Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/24440
Título: Atividade imunoestimulante da β-1,3 glucana em candidíase vulvovaginal experimental
Título(s) alternativo(s): Immunostimulant activity of β 1-3, glucana in experimental vulvovaginal candidiasis
Autor(es): Lima, Aleida Maria da Silva
Palavras-chave: β-Glucana;Candida albicans;Candidíase vulvovaginal
Data do documento: 27-Fev-2012
Citação: LIMA, Aleida Maria da Silva. Atividade imunoestimulante da β-1,3 glucana em candidíase vulvovaginal experimental. 2012. 62f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.
Resumo: Vulvovaginal candidiasis (VVC) is an inflammatory disease, on vaginal tissue, caused mainly by pathogenic yeasts of Candida albicans. And actually, VVC is currently a significant problem in women's health. The β-glucans are structural polysaccharides of the cell wall of the fungi Saccharomyces cerevisiae and there are several reports that demonstrate the immunomodulatory effect this structure in infections of bacterial, viral, fungal and parasitic. Knowing this, the present study evaluated whether β- glucan has immunomodulatory activity in mice with vulvovaginal candidiasis under the influence of estrogen. The animals were inoculated with C. albicans, intravaginally, and treated with glucan, vaginally and intraperitoneally, and the control group animals received saline, intraperitoneally. The animals treated with intraperitoneal and vaginal glucan showed smaller number of the CFU, in the vaginal fluid, compared with control animals. However the results more marked was of the intraperitonel, confirmed with histopathological, but in neither case the results were statistically significant. Relative to influx of the polymorphonuclear neutrophilis (PMNs), the groups treated with glucan showed greater infiltration. Moreover, it was observed that animals treated with glucan showed a higher quantity of IFN-γ, in vaginal washed, compared with the control. The data suggest that glucan may have an important activity in protection against C. albicans.
metadata.dc.description.resumo: A candisíase vulvovaginal (CVV) é uma doença inflamatória, no tecido vaginal, causada principalmente por leveduras patogênicas de Candida albicans. E atualmente CVV é um problema significativo na saúde da mulher. As β glucanas são polissacarídeos estruturais da parede celular da levedura Saccharomyces cerevisiae e existem vários relatos que demonstram o efeito imunomodulador desta estrutura em infecções bacterianas, virais, fúngicas e parasitárias. Sabendo disso, o presente estudo avaliou se a β-glucana tem atividade imunomoduladora em camundongos com candidíase vulvovaginal sob a influência do estrógeno. Os animais foram inoculados com C. albicans, por via intravaginal, e tratados com glucana, vaginal e intraperitonealmente, e os animais do grupo de controle receberam por via intraperitoneal, solução salina. Os animais tratados com glucana intraperitoneal e vaginal mostraram menor número de UFC, no fluido vaginal, em comparação com animais controles. No entanto, os resultados mais marcantes foram do intraperitoneal, confirmando com o histopatológico, porém sem diferença estatisticamente significante. Em relação ao influxo dos neutrófilos polimorfonucleares (PMNs), os grupos tratados com glucana mostraram maior infiltração desses. Além disso, observou-se que os animais tratados com glucana apresentaram uma maior quantidade de IFN-γ, no lavado vaginal, em comparação com o controle. Os dados sugerem que glucana pode ter uma atividade importante na proteção contra C. albicans.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/24440
Aparece nas coleções:PPGCF - Mestrado em Ciências Farmacêuticas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
AleidaMariaDaSilvaLima_DISSERT.pdf1,39 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.