Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21164
Título: Elucidação molecular e micelar dos superagregados de anfotericina B
Autor(es): Silva, Christian Assunção da
Palavras-chave: Superagregados;Aquecimento;Toxicidade;AmB;Análises térmicas;RMN;DLS;DRX
Data do documento: 20-Jul-2015
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Referência: SILVA, Christian Assunção da. Elucidação molecular e micelar dos superagregados de anfotericina B. 2015. 50f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: A Anfotericina B (AmB) é amplamente utilizada no tratamento de infecções fúngicas sistêmicas. No entanto, a sua utilização é limitada devido a sua elevada toxicidade aguda e crônica. Os superagregados de AmB (H-AmB) obtido pelo processo de aquecimento controlado apresentam um potencial reduzido de toxicidade quando comparados à Anfotericina B micelar não aquecida (M-AmB). Diante do exposto, o objetivo deste estudo foi avaliar as características físico-químicas do processo de formação dos superagregados após a liofilização do H-AmB, por meio de técnicas tais como a calorimetria de exploratória diferencial (DSC), termogravimetria (TG) e análise térmica diferencial (DTG), ressonância magnética nuclear (RMN), espalhamento dinâmico de luz (DLS) e difração de raios X (DRX). Os dados de DLS indicaram um tamanho de aproximadamente 260 nm deste novo sistema, sendo este tamanho compatível e viável para administração intravenosa. A análise de DRX demonstrou a formação de um novo estado cristalino do sistema micelar, podendo este estar relacionado a presença de grande proporção de desoxicolato de sódio (NaDC) na formulação. O aquecimento do NaDC resulta na formação de uma estrutura helicoidal intermolecular, promovendo desta forma o aumento da agregação micelar e consequentemente aumento de seu tamanho. Os estudos das análises térmicas demonstraram que o processo de aquecimento não influência no comportamento das amostras. Os dados de RMN da H-AmB demonstraram a presença de ácido desoxicólico além do NaDC. O ácido desoxicólico é formado após o processo de aquecimento e sugere-se que o equilíbrio entre ambas as moléculas seja responsável pela redução da toxicidade da AmB. Os resultados aqui apresentados sugerem que o processo de aquecimento controlado altera a organização estrutural das micelas, resultando na diminuição da toxicidade, na melhoria da estabilidade térmica e na manutenção da atividade.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/21164
Aparece nas coleções:PPGCSA - Mestrado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ElucidacaoMolecularMicelar_Silva_2015.pdf1,44 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.