Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/23247
Título: Prevalência e susceptibilidade antifúngica de candida spp implicadas na candídiase vulvovaginal em gestantes
Autor(es): Brandão, Laise Diana dos Santos
Palavras-chave: Candida spp;Candidíase em gestantes;Vaginite;Candidíase vulvovaginal;Susceptibilidade a antifúngicos
Data do documento: 27-Jan-2017
Citação: BRANDÃO, Laise Diana dos Santos. Prevalência e susceptibilidade antifúngica de candida spp implicadas na candídiase vulvovaginal em gestantes. 2017. 72f. Dissertação (Mestrado em Biologia Parasitária) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Resumo: Vulvovaginal Candidiasis (VVC) is an inflammatory disease of the vulva and vagina caused by yeasts from genus Candida. Approximately 75% of all pregnant women experience at least one VVC episode during their lives and 50% of them experience recurrent episodes. The diversity of epidemiological features related to VVC and the lack of local data support the importance of epidemiological studies that aim to identify these yeasts through classical (such as microculture) and modern (using Chromagar and automated identification) methodologies. The Candida species responsible for VVC in pregnant patients who attended Maternidade Escola Januário Cicco, Rio Grande do Norte-Brasil were confirmed through sequencing. Their susceptibility to selected antifungal agents (fluocytosine, fluconazole, voriconazole, amphotericin B, caspofungin and micafungin) was determined, and the association between patient related factors aided the construction of an epidemiological profile. From 41 samples 19 yeasts were identified phenotypically as Candida albicans, and one as Candida glabrata which is reported as the non-albicans species most frequently isolated from vulvovaginitis. Antifungal susceptibility testing performed by automated method (Vitek 2) showed that all strains were sensitive to the drugs tested, including the C. glabrata specimen despite its well-known resistance or dose-dependent susceptibility to azole derivatives. Regarding patient related factors, no statistically significant association between these and the establishment of VVC was found. It can be concluded that the laboratorial diagnosis of VVC is necessary prior to the administration of treatment, since only 48.78% of the patients had VVC but all of them were prescribed antifungal therapy after sample collection.
metadata.dc.description.resumo: A Candidíase Vulvovaginal (CVV) caracteriza-se como um processo infeccioso inflamatório da vulva e vagina, causado por leveduras do gênero Candida. Aproximadamente 75% de todas as mulheres grávidas experienciam pelo menos um episódio de CVV durante as suas vidas e 50% delas sofrem episódios recorrentes. As variações epidemiológicas relacionadas à CVV, e ausência de dados locais, sustentam a importância desse estudo, que objetivou a determinação da prevalência de Candida spp. responsáveis pela CVV em gestantes atendidas na Maternidade Escola Januário Cicco/RN, buscando possíveis associações entre esta e fatores como diabetes e uso de antibióticos. As metodologias clássicas (como o microcultivo) e atuais (utilizando Chromagar e identificação automatizada) foram empregadas, e seus resultados confirmados através de sequenciamento. Os perfis de susceptibilidade a antifúngicos foram determinados e, através do teste exato de Fisher, foi feita a busca por associação entre fatores relacionados às pacientes e a ocorrência de CVV. Os resultados da identificação foram compatíveis com o descrito na literatura por outros pesquisadores, com 95% das leveduras identificadas fenotipicamente como C. albicans, e 5% C. glabrata, relatada como espécie do tipo não-albicans mais frequentemente isolada de vulvovaginites. Quanto aos testes de susceptibilidade aos antifúngicos, realizados pelo método automatizado (Vitek 2), todas as cepas se mostraram sensíveis às drogas testadas (fluocitosina, fluconazol, voriconazol, anfotericina B, caspofungina e micafungina), inclusive o espécime de C. glabrata, que possui relatos de resistência, ou susceptibilidade dose dependente, aos derivados azólicos. Com relação aos fatores sociodemográficos, não foi constatada nenhuma associação, estatisticamente significativa, entre estes e o estabelecimento da CVV. Conclui-se, portanto, que o diagnóstico microbiológico da CVV é relevante para o tratamento, tendo em vista que todas as pacientes com suspeita clínica foram tratadas com antifúngicos logo após a coleta da amostra de secreção vaginal, mas apenas 48,78% destas, foram realmente positivas, sendo a espécie C. albicans prevalente, seguida pela C. glabrata.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/23247
Aparece nas coleções:PPGBP - Mestrado em Biologia Parasitária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LaiseDianaDosSantosBrandao_DISSERT.pdf1,96 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.