Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22551
Título: Padrões de estrutura argumental com os verbos de percepção ver e olhar
Autor(es): Melo, Sara Azevedo Santos de
Palavras-chave: Linguística funcional centrada no uso;Estrutura argumental;Verbos de percepção;Ver;Olhar
Data do documento: 29-Jul-2016
Citação: MELO, Sara Azevedo Santos de. Padrões de estrutura argumental com os verbos de percepção ver e olhar. 2016. 70f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: This work consists of analyzing the argument structure patterns in which the perception verbs ver and olhar in portuguese may occur. Aim to specifically examine the argument configuration of verbs, grouping them by type of argument structure that manifest, determine the semantic cases of arguments expressed in sentence, analyzing morphosyntactic and discursive-pragmatic aspects of these arguments and verify if there is a relationship between a given type of argument structure and textual type. As the methodological procedures, the work involves both quantitative (relating to frequency of use of the identified standards) and qualitative aspects (related to cognitive and discursive-pragmatic motivations involved in use). Databases taken as a source for analysis are the Corpus Discurso & Gramática: a língua falada e escrita na cidade do Natal (FURTADO DA CUNHA, 1998) and the Banco Conversacional de Natal (FURTADO DA CUNHA, 2011). The research is based on the assumptions upheld by the Usage-based Functional Linguistics (LFCU), as Furtado da Cunha, Bispo and Silva (2013), adding contributions from Cognitive-functional trend, defended by Tomasello (1998). After preliminary analysis of the results, it was found that the verb ver (see) seems to be the most prototypical – both in writing and in oral – due to present more often and be used in various contexts, probably because the view is the most basic sense of the human being. Olhar (look), in turn, appeared in a smaller number of occurrences, depending on the meaning employed, which may also characterize one speaker preference. It was found, therefore, that although there are no differences in the choice between one verb and another, there are differences between speech and writing, in other words the perception verbs forms a heterogeneous group.
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho consiste em analisar os padrões de estrutura argumental em que os verbos de percepção ver e olhar podem ocorrer. Objetiva-se, especificamente, examinar a configuração argumental desses verbos, agrupando-os pelo tipo de estrutura argumental que manifestam, determinar os casos semânticos dos argumentos expressos na oração, analisar aspectos morfossintáticos e discursivo-pragmáticos desses argumentos e verificar se há relação entre um dado tipo de estrutura argumental e tipo textual. Quanto aos procedimentos metodológicos, o trabalho envolve tanto aspectos quantitativos (relativos à frequência de uso dos padrões identificados) quanto qualitativos (relacionados às motivações cognitivas e discursivo-pragmáticas implicadas no uso). Os bancos de dados tomados como fonte para análise são o Corpus Discurso & Gramática: a língua falada e escrita na cidade do Natal (FURTADO DA CUNHA, 1998) e o Banco Conversacional de Natal (FURTADO DA CUNHA, 2011). A pesquisa fundamenta-se nos pressupostos defendidos pela Linguística Funcional Centrada no Uso (LFCU), conforme Furtado da Cunha, Bispo e Silva (2013), agregando contribuições da tendência Cognitivo-funcional, defendida por Tomasello (1998). Após análise dos resultados, verificou-se que o verbo ver parece ser o mais prototípico – tanto na escrita quanto na oralidade – por apresentar maior frequência e por ser empregado em vários contextos, provavelmente porque a visão é o sentido mais básico do ser humano. Olhar, por sua vez, apareceu em uma quantidade menor de ocorrências, dependendo do sentido empregado, o que pode também caracterizar apenas uma preferência do falante. Constatou-se, assim, que, apesar de não haver diferenças na escolha entre um e outro verbo, há divergências entre fala e escrita, ou seja, os verbos de percepção em estudo formam um grupo heterogêneo.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22551
Aparece nas coleções:PPGEL - Mestrado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SaraAzevedoSantosDeMelo_DISSERT.pdf657,44 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.