Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22724
Título: Perda óssea peri-implantar de implantes hexágono externo e cone morse em usuários de sobredentaduras mandibulares com carga imediata
Autor(es): Melo, Laércio Almeida de
Palavras-chave: Implantes dentários;Overdentures;Peri-implantite
Data do documento: 4-Dez-2015
Citação: MELO, Laércio Almeida de. Perda óssea peri-implantar de implantes hexágono externo e cone morse em usuários de sobredentaduras mandibulares com carga imediata. 2015. 47f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: Objetivou-se avaliar a perda óssea peri-implantar de implantes Hexágono Externo (HE) e Cone Morse (CM) em usuários de sobredentaduras mandibulares com carga imediata por um período de acompanhamento de 1 ano. O presente estudo trata-se de um ensaio clínico controlado e não randomizado, no qual foram analisados 18 implantes CM e 22 HE. Radiografias periapicais foram obtidas na instalação das sobredentaduras e 1 ano após. A perda óssea peri-implantar foi analisada a partir da digitalização e análise dessas radiografias no programa CorelDRAW X7. Para tal, a medição foi feita da plataforma dos implantes até a crista óssea nas faces mesiais e distais de cada implante. Como resultado, verificou-se uma taxa de sucesso elevada nos grupos HE e CM, com taxas de 100% e 94,4% respectivamente. Ao analisar os níveis ósseos peri-implantares, observou-se uma diferença significantiva entre os grupos (p=0,032), com maiores perdas ósseas no grupo HE. Em média, a perda óssea no grupo HE foi de 0,85mm (±0,82), enquanto no grupo CM foi de 0,10mm (±1,0). Conclui-se, que por um período de 1 ano, maiores perdas ósseas estão relacionadas ao grupo HE em comparação com o grupo CM.
metadata.dc.description.resumo: Objetivou-se avaliar a perda óssea peri-implantar de implantes Hexágono Externo (HE) e Cone Morse (CM) em usuários de sobredentaduras mandibulares com carga imediata por um período de acompanhamento de 1 ano. O presente estudo trata-se de um ensaio clínico controlado e não randomizado, no qual foram analisados 18 implantes CM e 22 HE. Radiografias periapicais foram obtidas na instalação das sobredentaduras e 1 ano após. A perda óssea peri-implantar foi analisada a partir da digitalização e análise dessas radiografias no programa CorelDRAW X7. Para tal, a medição foi feita da plataforma dos implantes até a crista óssea nas faces mesiais e distais de cada implante. Como resultado, verificou-se uma taxa de sucesso elevada nos grupos HE e CM, com taxas de 100% e 94,4% respectivamente. Ao analisar os níveis ósseos peri-implantares, observou-se uma diferença significantiva entre os grupos (p=0,032), com maiores perdas ósseas no grupo HE. Em média, a perda óssea no grupo HE foi de 0,85mm (±0,82), enquanto no grupo CM foi de 0,10mm (±1,0). Conclui-se, que por um período de 1 ano, maiores perdas ósseas estão relacionadas ao grupo HE em comparação com o grupo CM.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22724
Aparece nas coleções:PPGSCOL - Mestrado em Saúde Coletiva

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LaercioAlmeidaDeMelo_DISSERT.pdf3,03 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.