Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/24636
Title: Estado nutricional, sarcopenia e funcionalidade em idosas residentes na comunidade
Authors: Oliveira Neta, Rosa Sá de
Keywords: Envelhecimento;Idosas;Estado nutricional;Funcionalidade;Sarcopenia
Issue Date: 1-Dec-2017
Citation: OLIVEIRA NETA, Rosa Sá de. Estado nutricional, sarcopenia e funcionalidade em idosas residentes na comunidade. 2017. 67f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Abstract: Introduction: One of the typical body changes of aging is the loss of muscle mass and function (sarcopenia), which contributes to functional limitation as well as obesity, which is also one of the risk factors related to the development of diseases that limit functionality. Objective: To evaluate the relationship between functional capacity, sarcopenia and the nutritional status of the elderly in the community. Methods: Cross-sectional observational study performed with 100 elderly women over 60 years of age attending the physical therapy clinic of the Faculty of Health Sciences of Trairi (FACISA-UFRN). To collect data, a questionnaire containing identification information, socioeconomic data, physical activity practice, anthropometric data and body composition were applied. waist circumference, waist-height ratio, and muscle mass measured by bioimpedance) and functional data (six-minute walk test). Results: The mean age of the sample was 67 ± 8.0 years. Most of the elderly women did not practice physical activity (59%), had at least elementary school (38%), received up to two minimum wages (48%), and were obese. Prevalence rates for sarcopenia were: sarcopenia (5%), sarcopenia (14%), obesity (63%) and normal (18%). Active elderly, who studied more than elementary school through high school, with income between two and four salaries, and not obese had better performance in the walking test than the others. There were no statistically significant differences in the walk test according to income (p> 0.05). Non-obese and non-sarcopenic women walked more on the functional test than the others (p = 0.021). Conclusions: The elderly with low education, sedentary and with low socioeconomic level presented worse performance in the walking test. Obesity classified only by BMI showed no significance when compared to the walking test, while other forms of obesity measurement were significant. Obesity, sarcopenia and sarcopenic obesity were prevalent in the elderly and related to the worst physical performance, generating new demands for the health and social security systems.
Portuguese Abstract: Introdução: Uma das alterações corporais típicas do envelhecimento é a perda da massa e da função do muscular (sarcopenia), que contribui para a limitação funcional assim como a obesidade que também é um dos fatores de risco relacionados ao desenvolvimento de doenças que limitam a funcionalidade. Objetivo: Avaliar a relação entre a capacidade funcional, a sarcopenia e o estado nutricional de idosas da comunidade. Métodos: Estudo observacional analítico de caráter transversal realizado com 100 idosas acima de 60 anos que frequentaram a clínica-escola de fisioterapia da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (FACISA-UFRN). Para a coleta de dados, aplicou-se um questionário, contendo informações de identificação, dados socioeconômicos, prática de atividade física, dados antropométricos e de composição corporal através da aplicação da bioimpedância e dados de funcionalidade através do teste de caminhada de seis minutos. Resultados: A média de idade da amostra foi de 67±8,0 anos, A maioria das idosas não praticava atividade física (59%), possuíam pelo menos o ensino fundamental (38%), recebiam até dois salários mínimos (48%) e eram obesas. As taxas de prevalência quanto à presença de sarcopenia foram: obesidade sarcopênica (5%), sarcopenia (14%), obesidade (63%) e normais (18%). Idosas ativas, que estudaram mais que o ensino fundamental até o ensino médio, com renda entre dois e quatro salários, e não obesas tiveram melhor desempenho no teste de caminhada que as demais. Não houve diferenças estatisticamente significativas no teste de caminhada de acordo com a renda ou IMC (p>0,05). As idosas não obesas e não sarcopênicas caminharam mais no teste de funcionalidade que as demais (p=0,021). Conclusões: As idosas com baixa escolaridade, sedentárias e com baixo nível socioeconômico apresentaram piores desempenhos no teste de caminhada. A obesidade classificada apenas pelo IMC não mostrou significância quando comparada ao teste de caminhada, já as outras formas de mensuração da obesidade foram significantes. A obesidade, sarcopenia e obesidade sarcopênica foram prevalentes nas idosas e tiveram relação com os piores desempenhos físicos, gerando novas demandas para os sistemas de saúde e seguridade social.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/24636
Appears in Collections:PPGSCOL/FACISA - Mestrado em Saúde Coletiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RosaSaDeOliveiraNeta_DISSERT.pdf1,21 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.