Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16172
Título: O Arbusto dos Anjos
Autor(es): Santos, Iara Maria Carvalho Medeiros dos
Palavras-chave: Nulismo;Utopia;Augusto dos Anjos
Data do documento: 21-Dez-2009
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SANTOS, Iara Maria Carvalho Medeiros dos. O Arbusto dos Anjos. 2009. 154 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada; Literatura Comparada) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.
Resumo: A presente dissertação de mestrado, intitulada O ARBUSTO DOS ANJOS, apresentada ao Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, do CCHLA/UFRN, para obtenção do título de Mestra em Estudos da Linguagem, objetiva realizar uma leitura da obra anjosiana Eu (1912), de modo a identificar, no teor dialético de seus versos, uma atitude crítica do poeta frente à realidade instituída, assumindo, para tanto, dimensões utópicas que o fazem vislumbrar outras possibilidades de existência. Como fundamentação teórica, apóia-se em Nietzsche, em cujos textos de A Vontade de Poder (1884-1888) toma de empréstimo uma concepção de niilismo díspar do fatalismo e da resignação, porque voltada para uma negação das verdades instituídas; também baseia-se no pensamento de Benjamin, em suas Teses sobre o conceito de história (1940), de onde é possível enxergar, no desvio revolucionário pelo passado, uma oportunidade de construir um futuro diferente do agora. O estudo analisa alguns poemas de Augusto dos Anjos, tomando-os como realidade criadora que mantém pontos de contato com a realidade imediata do poeta. Apoiando-se no método de análise de Antonio Candido (2004), esta dissertação privilegia o estudo de cinco sonetos constituintes do Eu, a saber: O Lázaro da Pátria , Ricordanza della mia Gioventú , A Árvore da Serra , Debaixo do Tamarindo e Vozes da Morte . Identifica na sua abordagem lírica rasgadora de normas e aglutinadora de sonhos, o fundamento paradoxal que sustenta o niilismo utópico de Augusto dos Anjos, no qual protagoniza a voz dos oprimidos, digna de ser recordada no espaço sempre emblemático do texto literário
metadata.dc.description.resumo: A presente dissertação de mestrado, intitulada O ARBUSTO DOS ANJOS, apresentada ao Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, do CCHLA/UFRN, para obtenção do título de Mestra em Estudos da Linguagem, objetiva realizar uma leitura da obra anjosiana Eu (1912), de modo a identificar, no teor dialético de seus versos, uma atitude crítica do poeta frente à realidade instituída, assumindo, para tanto, dimensões utópicas que o fazem vislumbrar outras possibilidades de existência. Como fundamentação teórica, apóia-se em Nietzsche, em cujos textos de A Vontade de Poder (1884-1888) toma de empréstimo uma concepção de niilismo díspar do fatalismo e da resignação, porque voltada para uma negação das verdades instituídas; também baseia-se no pensamento de Benjamin, em suas Teses sobre o conceito de história (1940), de onde é possível enxergar, no desvio revolucionário pelo passado, uma oportunidade de construir um futuro diferente do agora. O estudo analisa alguns poemas de Augusto dos Anjos, tomando-os como realidade criadora que mantém pontos de contato com a realidade imediata do poeta. Apoiando-se no método de análise de Antonio Candido (2004), esta dissertação privilegia o estudo de cinco sonetos constituintes do Eu, a saber: O Lázaro da Pátria , Ricordanza della mia Gioventú , A Árvore da Serra , Debaixo do Tamarindo e Vozes da Morte . Identifica na sua abordagem lírica rasgadora de normas e aglutinadora de sonhos, o fundamento paradoxal que sustenta o niilismo utópico de Augusto dos Anjos, no qual protagoniza a voz dos oprimidos, digna de ser recordada no espaço sempre emblemático do texto literário
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/16172
Aparece nas coleções:PPGEL - Mestrado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
IaraMCMS_DISSERT.pdf641,46 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.