Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22962
Título: Lesões orais com potencial de malignização: análise clínica e morfológica de 205 casos
Autor(es): Silveira, Ericka Janine Dantas da
Lopes, Maria Fernanda Fernandes
Silva, Leonardo Miguel Madeira
Ribeiro, Betania Fachetti
Lima, Kenio Costa de
Queiroz, Lelia Maria Guedes
Palavras-chave: Lesões orais potencialmente malignas;Leucoplasia;Eritroplasia;Queilite actínica
Data do documento: 2009
Citação: Silveira, Éricka Janine Dantas da et al. Lesões orais com potencial de Malignização: análise clínica e morfológica de 205 casos. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 45, n. 3, p. 231-236, 2009.
metadata.dc.description.resumo: OBJETIVOS: O objetivo desta pesquisa foi realizar uma análise clínica e morfológica em lesões orais com potencial de malignização. MATERIAL E MÉTODO: Os dados clínicos e morfológicos referentes a tais lesões foram obtidos a partir das fichas clínicas e dos laudos histopatológicos, respectivamente. RESULTADOS: Dos 205 casos analisados, a lesão mais prevalente foi a leucoplasia (70,7%), seguida da queilite actínica (16,1%), eritroplasia (9,8%) e eritroleucoplasia (3,4%). Verificou-se uma associação significativa entre o sexo e as lesões (p < 0,001), sendo o sexo feminino mais prevalente nas leucoplasias e eritroplasias. A raça branca foi mais acometida em todas as lesões. Quanto à localização anatômica, o rebordo alveolar prevaleceu na leucoplasia (21%), na eritroplasia e eritroleucoplasia, o palato foi mais acometido com 47,4% e 57,1%, respectivamente. Com relação à idade, não houve diferença significativa entre as lesões (p > 0,05), sendo mais frequentes nas quinta, sexta e sétima décadas de vida. Observou-se que, na maioria dos casos de eritroplasias e eritroleucoplasias, os diagnósticos clínicos foram incompatíveis com o morfológico. Verificou-se associação significativa entre transformação maligna e lesões (p < 0,001), pois a eritroplasia apresentou uma taxa de malignização de 20%, enquanto na leucoplasia o índice foi de 2,1%. CONCLUSÃO: A prevalência das lesões orais com potencial de malignização foi semelhante ao encontrado na literatura, mas com algumas diferenças em relação ao perfil epidemiológico das mesmas, ressaltando-se que estas entidades merecem uma atenção especial por parte do clínico, especialmente as eritroplasias, que apresentaram um elevado percentual de malignização e o maior índice de equívocos no diagnóstico clínico.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/22962
Aparece nas coleções:CCS - DOD - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Lesões orais com potencial de malignização_2009.pdfhttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1676-24442009000300008&script=sci_abstract&tlng=pt144,17 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.