Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22766
Título: Respostas psicoafetivas de idosos fisicamente ativos durante o exercício físico em diferentes ambientes
Título(s) alternativo(s): Psychoaffective responses of physically active elderly during exercise in different environments
Autor(es): Farias, Thiago de Brito
Palavras-chave: Resposta afetiva;Percepção de esforço;Exercício verde;Humor;Idosos
Data do documento: 17-Jun-2016
Citação: FARIAS, Thiago de Brito. Respostas psicoafetivas de idosos fisicamente ativos durante o exercício físico em diferentes ambientes. 2016. 70f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: There is evidence showing that exercise in natural environments (green or blue exercise) promotes favorable changes in psychoaffective aspects regarding those experienced indoors or urban environments. However, It is still unknown the effects of this practice in the elderly. Objective: To analyze the acute effect of physical exercise in different environments in psychoaffective responses of physically active elderly. Material and Methods: Participated of this experimental study randomized crossover type, 15 physically active elderly of both sexes (65.37 ± 5.11 years old; 29.46 ± 0.09 kg.m-², 4 men). After process of anamnesis and theoretical anchor of the instruments used, all performed five exercise sessions in three different environment: multi-sport gym (closed environment), open running track (green environment) and the beach (blue environment). The first two sessions took place in the green and blue environment to familiarize with the procedures and minimize the effect of environmental news. Only the last three sessions had the data analyzed. The exercise sessions were composed of identical protocols - 30 minutes of exercise: 5 minutes of warm-up, 20 minutes of walk with self-selected intensity and 5 minutes back calm. Before and after exercise, volunteers self-reported your current mood states with the questionnaire "Profiles of Mood States". During the walk, they reported four times their levels of effort and affect through the Perceived Exertion Scale and Feeling Scale, respectively. Moreover, it was quantified the average speed developed by them while walking. Later the analysis of normal distribution of data and homogeneity of variance, the Friedman’s ANOVA (mood) and the ANOVA for repeated measures one-way (average speed) and two-way (perception of effort and affect) analyzed the data. Adopted as statistical significance level the p < 5%. Results: In none of the three environments were changes in mood states. The levels of effort and the average speeds as well as the affective responses were equivalent in these environments. Conclusion: In elderly, physically active, one exercise session in contact with nature, be it green or blue cannot provide different affective experiences of those experienced during practice the same activity indoors.
metadata.dc.description.resumo: Há evidências mostrando que a prática de exercícios em ambientes naturais (exercício verde ou azul) promove mudanças favoráveis em aspectos psicoafetivos em relação aqueles vivenciados em ambientes fechados e urbanos. No entanto, ainda pouco se sabe sobre os efeitos dessa prática na população idosa. Objetivo: Analisar o efeito agudo do exercício físico realizado em diferentes ambientes nas respostas psicoafetivas de idosos fisicamente ativos. Material e Métodos: Participaram deste estudo experimental do tipo crossover randomizado, 15 idosos fisicamente ativos de ambos os sexos (65,37 ± 5,11 anos de idade; 29,46 ± 0,09 kg.m-²; 4 homens). Após processo de anamnese e ancoragem teórica dos instrumentos utilizados, todos realizaram cinco sessões de exercício físico em três diferentes ambientes: ginásio poliesportivo (ambiente fechado), pista aberta de atletismo (ambiente verde) e praia (ambiente azul). As duas primeiras sessões ocorreram em ambientes verde e azul para familiarização com os procedimentos e minimizar o efeito da novidade desses ambientes. Somente as três últimas sessões tiveram os dados analisados. As sessões de exercício eram compostas por protocolos idênticos – 30 minutos de exercício: 5 minutos de aquecimento, 20 minutos de caminhada com intensidade autosselecionada e 5 minutos de volta a calma. Antes e após o exercício, os voluntários autorrelataram seus atuais estados de humor com o questionário “Perfil do Estado de Humor”. Durante a caminhada, eles reportaram quatro vezes seus níveis de esforço e de afeto por meio da Escala de Percepção de Esforço e da Escala de Sensação, respectivamente. Além disso, foi quantificada a velocidade média desenvolvida por eles durante a caminhada. Posteriormente a análises da normalidade da distribuição do dados e homogeneidade da variância, os dados foram analisados pelo teste ANOVA de Friedman (estado de humor) e ANOVA de medidas repetidas one-way (velocidade média) e two-way (percepção de esforço e afeto). Adotou-se como nível de significância estatística o p < 5%. Resultados: Em nenhum dos três ambientes ocorreram mudanças nos estados de humor. Os índices de esforço e as velocidades médias, assim como as respostas afetivas foram equivalentes nesses ambientes. Conclusão: Em idosos fisicamente ativos, uma sessão de exercício físico em contato com a natureza seja ele verde ou azul pode não proporcionar experiências afetivas diferentes daquelas vivenciadas durante a prática da mesma atividade em ambientes fechados.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22766
Aparece nas coleções:PPGEF - Mestrado em Educação Física

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ThiagoDeBritoFarias_DISSERT.pdf4,06 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.