Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26597
Title: Nanoencapsulação de óleo de buriti (Mauritia flexuosa) em alginato e gelatina: caracterização e avaliação da solubilidade e potencial antimicrobiano
Authors: Azevedo, Gabrielle Mahara Martins
Keywords: Ácidos graxos;Compostos fenólicos;Emulsificação O/A;Óleos vegetais
Issue Date: 29-Nov-2018
Citation: AZEVEDO, Gabrielle Mahara Martins. Nanoencapsulação de óleo de buriti (Mauritia flexuosa) em alginato e gelatina: caracterização e avaliação da solubilidade e potencial antimicrobiano. 2018. 78f. Dissertação (Mestrado em Nutrição) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.
Abstract: Buriti oil (Mauritia flexuosa) presents great functional potential because it presents high levels of carotenoids, oleic acid and phenolic compounds. However, the liposolubility and oxidation of the bioactive compounds limit application as an ingredient in food. Based on this, the objective of the present study was to evaluate the isolated and conjugated effect of porcine gelatin and sodium alginate on buriti oil encapsulation, and the effect on solubility and antimicrobial potential. The vegetable oil was supplied by Plantus S.A. and was submitted to chemical characterization (profile of fatty acids and phenolic compounds) and evaluation of antimicrobial potential. The encapsulation was performed by the oil/water emulsification technique, using Tween 20 as a surfactant. The encapsulates obtained were characterized by MEV, FTIR, Laser Diffraction, Zeta Potential, XRD, and incorporation efficiency (%). In addition, they were evaluated for solubility and antimicrobial potential compared to crude oil. The fatty acid profile showed predominance of linoleic acid (53.36%) and palmitic acid (25.75%). The phenolic compound that presented the highest concentration was quercetin (20.53 (0.37) µg/g). The characterization study showed that the encapsulates based on gelatin (OGS) presented spherical shape, smooth surface and low agglomeration, compared to that obtained through the combination of encapsulating agents (OAG). The FTIR indicated new chemical interactions present in the encapsulates due to the formation of new vibrational bands, mainly for OGS that presented greater attenuation of the vibrations present in the crude oil. The encapsulation efficiencies obtained for OGS and OAG were, respectively, 86.80% and 71.91% (p <0.05). In relation to water solubility, OGS had a higher percentage [89.83 (2.59)%] than OAG [42.84 (2.21)%] and pure buriti oil [3.91 (0.39 )%]. Regarding the inhibition of growth (%) of Pseudomonas aeruginosa and Klebsiella pneumonia, OGS preserved the antimicrobial activity of pure buriti oil (p>0.05). Therefore, it can be concluded that the encapsulation of buriti oil in gelatin was a promising strategy to increase the potential of buriti oil use in foods.
Portuguese Abstract: O óleo de buriti (Mauritia flexuosa) apresenta grande potencial funcional por apresentar elevados teores de carotenoides, ácido oleico e compostos fenólicos. Entretanto, a lipossolubilidade e fácil oxidação dos compostos bioativos limitam a aplicação como ingrediente em alimentos. Com base nisso, o objetivo do presente estudo foi avaliar o efeito isolado e conjugado de gelatina suína e alginato de sódio na encapsulação do óleo de buriti, e o efeito na solubilidade e potencial antimicrobiano. O óleo vegetal foi fornecido pela empresa Plantus S.A. e, foi submetido à caracterização química (perfil de ácidos graxos e compostos fenólicos) e avaliação da atividade antimicrobiana. A encapsulação foi realizada pela técnica de emulsificação óleo/água, utilizando Tween 20 como tensoativo. Os encapsulados obtidos foram caracterizados por MEV, FTIR, Difração a Laser, Potencial Zeta, DRX, e eficiência de incorporação (%). Além disso, foram avaliados quanto à solubilidade e potencial antimicrobiano comparado ao óleo bruto. O perfil de ácidos graxos mostrou predomínio de ácido linoleico w-6 (53,36%) e ácido palmítico (25,75%). O composto fenólico que apresentou maior concentração foi a quercetina [20,53 (0,37) µg/g]. O estudo de caracterização mostrou que os encapsulados a base de gelatina (OGS) apresentaram formato esférico, superfície lisa e pouca aglomeração, comparado ao obtido por meio da combinação de agentes encapsulantes (OAG). O FTIR indicou novas interações químicas presentes nos encapsulados devido à formação de novas bandas vibracionais, principalmente para OGS que apresentou maior atenuação das vibrações presentes no óleo bruto. As eficiências de encapsulação obtidas para OGS e OAG foram, respectivamente, de 86,80% e 71,91% (p<0,05). Quanto à solubilidade em água, OGS apresentou maior percentual [89,83 (2,59)%] comparado a OAG [42,84 (2,21)%] e ao óleo de buriti puro [3,91 (0,39)%]. Em relação à inibição do crescimento (%) de Pseudomonas aeruginosa e Klebsiella pneumonia, OGS preservou a atividade antimicrobiana do óleo de buriti puro (p>0,05). Portanto, a encapsulação do óleo de buriti em gelatina foi uma estratégia promissora para aumentar o potencial de utilização do óleo como ingrediente em alimentos.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26597
Appears in Collections:PPGNUT - Mestrado em Nutrição

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Nanoencapsulaçãoóleoburiti_Azevedo_2018.pdf882,51 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.