Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22738
Título: Spatial distribution of humpback whale singers in the abrolhos bank, BA, Brazil
Autor(es): Fernandes, Deborah Pinto
Palavras-chave: Mamíferos marinhos;baleia jubarte;distribuição espacial;atividade vocal;Abrolhos
Data do documento: 31-Mar-2014
Citação: FERNANDES, Deborah Pinto. Spatial distribution of humpback whale singers in the abrolhos bank, BA, Brazil. 2014. 163f. Dissertação (Mestrado em Psicobiologia) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.
Resumo: Mamíferos marinhos formam um grupo bastante diversificado, incluindo cetáceos, sirênios, pinípedes e carnívoros, como lontras e ursos polares. Estudos sobre a distribuição e abundância de mamíferos marinhos são de grande importância para fins de conservação e manejo. Esses são animais que passam toda ou a maior parte da vida no ambiente aquático e dependem de diversos fatores, como distribuição de recursos alimentares, batimetria, distribuição de parceiros, entre outros para sobreviver. Dentre todos os mamíferos marinhos, a baleia jubarte é uma das espécies mais estudadas. A jubarte é conhecida por produzir longas sequências padronizadas de sons conhecidas como "canto", sendo a acústica uma das principais formas de comunicação no meio aquático. Este trabalho tem como objetivo (1) fornece uma revisão da literatura disponível sobre o estudo da distribuição de mamíferos marinhos utilizando métodos acústicos e/ou visuais nos últimos dez anos para identificar quais métodos e técnicas têm sido mais utilizados no campo; (2) prever a distribuição de grupos de baleia jubarte vocalmente ativos em relação a variáveis ambientais e sociais no entorno do Arquipélago dos Abrolhos; e, (3) verificar a existência de sobreposições entre a rota utilizada pelos barcos de turismo e machos cantores no entorno do Arquipélago dos Abrolhos, áreas onde possa haver potenciais interações espaciais e acústicas. Através da revisão de literatura no capítulo1, encontramos que, apesar do uso de monitoramento acústico passivo estar se tornando mais econômico e acessível nos últimos anos, os métodos mais usados para estudar distribuição de mamíferos marinhos são visuais. Ao responder um questionário sobre o método utilizado, a maioria dos pesquisadores tenderam a escolher o método visual por estarem inseridos em projetos maiores com outros focos. No segundo capítulo, foi feita uma regressão logística utilizando profundidade, distância a um buffer ao redor das ilhas de Abrolhos (0,5 mn), distância a corais, tamanho de grupo e presença de filhote para prever atividade vocal. O modelo que melhor previu que grupos de baleias jubartes estariam vocalmente ativos quando não houver filhote presente no grupo (B = 1,234, Wald = 16,016, p < ,01), estiverem distantes de corais (B = ,403, Wald = 4,263, p < ,05) e em áreas mais profundas (B = ,079, Wald = 3,460, p > ,05). Finalmente, no terceiro capítulo, realizamos análises espaciais que resultaram em mapas de densidade de grupos vocalmente ativos de baleias jubarte e de embarcações de turismo. Encontramos que as áreas de maior densidade de cantores coincide com áreas de maior densidade de embarcações. Tais áreas foram classificadas como alto risco para a comunicação da espécie na área amostrada. Investigar as preferências de habitat das baleias jubarte para atividade vocal com base em características ambientais e composição de grupo é essencial para o estabelecimento de áreas de manejo espaço-temporal com o objetivo de garantir uma comunicação acústica adequada, tão importante em áreas de reprodução. Nós também fornecemos resultados que enfatizam a necessidade de pôr em prática planos de manejo adaptativo que considerem fatores que podem ser importantes para a conservação e manejo da baleia jubarte.
metadata.dc.description.resumo: Mamíferos marinhos formam um grupo bastante diversificado, incluindo cetáceos, sirênios, pinípedes e carnívoros, como lontras e ursos polares. Estudos sobre a distribuição e abundância de mamíferos marinhos são de grande importância para fins de conservação e manejo. Esses são animais que passam toda ou a maior parte da vida no ambiente aquático e dependem de diversos fatores, como distribuição de recursos alimentares, batimetria, distribuição de parceiros, entre outros para sobreviver. Dentre todos os mamíferos marinhos, a baleia jubarte é uma das espécies mais estudadas. A jubarte é conhecida por produzir longas sequências padronizadas de sons conhecidas como "canto", sendo a acústica uma das principais formas de comunicação no meio aquático. Este trabalho tem como objetivo (1) fornece uma revisão da literatura disponível sobre o estudo da distribuição de mamíferos marinhos utilizando métodos acústicos e/ou visuais nos últimos dez anos para identificar quais métodos e técnicas têm sido mais utilizados no campo; (2) prever a distribuição de grupos de baleia jubarte vocalmente ativos em relação a variáveis ambientais e sociais no entorno do Arquipélago dos Abrolhos; e, (3) verificar a existência de sobreposições entre a rota utilizada pelos barcos de turismo e machos cantores no entorno do Arquipélago dos Abrolhos, áreas onde possa haver potenciais interações espaciais e acústicas. Através da revisão de literatura no capítulo1, encontramos que, apesar do uso de monitoramento acústico passivo estar se tornando mais econômico e acessível nos últimos anos, os métodos mais usados para estudar distribuição de mamíferos marinhos são visuais. Ao responder um questionário sobre o método utilizado, a maioria dos pesquisadores tenderam a escolher o método visual por estarem inseridos em projetos maiores com outros focos. No segundo capítulo, foi feita uma regressão logística utilizando profundidade, distância a um buffer ao redor das ilhas de Abrolhos (0,5 mn), distância a corais, tamanho de grupo e presença de filhote para prever atividade vocal. O modelo que melhor previu que grupos de baleias jubartes estariam vocalmente ativos quando não houver filhote presente no grupo (B = 1,234, Wald = 16,016, p < ,01), estiverem distantes de corais (B = ,403, Wald = 4,263, p < ,05) e em áreas mais profundas (B = ,079, Wald = 3,460, p > ,05). Finalmente, no terceiro capítulo, realizamos análises espaciais que resultaram em mapas de densidade de grupos vocalmente ativos de baleias jubarte e de embarcações de turismo. Encontramos que as áreas de maior densidade de cantores coincide com áreas de maior densidade de embarcações. Tais áreas foram classificadas como alto risco para a comunicação da espécie na área amostrada. Investigar as preferências de habitat das baleias jubarte para atividade vocal com base em características ambientais e composição de grupo é essencial para o estabelecimento de áreas de manejo espaço-temporal com o objetivo de garantir uma comunicação acústica adequada, tão importante em áreas de reprodução. Nós também fornecemos resultados que enfatizam a necessidade de pôr em prática planos de manejo adaptativo que considerem fatores que podem ser importantes para a conservação e manejo da baleia jubarte.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22738
Aparece nas coleções:PPGPSICO - Mestrado em Psicobiologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DeborahPintoFernandes_DISSERT.pdf2,43 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.