JosivanGomesDeLima_TESE.pdf20,19 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.