Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/58721
Title: Uso do ácido acetilsalicílico, expressão de marcadores da pré-eclâmpsia e doppler de artérias uterinas no segundo trimestre gestacional
Authors: Germano, Bianca Caroline da Cunha
Advisor: Cobucci, Ricardo Ney Oliveira
Keywords: Pré-eclâmpsia;AAS;Predição
Issue Date: 28-Feb-2024
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: GERMANO, Bianca Caroline da Cunha. Uso do ácido acetilsalicílico, expressão de marcadores da pré-eclâmpsia e doppler de artérias uterinas no segundo trimestre gestacional. Orientador: Dr. Ricardo Ney Oliveira Cobucci. 2024. 59f. Dissertação (Mestrado em Ciências Aplicadas à Saúde da Mulher) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2024.
Portuguese Abstract: A pré-eclâmpsia (PE) ocorre na gestação com hipertensão e proteinúria, ou falha em órgãos-alvo e está associada com morbimortalidade materna e fetal. Entre os fatores de riscos para a PE está a obesidade materna. Na fisiopatologia ocorre uma disfunção inflamatória vascular e placentária, alterando marcadores séricos e biofísicos. O Ácido Acetil Salicílico (AAS) pode prevenir a doença, reduzindo o processo inflamatório. O objetivo do estudo foi analisar, em gestantes no segundo trimestre gestacional, se o uso do AAS interfere no doppler das artérias uterinas e nos marcadores séricos da PE, e observar como eles se comportam em gestantes obesas. Este foi um estudo transversal, envolvendo 71 gestantes entre 20 e 24 semanas e 06 dias de gestação, recrutadas em dois municípios do Rio Grande do Norte entre dezembro de 2022 e outubro de 2023. Aplicou-se questionários para caracterização da população; realização de ultrassonografia morfológica do 2º trimestre com avaliação do doppler das artérias uterinas e medição de níveis séricos de PlGF (do inglês: Placental Growth Factor). Os dados foram tabulados no SPSS (Statistical Package for the Social Sciences – versão 4.2.2) para realização de análise descritiva, teste de Shapiro-wilk e correlação de Spearman. Adotou-se nível de p < 0,05 de significância estatística. O índice de massa corporal (IMC) médio da amostra foi de 31,02. Trinta e oito grávidas confirmaram uso do AAS e nesse grupo os valores do índice de pulsatibilidade (IP) médio das artérias uterinas foi de 1,03 e do PlGF 307,80, e naquelas que não utilizaram, os valores foram de 0,95 e 325,3, respectivamente. Nesse estudo, usar AAS não contribuiu para redução do IP das artérias uterinas e não houve diferença significativa da média do PIGF. Maiores estudos são importantes para confirmarem esses resultados.
Abstract: Preeclampsia (PE) occurs in pregnancy with hypertension and proteinuria, or target organ failure, and is associated with maternal and fetal morbidity and mortality. Among the risk factors for PE is maternal obesity. In pathophysiology, vascular and placental inflammatory dysfunction occurs, altering serum and biophysical markers. Acetyl Salicylic Acid (AAS) can prevent the disease by reducing the inflammatory process. The objective of the study was to analyze, in pregnant women in the second trimester of pregnancy, whether the use of AAS interferes with the Doppler of the uterine arteries and serum PE markers, and observe how they behave in obese pregnant women. This was a cross-sectional study, involving 71 pregnant women between 20 and 24 weeks and 06 days of gestation, recruited in two municipalities in Rio Grande do Norte between December 2022 and October 2023. Questionnaires were applied to characterize the population; morphological ultrasound of the 2nd trimester with Doppler assessment of the uterine arteries and measurement of serum PlGF (Placental Growth Factor) levels. The data were tabulated in SPSS (Statistical Package for the Social Sciences – version 4.2.2) to perform descriptive analysis, Shapiro-Wilk test and Spearman correlation. The significance level was 5%. The average body mass index (BMI) of the sample was 31.02. 38 pregnant women confirmed the use of AAS and in this group the mean pulsatility index (PI) values of the uterine arteries were 1.03 and PlGF 307.80, and in those who did not use it, the values were 0.95 and 325. 3, respectively. In this study, using AAS did not contribute to reducing the PI of the uterine arteries and there was no significant difference in the mean PIGF. Larger studies are important to confirm these results.
URI: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/58721
Appears in Collections:PPgCASM - Mestrado em Ciências Aplicadas à Saúde da Mulher

Files in This Item:
File SizeFormat 
Usoacidoacetilsalicilico_Germano_2024.pdf1,16 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.