Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22887
Título: Cave-dwelling bats in the Caatinga: landscape and cave effects on community structure in Rio Grande do Norte, Brazil
Autor(es): Mena, Juan Carlos Vargas
Palavras-chave: Caves;Cave-dwelling bats;cave size;landscape;Caatinga;Rio Grande do Norte.
Data do documento: 19-Fev-2016
Citação: MENA, Juan Carlos Vargas. Cave-dwelling bats in the Caatinga: landscape and cave effects on community structure in Rio Grande do Norte, Brazil. 2016. 81f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: As cavernas são abrigos importantes para morcegos em áreas cársticas e desempenham um papel fundamental para a proteção de suas populações. Vários fatores internos podem influenciar a seleção de uma caverna pelos morcegos, como o tamanho da caverna e as características microclimáticas dos substratos internos, que influenciam na riqueza e estrutura das comunidades de morcegos. Porém, os efeitos de fatores externos, como componentes da paisagem e atividades antrópicas em torno da caverna, são pouco conhecidos. Os morcegos do Rio Grande do Norte (RN) são pouco estudados apesar do estado conter mais de 900 cavernas, principalmente na Caatinga, que podem fornecer abrigos importantes para as populações locais. Os objetivos desta dissertação são 1) determinar a composição das comunidades de morcegos cavernícolas e suas colônias no estado pela primeira vez; e 2) avaliar os efeitos da estrutura da paisagem e da caverna sobre a riqueza e a estrutura das comunidades em três áreas cársticas na Caatinga do RN. Em treze cavernas, durante 37 noites, foram capturadas 16 espécies pertencentes às famílias Phyllostomidae (12), Emballonuridae (1), Mormoopidae (1), Furipteridae (1), Natalidae (1). A maior colônia achada pertenceu a Pteronotus gymnonotus (> 10 000 indiv.) e a Phyllostomus discolor (101-1000 indiv.). A Furna Feia abrigou a maior riqueza (10 spp) e foi a maior caverna pesquisada. Usando essas 13 cavernas, em um buffer de 1 km de raio, foram extraídas 14 variáveis (espaciais, antropogênicas, dimensões da caverna e ambientais) e foi realizada uma análise com modelos simples e múltiplos. Observamos que as comunidades de morcegos foram afetadas por 1) a posição espacial das cavernas (ou sistema de cavernas) dentro da paisagem estudada 2) a presença de humanos e populações de animais domésticos e 3) variáveis ambientais, de forma menos intensa. Os efeitos dessas variáveis refletiram na presença de espécies encontradas apenas em cavernas específicas e na abundância (tamanhos de colônias) de espécies compartilhadas entre as áreas cársticas. Por outro lado, verificou-se que a riqueza foi explicada pelo tamanho da caverna. Os resultados deste estudo nos levam a identificar quatro cavernas (Furna do Urubu, Gruta da Carrapateira, Caverna Boa, Gruta dos Três Lagos) como prioridade de conservação devido à sua relevância quiropterológica por possuírem grandes colônias, alta riqueza e abrigos importantes para espécies ameaçadas de extinção.
metadata.dc.description.resumo: As cavernas são abrigos importantes para morcegos em áreas cársticas e desempenham um papel fundamental para a proteção de suas populações. Vários fatores internos podem influenciar a seleção de uma caverna pelos morcegos, como o tamanho da caverna e as características microclimáticas dos substratos internos, que influenciam na riqueza e estrutura das comunidades de morcegos. Porém, os efeitos de fatores externos, como componentes da paisagem e atividades antrópicas em torno da caverna, são pouco conhecidos. Os morcegos do Rio Grande do Norte (RN) são pouco estudados apesar do estado conter mais de 900 cavernas, principalmente na Caatinga, que podem fornecer abrigos importantes para as populações locais. Os objetivos desta dissertação são 1) determinar a composição das comunidades de morcegos cavernícolas e suas colônias no estado pela primeira vez; e 2) avaliar os efeitos da estrutura da paisagem e da caverna sobre a riqueza e a estrutura das comunidades em três áreas cársticas na Caatinga do RN. Em treze cavernas, durante 37 noites, foram capturadas 16 espécies pertencentes às famílias Phyllostomidae (12), Emballonuridae (1), Mormoopidae (1), Furipteridae (1), Natalidae (1). A maior colônia achada pertenceu a Pteronotus gymnonotus (> 10 000 indiv.) e a Phyllostomus discolor (101-1000 indiv.). A Furna Feia abrigou a maior riqueza (10 spp) e foi a maior caverna pesquisada. Usando essas 13 cavernas, em um buffer de 1 km de raio, foram extraídas 14 variáveis (espaciais, antropogênicas, dimensões da caverna e ambientais) e foi realizada uma análise com modelos simples e múltiplos. Observamos que as comunidades de morcegos foram afetadas por 1) a posição espacial das cavernas (ou sistema de cavernas) dentro da paisagem estudada 2) a presença de humanos e populações de animais domésticos e 3) variáveis ambientais, de forma menos intensa. Os efeitos dessas variáveis refletiram na presença de espécies encontradas apenas em cavernas específicas e na abundância (tamanhos de colônias) de espécies compartilhadas entre as áreas cársticas. Por outro lado, verificou-se que a riqueza foi explicada pelo tamanho da caverna. Os resultados deste estudo nos levam a identificar quatro cavernas (Furna do Urubu, Gruta da Carrapateira, Caverna Boa, Gruta dos Três Lagos) como prioridade de conservação devido à sua relevância quiropterológica por possuírem grandes colônias, alta riqueza e abrigos importantes para espécies ameaçadas de extinção.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/22887
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Ecologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
JuanCarlosVargasMena_DISSERT.pdf4,93 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.