Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/23407
Title: O déficit democrático na integração regional latino-americana
Authors: Ramos, Fabielly Bellagamba
Keywords: Iniciativas de integração regional latino-americana;Hegemonia;Democracia
Issue Date: 24-Feb-2017
Citation: RAMOS, Fabielly Bellagamba. O déficit democrático na integração regional latino-americana. 2017. 159f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: As iniciativas de integração regional latino-americanas podem ser classificadas em duas categorias: o regionalismo hegemônico e o regionalismo contra-hegemônico. O regionalismo hegemônico leva essa terminologia devido à hegemonia dos Estados Unidos da América (EUA) nas iniciativas regionais. Algumas iniciativas hegemônicas são: a Área de Livre Comércio das Américas (ALCA) e a Aliança do Pacífico (AP). O regionalismo contrahegemônico caracteriza-se pela criação de iniciativas com menor ou sem interferência estadunidense, tanto no âmbito político, quanto no âmbito econômico. As iniciativas contrahegemônicas são: a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA), a União de Nações Sul-americanas (UNASUL) e a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC). O Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) é uma iniciativa regional híbrida, que não se adequa nem ao regionalismo hegemônico e nem ao contra-hegemônico. Dentro da ALBA, do MERCOSUL e da UNASUL foram criados, respectivamente, o Conselho de Movimentos Sociais da ALBA (CMS), a Unidade de Apoio à Participação Social (UPS) e o Foro de Participação Cidadã da UNASUL (FPC), para que a democracia dos povos seja consolidada e aprofundada. No âmbito da CELAC, em protesto pela ausência da participação cidadã, realizou-se o Encontro Social pela Pátria Grande. Além das três propostas “participativas”, analisam-se também os quatro parlamentos regionais latino-americanos: o Parlamento Andino (Parlandino), o Parlamento Centro-americano (Parlacen), o Parlamento do MERCOSUL (Parlasul) e o Parlamento Latino-americano (Parlatino). Apesar de surgirem com tal finalidade, pairam dúvidas se as propostas e os parlamentos são democráticos, indagando-se: qual o espaço da democracia na integração regional latino-americana?. Este trabalho visa compreender as iniciativas regionais latino-americanas, no que tange à democracia. Os objetivos específicos são verificar o andamento das ações dentro das propostas CMS, UPS e FPC (cúpulas, fóruns, oficinas) e dos parlamentos regionais e conectar as temáticas de estudo da democracia e do regionalismo latino-americano. A metodologia escolhida é a abordagem neogramsciana de Relações Internacionais (RI), pertencente à tradição marxista, que pensa as RI e, especificamente, a integração regional como resultado das relações de força entre as classes sociais em escala planetária. As técnicas de pesquisa consistem na realização de entrevistas, na busca nos sítios eletrônicos e na participação em atividades complementares. Ao fim do estudo, comprovou-se a hipótese sugerida de que as propostas “participativas” e os parlamentos regionais não contribuem de modo significativo com a democratização da integração regional latino-americana.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/23407
Appears in Collections:PPGCS - Mestrado em Ciências Sociais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DéficitDemocráticoIntegração_Ramos_2017.pdf4,92 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.