Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/24618
Title: Zica vírus x Anomalias congênitas: da audiência presumida aos dados reais da distribuição temporo-espacial no Rio Grande do Norte
Authors: Lima Júnior, Francisco Assis Vieira
Keywords: Epidemiologia;Anormalidades congênitas;Microcefalia;Zica vírus;Análise espacial
Issue Date: 20-Nov-2017
Citation: LIMA JÚNIOR, Francisco Assis Vieira. Zica vírus x Anomalias congênitas: da audiência presumida aos dados reais da distribuição temporo-espacial no Rio Grande do Norte. 2017. 23f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Abstract: Introduction: although the media coverage provides certainty of a relationship between the Zika virus and microcephaly in newborns, which is an increase in the grouping of congenital anomalies in the Brazilian Northeast, it is suggested that the incidence of congenital anomaly in Rio Grande do Sul North isn’t different when compared to its spatial distribution before and after Zika, because factors such as environmental, socioeconomic and biological can contribute to the permanence of a high incidence in the state. The objective of the present study is to analyze the temporal-spatial distribution of the incidence rates of congenital anomalies in Rio Grande do Norte, before and after the epidemic virus Zika through a geostatistical analysis and correlation with the social determinants in health. Methods: this is an ecological that evaluated the reported cases of congenital anomalies in Rio Grande do Norte before and after the Zika epidemy through a spatial analysis, whose data were grouped in SPSS 13.0 and analyzed in Terraview version 4.2.2. Results: the rate of congenital anomalies in the pre-Zika period was 11.83 cases / 1.000 live births and in the post Zika period it increased to 14.24 cases/1.000 live births, a result of the increase in reported cases. It was visualized that the Agreste Potiguar mesoregion is the one with the highest number of reported cases of Zika, as it is the region that concentrates the largest number of cases of congenital anomalies in the period studied, being correlated with the region with great social dichotomies. Conclusion: the present study revealed that congenital anomalies were always present in the state and no other action was raised with such importance as in the Zika period. Strategies to minimize cases of congenital anomalies through family planning actions, maternal age control, vaccination programs, control in the sale of abortive drugs, drug, alcohol and tobacco use can easily be developed and gain media adherence, fact which is not always perceived, the media having given a focus to the increase of the cases of notification without seeking to understand the process.
Portuguese Abstract: Introdução: apesar da cobertura midiática trazer a certeza de uma relação entre o Vírus da Zica e microcefalia em recém-nascidos, configurando um aumento no agrupamento das anomalias congênitas no Nordeste brasileiro, sugere-se que a incidência de anomalia congênitas no Rio Grande do Norte não seja diferente quando comparada a sua distribuição espacial antes e após Zica, isso porque fatores como os ambientais, socioeconômicos e biológicos podem contribuir para a permanência de uma alta incidência no estado. Objetivo: analisar a distribuição temporo-espacial das taxas de incidência de anomalias congênitas no Rio Grande do Norte, antes e após a epidemia vírus da zica através de uma análise geoestatística e correlação com os determinantes sociais em saúde Métodos: trata-se de um estudo epidemiológico do tipo ecológico, retrospectivo que avaliou os casos notificados de anomalias congênitas no Rio Grande do Norte agrupando em dois biênios (2005-2006 e 2015-2016), configurando períodos antes e após a epidemia de zica através de uma análise espacial, cujos dados obtidos do DATASUS e da Secretaria Estadual de Saúde, foram agrupados no SPSS 13.0 e analisados no Terraview versão 4.2.2. Resultados: a taxa de anomalias congênitas no período pré-Zica foi de 11,83 casos/1.000 nascidos vivos e no período pós-Zica aumentou para 14,24 casos/1.000 nascidos vivos, resultado do aumento dos casos notificados. Foi observada que a mesorregião Agreste Potiguar é a que possui maior número de casos notificados de Zica assim como é a região que concentra maior número de casos de anomalias congênitas no período estudado, estando correlacionada com região com grandes dicotomias sociais. Conclusões: o presente parece revelar que as anomalias congênitas sempre estiveram presentes no estado e nenhuma outra ação foi suscitada com tamanha importância como no período Zica. Estratégias para minimizar os casos de anomalias congênitas através de ações de planejamento familiar, controle da idade materna, programas de vacinação, controle na venda de medicamentos abortivos, combate ao consumo de drogas, álcool e fumo podem facilmente ser desenvolvida e ganhar adesão midiática, fato que nem sempre é percebido, tendo a mídia dado um enfoque ao aumento dos casos de notificação sem buscar entender o processo.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/24618
Appears in Collections:PPGSCOL/FACISA - Mestrado em Saúde Coletiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FranciscoAssisVieiraLimaJunior_DISSERT.pdf643,03 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.