Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26948
Title: Aspectos contextuais associados à mobilidade e espaço de vida em idosos comunitários: revisão sistemática e resultados do International Mobility in Aging Study (IMIAS)
Authors: Britto, Heloisa Maria Jácome de Sousa
Keywords: Idoso;Limitação de mobilidade;Características culturais;Condições sociais;Serviços de saúde para idosos;Classificação Internacional de Funcionalidade;Incapacidade e saúde
Issue Date: 14-Dec-2018
Citation: BRITTO, Heloisa Maria Jácome de Sousa. Aspectos contextuais associados à mobilidade e espaço de vida em idosos comunitários: revisão sistemática e resultados do International Mobility in Aging Study (IMIAS). 2018. 170f. Tese (Doutorado em Fisioterapia) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.
Portuguese Abstract: Introdução: Mobilidade em idosos é a capacidade de mover-se desde ambientes domiciliares até além da comunidade onde vivem. A preservação da mobilidade é considerada fundamental para o envelhecimento ativo, sendo intimamente ligada ao estado de saude e à qualidade de vida. A restrição de Mobilidade no Espaço de Vida (MEV) de idosos comunitários pode predizer a necessidade de cuidados de saude no futuro. Fatores contextuais como, história de vida, aspectos sociais, ambientais e pessoais, são considerados determinantes para a manutenção do espaço de vida em idosos. Objetivos: Conhecer por meio de uma revisão sistemática os aspectos contextuais que interferem ou modificam a MEV, e identificar as associações entre Life-Space Assessment (LSA) e as adversidades do curso da vida de idosos em cinco populações com diferentes contextos epidemiológicos. Métodos: Uma revisão sistemática foi realizada de acordo com o protocolo PROSPERO CRD42017064552, publicado anteriormente. Um estudo transversal aninhado a uma coorte, foi composto por uma amostra de 1995 idosos residentes em 5 locais com distintos perfis epidemiológicos (Ki32ngston e Saint Hyacinthe no Canadá, Tirana na Albânia, Manizales na Colômbia e NatalRN no Brasil). A análise dos dados foi feita usando o SPSS 20.0; foram feitas análise bivariadas e regressão linear múltipla entre o escore total do LSA e as variáveis independentes, o intervalo de confiança foi considerado 95% e o pvalor menor que 0,05 foi considerado significante. Resultados: A revisão sistemática identificou 3484 estudos, apenas 41 foram considerados pelos critérios de inclusão, e classificados com melhor qualidade metodológica. A literatura destaca associações entre mobilidade no espaço de vida e fatores contextuais ambientais (produtos/ tecnologia e características físicas do ambiente) e pessoais (características sociodemográficas, experiência de vida, características psicológicas individuais, percepção de saude e qualidade de vida e índice de mortalidade). O estudo transversal identificou que a mobilidade no espaço de vida foi significantemente relacionada a aspectos contextuais, como: suporte social (β.= 0,041; p= 0,035), barreiras comunitárias (β.= -0,128; p= 0,0001), percepção de segurança (β.= 0,093; p= 0,0001) e capital social (β.= 0,045; p = 0,026). Além disso, destacamos que o escore total do LSA está inversamente relacionado a adversidades na vida adulta (β.= -0,114; p= 0,0001) e diretamente relacionada a adversidades na velhice (β.= 0,073; p= 0,001), mas não houve associação com adversidades na infância (adversidade econômica: p= 0,607 e adversidade social: p= 0,899). Conclusão: Baixos índices de mobilidade no espaço de vida estão relacionados com fatores contextuais ambientais e pessoais. Identificamos que a mobilidade no espaço de vida é influenciada por adversidades na vida adulta e velhice, mas não por adversidades na infância. Fatores contextuais positivos como suporte social e ambiente favorável, assim como adversidades na velhice (renda insuficiente e viver sozinho), podem ser aspectos motivadores de melhor mobilidade no espaço de vida. As adversidades no curso da vida adulta como baixa escolaridade e ocupação manual semiqualificada são preditores de restrição de mobilidade em idosos.
Abstract: Introduction: Mobility in the elderly is the ability to move from home environment to beyond the community where they live. Preservation of mobility is considered essential for active aging, being closely linked to health status and quality of life. The Life-space Mobility (LSM) restriction of community-dwelling elderly can predict the need for future health care. Contextual factors such as life history, social, environmental and personal aspects are considered determinants for the maintenance of the living space in the elderly. Objectives: To know through a systematic review about contextual aspects that interfere or modify the LSM, and to identify the associations between Life-Space Assessment (LSA) and Life course adversities in old age in five populations with different epidemiological contexts. Methods: A systematic review was performed according to PROSPERO protocol CRD42017064552, previously published. A cross-sectional study, lined up to cohort, was conducted with a sample of 1995 elderly individuals living in 5 distinct sites with different epidemiological profiles (Kingston and Saint Hyacinthe in Canada, Tirana in Albania, Manizales in Colombia and Natal-RN in Brazil). The Life Space Assessment (LSA) were analyzed through multivariate analysis (multiple linear regression), adjusted for variables of physical health, mental health, social support and adversities in the course of life. Data were analyzed using SPSS 20.0; bivariate analyses and multiple linear regression between LSA total score and independents variables were performed, the confidence intervals was considerate 95% and the p-value of less than 0.05 was considered statistically significant. Results: The systematic review identified 3484 studies, only 41 were considered by inclusion criteria, and classified with better methodological quality. The literature highlights associations between life space mobility and environmental contextual factors (products / technology and physical characteristics of the environment) and personal (sociodemographic characteristics, life experience, individual psychological characteristics, health and quality of life perception, and mortality index). The cross-sectional study identified that life-space mobility was significantly related to contextual aspects, such as: social support (β = 0.041, pvalue = 0.035), community barriers (β = -0,128, p-value = 0.000), perception of safety (β = 0.093, p-value = 0.000) and social capital (β = 0.045, p-value = 0.026). In addition, we highlight that the total LSA score is inversely related to adulthood adversities (β = -0.114, p-value= 0.000) and directly related to old age adversities (β = 0.073, p-value= 0.001), but there was no association with childhood adversities (economic adversities: p-value = 0.607 and social adversities: p-value = 0.899). Conclusion: Low life space mobility rates are related to environmental and personal contextual factors. We identified that life space mobility is influenced by adulthood and old age adversities, but not by childhood adversities. Positive contextual factors such as social support and a favorable environment, as well as old age adversities (insufficient income and living alone) can be motivating aspects of better life space mobility. The adversities in adulthood as low schooling and semi-skilled manual occupation are predictors of mobility restriction in older people.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26948
Appears in Collections:PPGFS - Doutorado em Fisioterapia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Aspectoscontextuaisassociados_Britto_2018.pdf1,96 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.