Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13749
Título: O jeito nordestino de ser globalizado
Autor(es): Nepomuceno, Cristiane Maria
Palavras-chave: Cultura popular;Carnaval;Nordeste;Festas populares;Resistência cultural;Popular culture;Carnival;Northeast;A popular festival;Cultural resistence
Data do documento: 21-Mar-2005
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: NEPOMUCENO, Cristiane Maria. O jeito nordestino de ser globalizado. 2005. 191 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional; Cultura e Representações) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005.
Resumo: This work discusses the impacts of the globalization in the Brazilian northeast culture, specifically in the popular field. The background of theses reflections is the carnival festivities in Recife-PE. In this context, attempts to changes as well as resistance to them maintaining the cultural values and the popular manifestations take a new dimension, presenting different ways of being nordestino. The option for the context of the carnival festivities is due to its significance to the people of this place, particularly as it is a space in which people represent themselves. The work presents a version of the history of carnival in Recife, identifies some manifestations that comprise it, analyzes its changes and shows the process of valuing the local culture in the latest years of the 20th century. The research also reveals how the popular culture assumes a functional and dynamic character where the themes of the popular traditions are being reworked. This process allows not only the survival of the local culture, but also the resistance against the capitalist project to construct a global culture and its uniform character. Even though the carnival festivity has become a mega show, composing a market design, it is still a space to construct differences and see the other. Lastly, for the people of that region, it is a space of fighting for a place in the international panorama
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho discute os impactos da globalização na cultura nordestina, especificamente no universo da cultura popular. O pano de fundo dessas reflexões é os festejos carnavalescos da cidade do Recife-PE, pois nesse contexto se acolhe o novo, mas também se resiste às mudanças, preserva-se os valores culturais e as manifestações populares tomam uma nova dimensão, consubstanciando-se em novas formas de ser nordestino. A opção pelo contexto da festa se deu por este ser de grande significância para o povo nordestino, e primordialmente por ser um espaço no qual o povo se representa. O trabalho traz um histórico da festa de carnaval da cidade do Recife, identifica as manifestações que a compõem, analisa as transformações ocorridas na festa e mostra o intenso processo de valorização da cultura local que vem ocorrendo nos últimos anos do século XX. Revela, como em decorrência desse processo, a cultura popular assume um caráter funcional e dinâmico onde as temáticas das tradições populares estão sendo reformuladas e reapropriadas pela população, permitindo a cultura popular nordestina não só permanecer, como também, se impor ao projeto capitalista de cultura global e negar seu caráter uniformizador. Mesmo que a festa carnavalesca esteja sendo transformada em megaespetáculo com formato e padronização de produto, deixando de ser um ritual e transformando-se em fonte de renda, alterando profundamente sua "fisionomia", continua sendo, para a gente daquele lugar o espaço de edificação das diferenças e da percepção do outro, o espaço de constituição da cidadania e da luta por se fazer respeitar e conquistar um "lugar" no panorama internacional
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13749
Aparece nas coleções:PPGCS - Doutorado em Ciências Sociais

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CristianeMN_TESE.pdf2,89 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.