Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22860
Título: Avaliação da expressão de receptores da imunidade inata durante a infecção experimental pelo Trypanosoma cruzi utilizando cepas/isolados com diferentes graus de virulência e patogenicidade
Autor(es): Queiroga, Tamyres Bernadete Dantas
Palavras-chave: Trypanosoma cruzi;receptores da imunidade inata;citocinas;TcI-VI
Data do documento: 29-Jan-2016
Citação: QUEIROGA, Tamyres Bernadete Dantas. Avaliação da expressão de receptores da imunidade inata durante a infecção experimental pelo Trypanosoma cruzi utilizando cepas/isolados com diferentes graus de virulência e patogenicidade. 2016. 70f. Dissertação (Mestrado em Biologia Parasitária) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: Estudos recentes têm demonstrado a importância de receptores do tipo Toll (TLRs) e do tipo NOD (NLRs) na resistência à infecção experimental pelo Trypanosoma cruzi. Entretanto, não existem trabalhos que correlacionem a expressão diferencial desses receptores em camundongos durante à infecção por cepas com diferentes graus de virulência e patogenicidade. Com a finalidade de compreender melhor o papel desses receptores na resistência ou susceptibilidade à infecção experimental pelo T. cruzi, camundongos Swiss Webster foram infectados com 1x104 tripomastigotas sanguíneos das cepas/isolados pertencentes aos seis grupos genéticos: Colombiana (Tc-I), Y (Tc-II), PL 1.10.14 (Tc-III), AM 64 (Tc-IV), 3253 (Tc-V) e CL (Tc-VI). Características biológicas inerentes as diferentes cepas/isolados foram avaliadas (parasitemia, sobrevivência e polimorfismo de formas tripomastigotas), juntamente com a expressão de receptores da imunidade inata (TLR1, TLR2, TLR3, TLR4, TLR5, TLR6, TLR7, TLR8, TLR9, NOD1, NOD2 e NALP3), suas moléculas adaptadoras (TRIF, MyD88, RIP2, ASC e Caspase-1), citocinas (IL-1β, IL-6, IL-10, IL-12p35, IL-12p40, IL-18, IFN-g e TNF-α) e da enzima iNOS em tecido muscular cardíaco. As cepas Y e Colombiana apresentaram os maiores picos de parasitemia e geraram 100% de mortalidade nos animais. A cepa CL e o isolado PL 1.10.14 apresentaram picos intermediários de parasitemia e geraram 70% de mortalidade nos camundongos infectados. Por outro lado, a cepa AM64 e o isolado 3253 geram os menores picos de parasitemia e 100% dos animais sobreviveram a infecção. Animais infectados com as cepas Y e Colombiana do T cruzi, cepas muito virulentas e patogênicas, apresentam elevada expressão de RNAm de NALP3, caspase-1, IL-1β, TNF-α e iNOS na musculatura cardíaca. Por outro lado, apresentam redução na expressão de RNAm de TLR4, TLR5, TLR9, TRIF, IL-6 e IL12p35 quando comparado aos demais grupos de animais infectados com cepas que apresentam menor virulência e patogenicidade. Ainda foi observado uma correlação negativa entre a expressão de RNAm de TLR4 e IL-6 e a quantidade de formas tripomastigotas sanguíneas. Os dados sugerem que as cepas Y e Colombiana, virulentas e patogênicas, induzem a inibição na expressão de RNAm de TLR4, TLR5, TLR9 e TRIF e levam ao aumento na expressão de RNAm de NALP3, caspase-1, IL-1β, TNF-α e iNOS na musculatura cardíaca podendo contribuir para a susceptibilidade a infecção.
metadata.dc.description.resumo: Estudos recentes têm demonstrado a importância de receptores do tipo Toll (TLRs) e do tipo NOD (NLRs) na resistência à infecção experimental pelo Trypanosoma cruzi. Entretanto, não existem trabalhos que correlacionem a expressão diferencial desses receptores em camundongos durante à infecção por cepas com diferentes graus de virulência e patogenicidade. Com a finalidade de compreender melhor o papel desses receptores na resistência ou susceptibilidade à infecção experimental pelo T. cruzi, camundongos Swiss Webster foram infectados com 1x104 tripomastigotas sanguíneos das cepas/isolados pertencentes aos seis grupos genéticos: Colombiana (Tc-I), Y (Tc-II), PL 1.10.14 (Tc-III), AM 64 (Tc-IV), 3253 (Tc-V) e CL (Tc-VI). Características biológicas inerentes as diferentes cepas/isolados foram avaliadas (parasitemia, sobrevivência e polimorfismo de formas tripomastigotas), juntamente com a expressão de receptores da imunidade inata (TLR1, TLR2, TLR3, TLR4, TLR5, TLR6, TLR7, TLR8, TLR9, NOD1, NOD2 e NALP3), suas moléculas adaptadoras (TRIF, MyD88, RIP2, ASC e Caspase-1), citocinas (IL-1β, IL-6, IL-10, IL-12p35, IL-12p40, IL-18, IFN-g e TNF-α) e da enzima iNOS em tecido muscular cardíaco. As cepas Y e Colombiana apresentaram os maiores picos de parasitemia e geraram 100% de mortalidade nos animais. A cepa CL e o isolado PL 1.10.14 apresentaram picos intermediários de parasitemia e geraram 70% de mortalidade nos camundongos infectados. Por outro lado, a cepa AM64 e o isolado 3253 geram os menores picos de parasitemia e 100% dos animais sobreviveram a infecção. Animais infectados com as cepas Y e Colombiana do T cruzi, cepas muito virulentas e patogênicas, apresentam elevada expressão de RNAm de NALP3, caspase-1, IL-1β, TNF-α e iNOS na musculatura cardíaca. Por outro lado, apresentam redução na expressão de RNAm de TLR4, TLR5, TLR9, TRIF, IL-6 e IL12p35 quando comparado aos demais grupos de animais infectados com cepas que apresentam menor virulência e patogenicidade. Ainda foi observado uma correlação negativa entre a expressão de RNAm de TLR4 e IL-6 e a quantidade de formas tripomastigotas sanguíneas. Os dados sugerem que as cepas Y e Colombiana, virulentas e patogênicas, induzem a inibição na expressão de RNAm de TLR4, TLR5, TLR9 e TRIF e levam ao aumento na expressão de RNAm de NALP3, caspase-1, IL-1β, TNF-α e iNOS na musculatura cardíaca podendo contribuir para a susceptibilidade a infecção.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/22860
Aparece nas coleções:PPGBP - Mestrado em Biologia Parasitária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TamyresBernadeteDantasQueiroga_DISSERT.pdf2,09 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.