Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22068
Título: Nanopartículas sintetizadas por método verde, contendo prata e fucana, induzem morte de células de adenocarcinoma renal humano (786-0)
Autor(es): Amorim, Mônica de Oliveira Rocha
Palavras-chave: Fucanas;Nanopartículas;Adenocarcinoma renal;Spatoglossumschröederi
Data do documento: 30-Set-2016
Citação: AMORIM, Mônica de Oliveira Rocha. Nanopartículas sintetizadas por método verde, contendo prata e fucana, induzem morte de células de adenocarcinoma renal humano (786-0). 2016. 76f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
metadata.dc.description.resumo: O estado do Rio Grande do Norte possui uma grande diversidade de espécies de macroalgas marinhas fornecedores de compostos com grande potencial farmacológico e biotecnológico. Dentre eles destacam-se os polissacarídeos sulfatados. Polissacarídeos que contémL-fucose sulfatada são muitas vezes denominados de fucanas. A alga marrom Spatoglossumschröederi sintetiza três fucanas e aquela que é obtida em maior quantidadefoi denominada de fucana A. A produção de nanopartículas de prata contendo biopolímeros naturais tem sido apontada como uma excelente alternativa para potencializar ou fornecer novas aplicabilidades aos mesmos, pois estes apresentam propriedades farmacológicas que podem ser potencializadas se aliadas à nanotecnologia. A fucana A não se mostroucitotóxica para diferentes linhagens de células normais, nem tampouco é tóxico para ratos quando administrado em altas doses. Ademais, apresentou baixa toxicidade para células tumorais. Com intuito de potencializar a toxicidade da fucana Afrente às linhagens tumorais, nanopartículas de prata contendo este polissacarídeo foram sintetizadas por um método verde (pouco agressivo ao meio ambiente). Estas nanopartículas apresentaram um tamanho médio de 210 nm e formato arredondado, bem como,uma carga superficial negativa e foram estáveis por quatorze meses. Quando incubadas com células, estas nanopartículas não apresentaram citotoxicidade para diferentes linhagens de células normais, mas diminuíram a viabilidade de várias linhagens de células tumorais (786-0, HepG2, Siha), principalmente células de adenocarcinoma de renal 786-0. Análises por fluorescência e de citometria de fluxo sugerem que as nanopartículas induzem necrose nas células 786-0. Por outro lado, as nanoparticulas não foram toxicas para células renais normais (HEK, VERO, MDCK). Os dados aqui mostrados levam a conclusão de que as nanopartículas com fucana A são promissores agentes para combate de adenocarcinoma renal.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22068
Aparece nas coleções:PPGCSA - Mestrado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MonicaDeOliveiraRochaAmorim_DISSERT.pdf1,36 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.