Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/31261
Title: Análise do frequency-following response em crianças com sífilis congênita
Authors: Lemos, Fabiana Aparecida
Keywords: Sífilis;Audição;Potencial evocado auditivo;Fala;Eletrofisiologia
Issue Date: 1-Oct-2020
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: LEMOS, Fabiana Aparecida. Análise do frequency-following response em crianças com sífilis congênita. 2020. 73f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) - Centro de Ciências Da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2020.
Portuguese Abstract: Introdução: A sífilis congênita é considerada um indicador de risco para a perda auditiva em crianças, porém ainda não se sabe os reais impactos causados pela sífilis nessas crianças ao longo do seu desenvolvimento geral, incluindo a audição. Objetivos: Estudo1: Verificar os parâmetros utilizados para a aquisição da resposta do frequency-following response (FFR) em crianças até 24 meses de idade por meio de revisão sistemática; Estudo 2: Analisar os resultados do frequency-following response em crianças com sífilis congênita. Método: No estudo 1: Registrou-se o protocolo no PROSPERO, seguindo as recomendações do PRISMA. A pesquisa foi realizada por dois revisores independentes em seis bases de dados (LILACS, Livivo, psycINFO, PubMed, Scopus, Web of Science); literatura cinzenta (Google Scholar, Open Gray, Proquest) e pesquisas manuais em referências bibliográficas. Já no estudo 2 a amostra está constituída por nove crianças com sífilis congênita (GE) e cinco crianças sem sífilis (GC), com idade entre 12 e 24 meses. Todos os participantes apresentam respostas no Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico a 80 dB nNA e emissões otoacústicas evocadas transientes presentes. Realizaram o teste laboratorial FTA-ABS a partir dos 18 meses e o FFR com estímulo /da/, com duração de 170 ms, velocidade de 3,70/s, na intensidade de 80dBnNA em ambas as orelhas. Resultados: No estudo 1: 459 estudos foram identificados. Após a leitura do texto completo, foram incluídos 15 estudos. Sete estudos foram classificados como baixo risco de viés, sete como risco moderado e um como alto risco. No estudo 2: Não houve diferença entre os grupos estudados nas análises de parâmetros do domínio do tempo e da frequência na resposta do FFR. Conclusão: Estudo 1: Existe um consenso no uso de alguns parâmetros de aquisição do FFR com estímulo de fala, como a montagem vertical dos eletrodos, a polaridade alternada, a taxa de amostragem de 20.000 Hz, o estímulo sílaba /da/ sintetizada e estímulo de 40 ms de duração. Apesar desses parâmetros terem um consenso os resultados mostram a falta de um protocolo único estabelecido para a aquisição de dados para a coleta do frequency-following response com estímulo de fala em crianças na faixa etária investigada. Estudo 2: Crianças de 12 a 24 meses com notificação de sífilis congênita ao nascimento apresentam mesmo padrão de resposta neural da via auditiva central avaliada pelo FFR do que crianças sem sífilis congênita.
Abstract: Introduction: Congenital syphilis is considered a risk indicator for hearing loss in children, but the real impacts caused by syphilis on these children over their general development, including hearing, are still unknown. Objectives: Study1: To verify the parameters used to acquire the frequency-following response (FFR) response in children up to 24 months of age through systematic review; Study 2: Analyze the results of the frequency-following response in children with congenital syphilis. Method: In study 1: The protocol was registered in PROSPERO, following the recommendations of PRISMA. The research was carried out by two independent reviewers in six databases (LILACS, Livivo, psycINFO, PubMed, Scopus, Web of Science); gray literature (Google Scholar, Open Gray, Proquest) and manual searches on bibliographic references. In study 2, the sample consists of nine children with congenital syphilis (EG) and five children without syphilis (CG), aged between 12 and 24 months. All participants present responses in the Brainstem Auditory Evoked Potential at 80 dB nNA and transient evoked otoacoustic emissions present. They performed the FTA-ABS laboratory test from the age of 18 months and the FFR with stimulus / da /, with a duration of 170 ms, speed of 3.70 / s, at an intensity of 80dBnNA in both ears. Results: In study 1: 459 studies were identified. After reading the full text, 15 studies were included. Seven studies were classified as low risk of bias, seven as moderate risk and one as high risk. In study 2: There was no difference between the groups studied in the analysis of parameters of the time and frequency domain in the FFR response. Conclusion: Study 1: There is a consensus in the use of some parameters of acquisition of the FFR with speech stimulus, such as vertical mounting of electrodes, alternating polarity, the sampling rate of 20,000 Hz, the syllable / da / synthesized stimulus and the 40 ms duration stimulus. Although these parameters have a consensus, the results show the lack of a single protocol established for the acquisition of data for the collection of the frequency-following response with speech stimulus in children in the investigated age group. Study 2: Children aged 12 to 24 months with notification of congenital syphilis at birth have the same pattern of central auditory neural response assessed by the FFR as children without congenital syphilis.
URI: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/31261
Embargoed until: 2022-11-12
Appears in Collections:PPGFON - Mestrado em Fonoaudiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Analisefrequencyfollowing_Lemos_2020.pdf
Restricted Access Until 2022-11-11
992,01 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.