Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22487
Título: Consumo dietético e status de zinco em pacientes com esclerose lateral amiotrófica
Autor(es): Silva, Heloisa Fernanda Lopes da
Palavras-chave: Zinco;Esclerose lateral amiotrófica;Estado nutricional
Data do documento: 2-Dez-2016
Citação: SILVA, Heloisa Fernanda Lopes da. Consumo dietético e status de zinco em pacientes com esclerose lateral amiotrófica. 2016. 71f. Dissertação (Mestrado em Nutrição) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: Disturbances of zinc homeostasis in nervous system, represented by its excess or deficiency, are associated with numerous neurodegenerative diseases, including amyotrophic lateral sclerosis (ALS), contributing to its pathogenesis and progression. Thus, the purpose of this study was to evaluate the dietary intake and zinc status in ALS patients attending a specialized ambulatory care at Onofre Lopes University Hospital, Natal-RN, Brazil. This is a case-control study of 57 individuals, 20 patients with ALS (case group) and 37 healthy subjects (control group). Case group patients were clinically characterized in terms of symptom onset, symptom duration, feeding pathway and score on the ALS functional rating scale. In both groups, body mass index (BMI) was calculated, and dietary energy, macronutrients, fiber and zinc intake were obtained from two 24-hour recalls. Moreover, in both groups, plasma and urinary zinc concentrations were determined by atomic absorption spectrophotometry. Most of the participants were eutrophic, according to BMI, accounting for 73.7% of the cases and 62.2% of controls. Mean energy, protein, carbohydrate and fat intake was significantly lower for the case group. There was greater prevalence of inadequate zinc intake in the case group (35%) compared to control group (27%). Mean plasma zinc was significantly lower in the case group than in control group (77.13 ± 22.21 vs. 87.84 ± 17.44 μgZn/dL) (p=0.05). Urinary zinc did not differ significantly between cases and controls (p=0.155). In the case group, urinary plasma and zinc concentrations were below reference values in 50.0% and 52.6% of patients, respectively. A large portion of patients with ALS exhibited changes in body zinc status, demonstrated by the low plasma zinc concentration and low food intake. The zinc deficiency found in half of the ALS patients may contribute to a worsened prognosis in patients with ALS and should be the target of nutritional interventions that aim to correct this deficiency.
metadata.dc.description.resumo: Alterações no status de zinco no sistema nervoso têm sido implicadas em uma gama de doenças neurodegenerativas, incluindo a esclerose lateral amiotrófica (ELA), cuja deficiência ou o excesso de zinco pode influenciar sua patogênese e progressão. Diante disso, objetivou-se avaliar o consumo dietético e o status de zinco em pacientes com ELA, assistidos em um ambulatório especializado no Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal-RN, Brasil. Foi realizado um estudo do tipo caso-controle não pareado composto por 57 indivíduos, sendo 20 pacientes com ELA (grupo caso) e 37 indivíduos saudáveis (grupo controle). Foi realizada uma avaliação clínica no grupo caso, em relação ao início e tempo dos sintomas, via de alimentação e escore da escala de avaliação funcional. Para ambos os grupos determinou-se o índice de massa corporal (IMC) e o consumo dietético de energia, macronutrientes, fibra e zinco, por meio da análise de 2 recordatórios de 24h. Ademais, para ambos os grupos foram verificadas as concentrações de zinco no plasma e na urina por meio de espectrofotometria de absorção atômica. Observou-se que a maioria dos participantes estavam eutróficos segundo IMC, correspondendo a 73,7% dos casos e 62,2% dos controles. O consumo médio de energia, proteína, carboidrato e gordura foi significativamente menor para o grupo caso comparado ao grupo controle. Houve maior prevalência de inadequação da ingestão de zinco no grupo caso (35%) em comparação ao grupo controle (27%). A média de zinco no plasma foi significativamente menor no grupo caso em relação ao grupo controle (77,13 ± 22,21 vs. 87,84 ± 17,44 μg/dL) (p=0,05). Não houve diferença significativa para o zinco na urina entre casos e controles (p=0,155). No grupo caso, as concentrações de zinco no plasma e na urina estavam abaixo dos valores de referência em 50,0% e 52,6% dos pacientes, respectivamente. Grande parte dos pacientes com ELA apresentou alteração no status de zinco corporal, demonstrada pela baixa concentração de zinco no plasma e baixa ingestão alimentar. A deficiência de zinco encontrada na metade dos pacientes com ELA pode contribuir para um pior prognóstico e deve ser alvo de intervenções nutricionais específicas que visem a correção dessa deficiência.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22487
Aparece nas coleções:PPGNUT - Mestrado em Nutrição

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
HeloisaFernandaLopesDaSilva_DISSERT.pdf1,12 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.