Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/25545
Title: Think Olga: interseccionalidade, comunicação midiática no facebook e a apropriação da identificação de gênero no sujeito do feminismo
Authors: Bezerra, Mariana Lemos de Morais
Keywords: Estudos da mídia;Estudos culturais;Feminismo interseccional;Facebook
Issue Date: 29-May-2018
Citation: BEZERRA, Mariana Lemos de Morais. Think Olga: interseccionalidade, comunicação midiática no facebook e a apropriação da identificação de gênero no sujeito do feminismo. 2018. 212f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Mídia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.
Abstract: The purpose of this paper is to analyze if the contents present in the Facebook fanpage of Think Olga propagate the concept of gender identification advocated by intersectional feminism. This problem is especially involved in the fields of gender and media. It starts from the trajectory of feminist studies focusing on the Anglo-American context, especially from Cultural Studies, since in this theoretical current are the first studies relating media and feminism. The approach used is the intersection with the constructional bias of Avtar Brah (2006, 2007), since it allows to enlarge and make more complex the look on the production of inequalities and differences in their specific contexts, contributing to an analysis more in keeping with reality. For the comprehension of the publications, we use the Content Analysis of Laurence Bardin (1977). As a result, the research data, explored from the markers of intersectionality, race, gender identification and class, form a complementarity relationship, evidencing the relevance of the intersectional approach as an articulator of “differences” categories.
Portuguese Abstract: O objetivo deste trabalho é analisar se os conteúdos presentes na fanpage do Facebook da Think Olga propagam o conceito de identificação de gênero defendido pelo feminismo interseccional. Essa problemática tem envolvimento sobretudo nos campos de gênero e mídia. Incialmente, parte-se da trajetória dos estudos feministas focando no contexto anglo-americano, especialmente dos Estudos Culturais, já que nessa corrente teórica se encontram os primeiros estudos relacionando mídia e feminismo. A abordagem utilizada é a interseccional com viés construcionista de Avtar Brah (2006, 2007), já que permite ampliar e tornar mais complexo o olhar sobre a produção de desigualdades e diferenças em seus contextos específicos, contribuindo para uma análise mais condizente com a realidade. Para a compreensão das publicações, empregou-se a Análise de Conteúdo de Laurence Bardin (1977). Como resultado, observa-se que os dados da pesquisa, explorados a partir dos marcadores de interseccionalidade raça, identificação de gênero e classe, formam uma relação de complementaridade, que evidenciam a relevância da abordagem interseccional enquanto articuladora de categorias de “diferenças”.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/25545
Appears in Collections:PPGEM - Mestrado em Estudos da Mídia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MarianaLemosDeMoraisBezerra_DISSERT.pdf5,73 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.