Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/23005
Título: O manejo florestal comunitário da caatinga em projetos de assentamentos rurais na Paraíba
Autor(es): Garlet, Alencar
Palavras-chave: Lenha;Reforma agrária;Agricultura familiar;Renda
Data do documento: 17-Dez-2015
Citação: GARLET, Alencar. O manejo florestal comunitário da caatinga em projetos de assentamentos rurais na Paraíba. 2015. 68f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: The study aimed to evaluate the results of community forest management of the Caatinga in the state of Paraiba. Interviews were conducted with 80 farmers in nine projects of settlements. The results indicate that there is lack of productive activities in the settlements, and that farmers depend on social programs resources, pensions and labor out of the settlement to compose the family income. Agriculture occupies between 2.1% and 10.4% of the settlements area, while extensive livestock farming uses more than 90% of the total area, with cattle access to the forest managed areas, legal reserve and preservation areas. The forest management proved to be an activity that generates jobs and income for the settlers. The amounts received by households, ranged from R $ 500.00 to 12,150.00 depending on the timber stock and the organization for exploration. In each settlement farmers have defined its own form of organization to forestry work. While in PA Brandões the activity was totally individualized, in the PA Serra da Cruz the activity was collective and, in other settlements the logging operation was individual but the sale was collective. The forestry work pays the settlers better than working outside the settlement, because the income from the exploitation of wood was R $ 68.00 per day, while the daily rate on farms in the region ranged from R$ 35.00 to 40.00. The main difficulties of the forest management were the lack of buyers and the low price of firewood. The results indicate that the implementation of community forest management ensures the maintenance of forest cover in 61% of the area of the settlements. The expanding of the environmental enforcement, the bureaucracy reduction and the continuity rural technical assistance can stimulate the practice of community forest management.
metadata.dc.description.resumo: O trabalho teve por objetivo avaliar os resultados do manejo florestal comunitário da Caatinga no estado da Paraíba. Por meio da aplicação de questionários semiestruturados, foram entrevistados 80 agricultores em nove projetos de assentamentos. Os resultados indicam que há carência de atividades produtivas nos assentamentos, e que os agricultores dependem de recursos de programas sociais, aposentadorias e do trabalho fora do assentamento para comporem a renda familiar. A agricultura ocupa entre 2,1% e 10,4% da área dos assentamentos, enquanto a pecuária extensiva usa mais de 90% da área total, havendo acesso dos rebanhos às áreas manejadas, Reserva Legal e APP. O manejo demonstrou ser uma atividade geradora de trabalho e renda para os assentados. Os valores anuais recebidos pelas famílias variaram de R$ 500,00 a R$ 12.150,00, em função do estoque madeireiro e da organização para exploração. Em cada assentamento os agricultores definiram uma forma própria de organização do trabalho florestal, sendo que, nos PA Brandões a atividade foi totalmente individualizada, no PA Serra da Cruz a atividade foi coletiva, e nos demais locais a exploração foi individual e a venda coletiva. O trabalho florestal remunerou o agricultor melhor do que o trabalho fora do assentamento, pois a renda obtida na exploração da lenha foi de R$ 68,00 por dia, enquanto o valor da diária em fazendas da região variou de R$ 35,00 a 40,00. As principais dificuldades enfrentadas foram a falta de compradores e o baixo preço da lenha. A implantação do manejo garantiu a manutenção da cobertura florestal em 61% da área dos assentamentos. A ampliação da fiscalização ambiental, a redução da burocracia e a continuidade da assistência técnica podem estimular a prática do manejo florestal comunitário.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/23005
Aparece nas coleções:PPGCF - Mestrado em Ciências Florestais

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
AlencarGarlet_DISSERT..pdf2,12 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.