Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16944
Título: Maus ares e malária: entre os pântanos de Natal e o feroz mosquito africano (1892-1932)
Autor(es): Anaya, Gabriel Lopes
Palavras-chave: História e Espaços;Malária;Miasmas;Natal/Brasil;Epidemiologia;Estudos da Ciência;History and Spaces;Malaria;Miasma;Natal / Brazil;Epidemiology;Science Studies.
Data do documento: 27-Jul-2011
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: ANAYA, Gabriel Lopes. Maus ares e malária: entre os pântanos de Natal e o feroz mosquito africano (1892-1932). 2011. 215 f. Dissertação (Mestrado em História e Espaços) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
Resumo: The development of epidemiological practices in the last years of the nineteenth and early twentieth century was characterized by both an influence of medical geography and the emergence of microbes and vectors of diseases. Both theories were used to explain outbreaks in Rio Grande do Norte specially in Natal. In this process were organized new institutions linked to public health, unhealthy spaces and prescribed hygiene measures. The redefinitions of the spaces were linked to updated elements of Hippocratic medicine such as aerism and emphasis on medical topography. How the physicians of the town were organized in the face of new meanings and fields of expertise in the demarcation of diseases and regulation of their own practices against the illegal medical practitioners? Likewise, the very occurrence of epidemics mobilized people, urban institutions and apparatuses. But how the Hippocratic legacy that leads to the idea of bad air originated by swamps from the eighteenth and nineteenth century has been linked to new microbial assumptions and disease vectors in the early twentieth century? How an invader from Africa, (the mosquito A. gambiae) mobilized transnational efforts to combat malaria and redefined the epidemiological practices? The aim of this work is to understand how epidemiological practices redefine the way we define spaces, practices and disease from both an approach influenced by a relational history of spaces and a theoretical synergy which includes topics in Science Studies, Post Structuralist Geography and some elements of Feminist Studies. Documentary research were surveyed in the reports of the provincial presidents, government posts to the Provincial Assembly, specialized medical articles and theses, and documents from the Rockefeller Foundation and national and international journals. In this regard shall be given to both material and discursive aspects of space-related practical epidemiological that Natal as much (in general) Rio Grande do Norte between bad air and malaria.
metadata.dc.description.resumo: O desenvolvimento de práticas epidemiológicas nos últimos anos do século XIX e início do século XX foi caracterizado tanto pela influência da geografia médica quanto pela emergência dos micróbios e vetores de doenças como modelos explicativos. Esses elementos começaram a se destacar nas questões relacionadas às epidemias no Rio Grande do Norte com uma maior visibilidade em Natal. Nesse processo foram organizadas novas instituições ligadas à saúde pública, houve a demarcação de espaços insalubres e foram prescritas medidas de higiene e profilaxia a partir da Inspetoria de Hygiene. A redefinição dos espaços devido à circulação e proliferação de novos pressupostos também foi articulada a elementos da medicina hipocrática atualizados, com ênfase no aerismo e na topografia médica. De que maneira o próprio corpo médico da cidade se organizou frente aos novos sentidos e especializações nas demarcações das doenças e na própria regulamentação de suas práticas frente aos charlatães e praticantes de medicina ilegal? Da mesma maneira, a própria ocorrência de epidemias mobilizou pessoas, inauguração de instituições e de aparatos urbanos. Mas de que maneira o legado hipocrático que remete à idéia de maus ares pantanosos que resultavam das inquietações sanitaristas do século XVIII e XIX se articulou aos novos pressupostos microbianos e relativos aos vetores no início do século XX? Como um mosquito invasor , o A. gambiae, vindo da África para Natal, mobilizou esforços transnacionais no combate à malária e com isso ajudou a redefinir as práticas epidemiológicas? Pretende-se compreender como as práticas epidemiológicas redefinem a maneira de se delimitar espaços, práticas e doenças a partir de uma abordagem tanto influenciada por uma perspectiva relacional do espaço na história quanto a partir de uma sinergia teórica que inclui os Estudos da Ciência, Geografia Pós-estruturalista e elementos dos Estudos Feministas. Na pesquisa documental foram pesquisados os Relatórios dos presidentes de província, Mensagens de Governo à Assembléia Provincial, artigos e teses médicas especializadas, além de documentos da Fundação Rockefeller e periódicos nacionais e internacionais. Nesse sentido será privilegiado o aspecto tanto material quanto discursivo dos espaços ligados às práticas epidemiológicas que atravessam tanto Natal quanto (de maneira geral) o Rio Grande do Norte entre os maus ares e a malária no período proposto.
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/16944
Aparece nas coleções:PPGH - Mestrado em História

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
GABRIEL ANAYA _2011_ MAUS ARES E MALARIA 18.pdf5,19 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.