Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22825
Título: Relação do tempo de reação com as capacidades condicionais e idade óssea em diferentes estágios maturacionais
Autor(es): Souza, Francisco Emilio Simplicio de
Palavras-chave: Esportistas;tempo de reação;maturação e idade óssea
Data do documento: 25-Fev-2016
Citação: SOUZA, Francisco Emilio Simplicio de. Relação do tempo de reação com as capacidades condicionais e idade óssea em diferentes estágios maturacionais. 2016. 53f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: Tempo de reação é uma das capacidades cognitivas que o atleta necessita na sua prática do esporte, uma vez que o preparo físico e técnico estará também associado a o quanto antes ele consegue tomar a decisão ao receber o estímulo. No entanto, o processo de formação de esportistas em demasiado busca estimular as capacidades condicionais e técnicas sem associação com a tomada de decisão. Além disso, o desenvolvimento biológico em vários estudos vem apresentando vantagens aos mais avançados naquele momento em relação aos atrasados. Poucas investigações fazem a relação da capacidade cognitiva com o crescimento e a maturação e com as capacidades condicionais. Objetivo: Analisar a influência da maturação e idade óssea no tempo de reação. Metodologia: Estudo caracterizado como descritivo e tipologia transversal. Realizado em dois clubes de iniciação esportiva da cidade de Natal/RN. A amostra foi composta por 104 indivíduos, sendo 71 meninos e 33 meninas. As etapas da pesquisa foram as seguintes: Assinatura do termo de consentimento do clube para realização da pesquisa; assinatura do termo de consentimento dos responsáveis dos alunos para realização da pesquisa; explicação aos jovens esportistas sobre os objetivos e procedimentos da pesquisa; aferição de dobra e perimetria; realização do teste de stroop - testinpacs; realização do teste de velocidade de membros inferiores, com o teste de 20 metros, em seguida o teste de golpeio de placas para verificar a velocidade de membros superiores dos indivíduos e finalizando com o teste “T” para analise da agilidade. Para analise estatística, utilizou o programa SPSS, versão 20.0 para correlação, utilizando o teste de Pearson, adotou como significância p<0,01 e p<0,05. Após a correlação foi realizada uma regressão linear individual para verificar o comportamento da variável dependente em relação às outras. Resultados: No teste de correlação de Pearson, com o p<0,01 apresentou correlações entre o tempo de reação e a idade óssea (-,354) e com a maturação (-,312), na correlação com p<0,05 houve correlação com a idade cronológica (-,212). O tempo de reação não apresentou correlações com as capacidades condicionais. A idade com p<0,05 apresentou correlação com a velocidade de membros inferiores (-,242) e a maturação correlacionou-se com a agilidade com p<0,05 com o resultado, (,243). Na regressão linear individual, o tempo de reação como variável dependente e o p<0,01, teve a maior significância com a idade óssea (,000) e com a maturação apresentando o valor (,001), com o p<0,05 apresentou relação com a idade cronológica com resultado (,031). Conclusão: Nessa amostra, foi identificado que os indivíduos com estágios maturacionais mais acelerados e com maior idade óssea, apresentaram um menor tempo de reação.
metadata.dc.description.resumo: Tempo de reação é uma das capacidades cognitivas que o atleta necessita na sua prática do esporte, uma vez que o preparo físico e técnico estará também associado a o quanto antes ele consegue tomar a decisão ao receber o estímulo. No entanto, o processo de formação de esportistas em demasiado busca estimular as capacidades condicionais e técnicas sem associação com a tomada de decisão. Além disso, o desenvolvimento biológico em vários estudos vem apresentando vantagens aos mais avançados naquele momento em relação aos atrasados. Poucas investigações fazem a relação da capacidade cognitiva com o crescimento e a maturação e com as capacidades condicionais. Objetivo: Analisar a influência da maturação e idade óssea no tempo de reação. Metodologia: Estudo caracterizado como descritivo e tipologia transversal. Realizado em dois clubes de iniciação esportiva da cidade de Natal/RN. A amostra foi composta por 104 indivíduos, sendo 71 meninos e 33 meninas. As etapas da pesquisa foram as seguintes: Assinatura do termo de consentimento do clube para realização da pesquisa; assinatura do termo de consentimento dos responsáveis dos alunos para realização da pesquisa; explicação aos jovens esportistas sobre os objetivos e procedimentos da pesquisa; aferição de dobra e perimetria; realização do teste de stroop - testinpacs; realização do teste de velocidade de membros inferiores, com o teste de 20 metros, em seguida o teste de golpeio de placas para verificar a velocidade de membros superiores dos indivíduos e finalizando com o teste “T” para analise da agilidade. Para analise estatística, utilizou o programa SPSS, versão 20.0 para correlação, utilizando o teste de Pearson, adotou como significância p<0,01 e p<0,05. Após a correlação foi realizada uma regressão linear individual para verificar o comportamento da variável dependente em relação às outras. Resultados: No teste de correlação de Pearson, com o p<0,01 apresentou correlações entre o tempo de reação e a idade óssea (-,354) e com a maturação (-,312), na correlação com p<0,05 houve correlação com a idade cronológica (-,212). O tempo de reação não apresentou correlações com as capacidades condicionais. A idade com p<0,05 apresentou correlação com a velocidade de membros inferiores (-,242) e a maturação correlacionou-se com a agilidade com p<0,05 com o resultado, (,243). Na regressão linear individual, o tempo de reação como variável dependente e o p<0,01, teve a maior significância com a idade óssea (,000) e com a maturação apresentando o valor (,001), com o p<0,05 apresentou relação com a idade cronológica com resultado (,031). Conclusão: Nessa amostra, foi identificado que os indivíduos com estágios maturacionais mais acelerados e com maior idade óssea, apresentaram um menor tempo de reação.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22825
Aparece nas coleções:PPGEF - Mestrado em Educação Física

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
FranciscoEmilioSimplicioDeSouza_DISSERT.pdf940,57 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.